Resumo_FES1_1S11
133 pág.

Resumo_FES1_1S11

Disciplina:Formação Econômica e Social do Brasil I184 materiais451 seguidores
Pré-visualização42 páginas
de subsistência para as Antilhas, que
recebem o pagamento em ouro. Os produtos que eram, inicialmente, produzidos para o
próprio consumo da Nova Inglaterra, passam a ser produzidos com o objetivo de
exportação. (abastecimento das Antilhas).

Assim, chegamos à conclusão de que é sim possível criar uma zona de produção afim de
alimentar a produção açucareira.

- Tendo o exemplo da Nova Inglaterra, Celso Furtado tenta encontrar alguma região
semelhante à Nova Inglaterra no Brasil -> encontra São Vicente, porém, foi um
fracasso, tendo uma exploração comercial e uma caça ao índio. Atividades de baixa
rentabilidade.

Houve sim uma região no Brasil que poderia ter sido dinamizada igual à Inglaterra. Por
que a atividade açucareira no Nordeste não promoveu essa dinamização?

i) baixos fretes de retornos -> os fluxos de navegação tinham o objetivo de apenas vir e
buscar o açúcar. Vinham praticamente vazias da Europa. Assim, traziam alguma
mercadoria para a colônia. Isso fazia com que as mercadorias chegassem ao Brasil sem
custos de frete. Acaba com uma possível produção colonial, não conseguia viver com
uma possível concorrência (o custo colonial seria mais alto).

ii) a política colonial portuguesa coibia qualquer possibilidade de surgimento de
produção concorrente a metrópole (Caio Prado Jr. também cita esse fator). Um

exemplo disso é a medida posterior tomada pela D. Maria I de apreensão de todos os
teares no Brasil Colônia.

Obs.: Celso Furtado dá pouca importância para esses fatores

iii) disponibilidade de terras nas proximidades do núcleo canavieiro -> pecuária ->
fornecedora de carne e de animais de tiro (atividade de subsistência) -> essa atividade
irá florescer dentro da própria região nordestina.

Por isso, a economia colonial resumiu-se praticamente às atividades açucareira e
criatória. Inicialmente elas desenvolveram-se próximas. Porém, o gado se alimenta da
cana-de-açúcar. Assim, a criação de animais não pode ser tão próxima do engenho. -> No
Nordeste, passamos a ter duas atividades separadas: a) açucareira; b) criatória

Partes importantes do texto para as aulas -> Celso Furtado – capítulos 5 a 9

Capítulo 5 – As colônias de povoamento do hemisfério norte

-franceses e ingleses se empenharam, assim, no começo do século XVII, em concentrar
nas Antilhas, importantes núcleos de população européia, na expectativa de um assalto
em larga escala aos ricos domínios da grande potência enferma desse século. -> em
razão de seus objetivos políticos, essa colonização deveria basear-se no sistema da
pequena propriedade.

- colonização de povoamento que se inicia na América no século XVII constitui,
portanto, seja uma operação com objetivos políticos, seja uma forma de exploração de
mão-de-obra européia que um conjunto de circunstâncias tornara relativamente barata
nas Ilhas britânicas. -> Inglaterra, no século XVII, apresenta um considerável
excedente populacional, graças às profundas modificações de sua agricultura iniciadas
no século anterior.

- as condições climáticas das Antilhas permitiam a produção de um certo número de
artigos. A produção desses artigos era compatível com o regime da pequena
propriedade agrícola e permitia que as companhias colonizadoras realizassem lucros
substanciais ao mesmo tempo que os governos das potencias expansionistas.

Capítulo 6 – Consequência da penetração do açúcar nas Antilhas

- situação completamente nova no mercado dos produtos tropicais: uma intensa
concorrência entre regiões que exploram mão-de-obra escrava de grandes unidades
produtivas e regiões de pequenas propriedades e população europeia.

- é provável, entretanto, que as transformações da economia antilhana tivessem
ocorrido muito mais lentamente, não fora a ação de um poderoso fator exógeno em fins
da 1ª metade do século XVII. Esse fator foi a expulsão dos holandeses da região
nordeste do Brasil. -> a partir da expulsão, os holandeses se emprenharam firmemente
em criar fora do Brasil um importante núcleo produtor de açúcar.

