86_marx-karl-o-capital-1
1 pág.

86_marx-karl-o-capital-1

Disciplina:GEOGRAFIA ECONÔMICA1.053 materiais9.177 seguidores
Pré-visualização1 página
mardes a oferta e a procura como lei reguladora dos salários, seria tão
pueril quanto inútil clamar contra uma elevação de salários, visto que,
de acordo com a lei suprema que invocais, as altas periódicas dos salários
são tão necessárias e tão legítimas como as suas baixas periódicas. E se
não considerais a oferta e a procura como lei reguladora dos salários,
então repito minha pergunta: por que se dá uma determinada soma de
dinheiro por uma determinada quantidade de trabalho?

Mas para focalizar as coisas com maior amplidão: equivocar-vos-
eis por inteiro, caso acrediteis que o valor do trabalho ou de qualquer
outra mercadoria se determina, em última análise, pelo jogo da procura
e da oferta. A oferta e a procura só regulam as oscilações temporárias
dos preços no mercado. Explicam por que o preço de um artigo no
mercado se eleva acima ou desce abaixo do seu valor, mas não explicam
jamais esse valor em si mesmo. Vamos supor que oferta e a procura
se equilibrem ou, como dizem os economistas, se cubram mutuamente.
No preciso instante em que essas duas forças contrárias se nivelam,
elas se paralisam mutuamente, deixam de atuar num ou noutro sentido.
No mesmo instante em que a oferta e a procura se equilibram e deixam,
portanto, de atuar, o preço de uma mercadoria no mercado coincide
com o seu valor real, com o preço normal em torno do qual oscilam
seus preços no mercado. Por conseguinte, se queremos investigar o
caráter desse valor, não nos devemos preocupar com os efeitos tran-
sitórios que a oferta e a procura exercem sobre os preços do mercado.
E outro tanto caberia dizer dos salários e dos preços de todas as demais
mercadorias.

V
[Salários e Preços]

Reduzidos a sua expressão teórica mais simples, todos os argu-
mentos de nosso amigo se traduzem num só e único dogma: “Os preços
das mercadorias são determinados ou regulados pelos salários”.

Ante essa heresia antiquada e desacreditada, eu poderia invocar
a observação prática. Poderia dizer-vos que os operários fabris, os mi-
neiros, os construtores navais e outros trabalhadores ingleses, cujo
trabalho é relativamente bem pago, vencem a todas as demais nações
pela barateza de seus produtos, enquanto, por exemplo, o trabalhador
agrícola inglês, cujo trabalho é relativamente mal pago, é batido por
quase todos os demais países, em conseqüência da carestia de seus
produtos. Comparando uns artigos com outros, dentro do mesmo país,
e as mercadorias de distintos países entre si, poderia demonstrar que,
se abstrairmos algumas exceções mais aparentes que reais, em termo
médio o trabalho que recebe alta remuneração produz mercadorias
baratas e o trabalho que recebe baixa remuneração, mercadorias caras.
Isso, naturalmente, não demonstraria que o elevado preço do trabalho
em certos casos e, em outros, o seu preço baixo, sejam as respectivas

OS ECONOMISTAS

88