Civil VI_Sucessões_Introdução
9 pág.

Civil VI_Sucessões_Introdução

Disciplina:DIREITO CIVIL VI622 materiais12.380 seguidores
Pré-visualização3 páginas
AULA 1
Direito das sucessões. Introdução. Conceito. Disposições gerais. Princípio da saisine. Formas de sucessão. Distinção. Sucessão a título universal e singular. Abertura da sucessão: tempo e lugar. Sucessores: herdeiros legítimos e testamentários, legatários. Distinções. Sucessão do ausente.

I - INTRODUÇÃO

1. OBJETO
- Divisão do patrimônio deixado por uma pessoa (= de cujus, inventariado)

- Testamento: Ato jurídico válido mas que só tem eficácia após a morte, tanto é que pode ser anulado / retificado pelo testador em vida.

2. CONCEITO
- É um conjunto de princípios jurídicos que disciplinam a transmissão do patrimônio de uma pessoa que morreu aos seus sucessores.

3. EVOLUÇÃO HISTÓRICA
- Roma: Podia testar para qq um; se a pessoa não tivesse feito o testamento, todo o patrimônio ia para o filho homem (ainda que não fosse primogênito). Com o tempo, passou-se do herdeiro único para outros parentes.
- Brasil: QQ pessoa pode testar porém nos limites estipulados em lei
- França: Grau de parentesco 13° grau
- Brasil:
a) Liberdade de testar: Há uma parte da herança que é necessariamente dos parentes de sangue e outra parte pode ser disposta livremente.
b) Grau de parentesco: O CC brasileiro admite o parentesco colateral até o 4° grau (art. 1612) (não existe primo de 1°, 2°, 3° graus)
c) Momento da transmissão: Transmissão imediata da posse e da propriedade (art. 1784).

4. FUNDAMENTO DA SUCESSÃO
- Art. 5°, XXX, CF: DIREITO À HERANÇA é DIREITO CONSTITUCIONAL.
- A SUCESSÃO seria decorrência do DIREITO DE PROPRIEDADE, que é garantido pelo art. 5°, XXII, CF, podendo a pessoa dispor de seus bens para depois de sua morte.

5. MOMENTO DA TRANSMISSÃO. IMPORTÂNCIA.
- Roma antiga: 3 momentos Morte – Abertura – Aceitação da herança
- Brasil: O MOMENTO DA TRANSMISSÃO se dá no exato momento da MORTE DA PESSOA
 Muita gente pensa que é o momento da abertura do inventário
 Art. 1784, CC: “Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários.”
 Conseqüências da transmissão IMEDIATA da herança (art. 1.784):
o herdeiro passa a ter direito aos frutos dos bens da herança;
a herança não será considerada jacente;
o herdeiro pode defender a posse da herança contra terceiros através dos interditos possessórios;
o herdeiro poderá continuar de pleno direito as ações ajuizadas pelo de cujus (Menos as personalíssimas).

6. FORMAS DE SUCESSÃO
a) LEGÍTIMA (art. 1829, CC)
- Herda-se em virtude da DISPOSIÇÃO DE LEI Está expressa na lei a ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA (art. 1829): descendentes, ascendentes, cônjuge e colateral.
- No art. 1790, o CC estabeleceu o direito a sucessão da companheira.

b) TESTAMENTÁRIA (arts. 1.789, 1.845, 1.846, 1.801 e 1.850)
- Herda-se através de disposição de ÚLTIMA VONTADE DO FALECIDO, consubstanciada num TESTAMENTO ou CODICILO
- No testamento, o testador poderá dispor livremente da ½ do seu patrimônio, a outra ½ constituirá a LEGÍTIMA e destina-se somente aos HERDEIROS NECESSÁRIOS (descendentes ou ascendentes), se existirem.
- A lei faculta à pessoa testar um certo % para outra pessoa, exceto para as pessoas do art. 1801, dentre as quais se destaca a concubina – vide art. 1802)

> OBS.: A sucessão pode ser legítima e testamentária ao mesmo tempo. Ex: Legítima com relação aos herdeiros legítimos e testamentária para uma outra pessoa ou até mesmo para um dos herdeiros.

7. ESPÉCIES DE SUCESSÃO
- A sucessão pode se dar a título UNIVERSAL ou SINGULAR:

a) A TÍTULO UNIVERSAL
- Herda-se a TOTALIDADE DO PATRIMÔNIO deixado pelo de cujus ou uma QUOTA-PARTE, individualizada através de um % ou fração
- Pode decorrer da lei ou de disposição de última vontade
- Neste caso, o sucessor chama-se HERDEIRO
- Pode decorrer da LEI ou de disposição de ÚLTIMA VONTADE
- Ex.: Deixo para X 60% da minha herança Testamento universal

b) A TÍTULO SINGULAR
- Herda-se um BEM INDIVIDUALIZADO ou que POSSA SER INDIVIDUALIZADO, que se chama LEGADO
- O beneficiário chama-se LEGATÁRIO
- Apenas por TESTAMENTO
- Ex.: Deixo para X o meu carro Testamento singular

* OBS:
1) OS HERDEIROS NECESSÁRIOS PODEM SER LEGATÁRIOS.
2) Posso requerer que dentro da cota hereditária, meu filho receba um certo bem, sem que isso caracterize legado
3) Se não tenho filhos, terei apenas herdeiro testamentário / legatário. Se só tiver legatário, as dívidas não serão pagas.