- menos um decênio depois da expulsão dos holandeses do Brasil, operava nas Antilhas
uma economia açucareira de consideráveis proporções, cujos equipamentos eram
totalmente novos e que se beneficiava de mais fovorável posição geográfica. ->
população de origem européia decresceu rapidamente em toda a Antilha. -> rápida
transformação das colônias de povoamento em grandes plantações de açúcar. ->
contribuindo gradativamente para tornas economicamente viável as colônias de
povoamento do norte da América.

- as Antilhas se transformaram em pouco tempo em grandes importadores de
alimentos, e as col6onias setentrionais, que havia pouco tempo não sabiam o que fazer
com o seu excedente de produção de trigo, se constituiram em principal fonte de
abastecimento das prósperas colônias açucareiras.

- tornar possível o desenvolvimento de uma economia agrícola não especializada em
produtos tropicais -> é uma nova etapa na ocupação econômica das terras americanas.
Só foi possível graças a um conjunto de circunstâncias favoráveis.

- essa independência dos grupos dominantes via-à-vis da Metrópole teria de ser um
fator de fundamental importância para o desenvolvimento da colônia pois significava
que nela havia órgãos políticos capazes de interpretar seus verdadeiros interesses, em
vez de apenas refletir as ocorrências do centro econômico dominante.

Capítulo 7 – Encerramento da etapa colonial

- ao recuperar a independência, Portugal encontrou-se em posição extremamente débil
-> ameaça da Espanha sobre o território + perda do comércio oriental e do açúcar -> p/
sobreviver como Metrópole colonial deveria ligar seu destino a uma grande potência
(=alienar perte de sua soberania). Acordos concluídos com a Inglaterra em 1642-54-61
estruturaram essa aliança que marcará profundamente a vida política e econômica de
Portugal e do Brasil nos anos seguintes.

- os privilégios conseguidos pelos comerciantes ingleses em Portugal foram de tal
ordem que os mesmos passaram a constituir um poderoso influente grupo com
ascendência crescente sobre o governo português.

- Portugal fazia concessões econômicas à Inglaterra, e essa pagava com promessas ou
garantias políticas.

- final do século XVII -> tentativa de criar manufaturas. Porém, o rápido
desenvolvimento da produção de ouro no Brasil, a partir do 1º decênio do século XVIII,
modificaria fundamentalmente os termos do problema.

- acordo de Methuen (1703) significou para Portugal renunciar a todo o
desenvolvimento manufatureiro e implicou tranferir para a Inglaterra o impulso
dinâmico criado pela produção aurífera no Brasil.

- Graças a esse acordo, Portugal conservou uma sólida posição política numa etapa que
resultou ser fundamental para a consolidação definitiva do território de sua colônia
americana.

- o ciclo do ouro consistiu um sistema mais ou menos integrado, dentro do qual coube a
Portugal a posição secundária de simples entreposto. Ao Brasil, o ouro permitiu
financiar uma grande expansão demográfica, que trouxe alterações fundamentais à
estrutura de sua população, na qual os escravos passarão a ser a minoria.

- para a Inglaterra, o ciclo do ouro brasileiro trouxe um forte estímulo ao
desenvolvimento manufatureiro, uma grande flexibilidade à sua capacidade para
importar, e permitiu uma concetração de reservas que fizeram do sistema bancário
inglês o principal centro financeiro da Europa.

- para Portugal, a economia do ouro proporcionou apenas uma aparência de riqueza,
repetindo o pequeno reino a experiência da Espanha no século anterior.

- o último quartel do século XVIII veria a decadência da mineração do ouro no Brasil. A
Inglaterra já havia, sem embargo, entrado em plena Revolução Industrial.

- a forma peculiar como se processou a independência da América portuguesa teve
consequências fundamentais no seu subsequente desenvolvimento -> transferindo-se o
governo português para o Brasil sob a proteção inglesa