resumo Oncocercose
2 pág.

resumo Oncocercose

Disciplina:PARASITOLOGIA HUMANA F28 materiais657 seguidores
Pré-visualização1 página
Oncocercose
Fernanda Lucas
A Onchocerca volvulus (Leuckart, 1893) é um filarídeo do tecido subcutâneo humano, A oncocercose é também conhecida como "cegueira dos rios", devido a sua mais séria manifestação e porque, nas áreas endêmicas, o vetor é abundante em áreas férteis próximas de rios. Os parasitos vivem enovelados em oncocercomas ou nódulos fibrosos subcutâneos.
 Há, geralmente, um casal de vermes adultos em cada nódulo, cuja localização é variável Um casal de vermes adultos vive aproximadamente 14 anos. As fêmeas medem entre 40 e 50cm e os machos entre 2 e 4cm. As microfilárias não apresentam bainha e medem cerca de 300um de comprimento. Circulam nos linfáticos superficiais e no tecido conjuntivo da pele, mas podem ser encontradas também na conjuntiva bulbar do hospedeiro humano.
O ciclo biológico do parasito (heteroxênico) ocorre entre humanos e dípteros do gênero Simulium, popularmente conhecidos como "borrachudo" ou "pium".

Ciclo biológico

As fêmeas destes dípteros são hematófagas, mas sugam também o liquido tissular, ocasião em que ingerem as microfilárias que irão se desenvolver até larva infectante (L3,). Este desenvolvimento

no hospedeiro invertebrado ocorre em cerca de 10 a 12 dias em condições adequadas de temperatura (25-30°C) e umidade relativa do ar em tomo de 80%. As larvas infectantes alcançam a probóscida do vetor e, na ocasião de um repasto sanguíneo, irão atingir um novo hospedeiro, dando origem a vermes adultos no tecido subcutâneo, aproximadamente um ano após a infecção.

Patogenia :

As principais manifestações da parasitose, que ocorrem um a três anos após a infecção, são:

oncocercomas: Os helmintos são envolvidos por uma cápsula de tecido fibroso, formando os nódulos subcutâneos (oncocercomas),que medem desde alguns milímetros até 3cm ou mais de diâmetro . São bem delimitados e, geralmente,são livres e móveis
Enquanto os parasitos estão vivos, o maior problema do oncocercoma é estético. Quando estes vermes morrem, há intenso processo inflamatório, dor, calcificação e aparecimento de fibrose.

Dermatite; É causada, principalmente, pela migração das microfilárias através do tecido conjuntivo da pele. Essas manifestações cutâneas só ocorrem após a morte das microfilárias, pois enquanto estão vivas não há lesão de derme evidente. Como migram se elas estão mortas????

Lesoes oculares: São lesões irreversíveis dos segmentos anterior e posterior do olho, resultando em sério comprometimento da visão e podendo levar a cegueira completa. Antes da cegueira total,

podem aparecer outros distúrbios, como cegueira noturna e redução do campo visual periférico e diminuição da acuidade visual.

Lesoe linfáticas: Pode ocorrer infartarnento dos linfonodos próximos das lesões cutâneas ricas em microfilárias, com adenopatias.

Disseminação: As microfilárias podem cair na corrente sanguinea e sistema linfático e se disseminar para várias do corpo, sendo encontradas nos glomérulos renais (podendo ser eliminadas pela urina), liquido cérebro-espinhal, atingindo a glândula pituitária, nervo óptico, cerebelo

Diagnostico :
 Como a microfilária de O. valvulars não é, rotineiramente, encontrada no sangue, o exame deste por gota espessa não é utilizado para o diagnóstico da oncocercose. O melhor método é a retirada de um fragrnento superficial da pele
,Exame de olho

 O teste de Mazzotti: consiste em administrar, por via oral, 50mg de dietilcarbamazina ao paciente,

aguardar algumas horas e verificar o aparecimento de prurido, edema e dermatite, que indicam a oncocercose, pois estas reações alérgicas do hospedeiro são causadas pela morte de microfilárias na pele. O teste não deve ser utilizado em indivíduos com parasitismo evidente e deve ser realizado com

acompanhamento médico.

Tratamento;

Embora a ivermectina seja eficaz contra microfilárias, parece ter efeitos limitados sobre os vermes adultos. O tratamento com dose semestral de 200pgfkg é suficiente para prevenir o desenvolvimento de lesões oculares. Também tem sido recomendada em campanhas profiláticas, e seu emprego em doses semestrais/anuais, juntamente com medidas de combate ao vetor, tem reduzido a incidência da doença

nas regiões endêmicas.