* DIFERENÇA

	SUCESSOR A TÍTULO UNIVERSAL
	SUCESSOR A TÍTULO SINGULAR

	- Assume a responsabilidade pelo pagamento das DÍVIDAS DO ESPÓLIO até as forças da herança (o herdeiro recebe a herança descontadas as dívidas)
	- A princípio, só responde pelos ônus que tiverem sido impostos ao seu legado. Ex: Apto com dívida de IPTU (A fazenda Estadual pode, no inventário, requerer o pagamento)

	- Recebe a herança DESDE LOGO com a morte
	- Recebe somente QUANDO LHE FOR ENTREGUE pelo herdeiro, tendo ele direito de PEDIR o seu legado.

I) LEGÍTIMA UNIVERSAL
- Sempre que a sucessão for LEGÍTIMA, ela será UNIVERSAL
- A lei não estipula % limite Os herdeiros não recebem uma fração da herança mas um fração de TODA a herança
- Ex.:
				A (viúvo) falece
		

			B		C

Os filhos B e C herdam METADE DE TODO O PATRIMÔNIO (herdam universalmente): 50% cada um. A sucessão é LEGÍTIMA (porque vai para os filhos) e UNIVERSAL (porque os herdeiros recebem em relação a todo o patrimônio).
* No momento da sucessão os filhos recebem como um todo, só na partilha é que cada um receberá 50%.

II) TESTAMENTÁRIA SINGULAR
- Sempre que a sucessão for SINGULAR, ela será TESTAMENTÁRIA
- Ex: Elaboro um testamento no qual consta que deixo 50% do meu apto na Barra para X, 20% para Z e 30% para Y É sucessão testamentária singular porque individualiza o bem (não importa eu ter fracionado o bem, o que importa é eu tê-lo especificado).
- Bem singular = Bem específico que o testador testa para certa pessoa
- Não precisa ser o bem inteiro, pode ser uma fração dele, desde que especificado
- É possível a sucessão testamentária na forma UNIVERSAL

 Ex1: Deixo 20% dos meus bens para X, 50% para Y e 30% para Z % em relação a todo o patrimônio, sem individualizar

 Ex2: X falece B e C, sendo herdeiros necessários, herdam 50% de seus bens
	 Z herda 50% da totalidade dos bens da disponíveis (herdeiro
		 testamentário)	
	 			
Se, ao invés de testar para Z, X testasse para B, teríamos:
- 25% da legítima para B (herdeiro legítimo)
- 50% da disponível para B (herdeiro testamentário )
				
B receberia 75% do total dos bens de X

 Ex3: X é casado com P sob o regime da comunhão parcial de bens. Seus filhos são B, C, D.

			 X 		P

		

			 B	 C D

 X falece. Seus bens são:
1) Apto (adquirido antes do casamento)
2) Casa (comprada na constância do casamento
3) Terreno (recebido por doação)

 Antes de ver se o patrimônio será inventariado na totalidade ou não, É PRECISO OBSERVAR O REGIME DE COMUNHÃO DE BENS.
 P tem direito a 50% de tudo a título de MEAÇÃO e P só terá direito aos bens adquiridos a TÍTULO ONEROSO na constância do casamento. Assim, irão para o inventário:
- Totalidade do apto
- Totalidade do terreno
- 50% da casa

* OBS.: Não esquecer da Súmula 377, STF: “No regime de separação legal de bens, comunicam-se os adquiridos na constância do casamento”.

* Portanto:
A SUCESSÃO LEGÍTIMA SEMPRE É A TÍTULO UNIVERSAL, não havendo legado se não há testamento.
A espécie UNIVERSAL é sempre na forma LEGÍTIMA
Já a SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA pode ser a TÍTULO UNIVERSAL OU A SINGULAR.
A espécie SINGULAR é sempre na forma TESTAMENTÁRIA

 Ex: Deixo para C 60% da minha herança Testamentária universal
 Deixo para C o meu carro Testamentária singular

* OBS.:
1) Consoante o art. 1798, CC, a sucessão se dá no momento da morte para os herdeiros CONCEBIDOS. Portanto, se eu vier a falecer, meus herdeiros serão as pessoas indicadas por lei e já concebidas.
2) - 50% do patrimônio de uma pessoa (legítima): obrigatoriamente vai para os herdeiros necessários (art. 1789)
- 50% (disponível): Posso deixar para quem eu quiser (exceto algumas