PlanoDeAula_2
4 pág.

PlanoDeAula_2

Disciplina:Direito Penal I5.721 materiais354.188 seguidores
Pré-visualização1 página


	
			
			 Plano de Aula: 2 - Princípios Norteadores, Garantidores e Limitadores Do Direito Penal

			 DIREITO PENAL I

			

		

		
			Título

			2 - Princípios Norteadores, Garantidores e Limitadores Do Direito Penal

			
			Número de Aulas por Semana

			
				
			

			Número de Semana de Aula

			
				2
			

 Tema

		 Princípios Norteadores, Garantidores e Limitadores Do Direito Penal

		
		 Objetivos

		
Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

	 Conhecer o plano de aula.
	 Reconhecer e diferenciar os conceitos de regras e princípios.
	Identificar os princípios constitucionalizados e não constitucionalizados garantidores do Direito Penal, através da leitura interdisciplinar (Fundamentos de antropologia e sociologia, Introdução do Estudo do Direto, Teoria Geral do Estado, Direito Constitucional e demais ciências criminais).
	Compreender a relevância da subsunção das normas penais materiais e processuais aos princípios constitucionais norteadores e limitadores da atuação do poder punitivo estatal face ao princípio da dignidade da pessoa humana - suporte axiológico da Constituição.
	 Compreender a necessidade de uma visão crítica, interdisciplinar e balizada nos direitos humanos e fundamentais e, conseqüente adoção de seus consectários princípios, para fins de efetivação do controle social.
	Compreender a relevância do estudo prévio dos temas da aula por meio da resolução dos casos concretos propostos.

		
		 Estrutura do Conteúdo

	

1. Princípios e Regras

 

       1.1. Conceito e distinção de regras e princípios.

 

  2. Funções num Estado Democrático de Direito: promoção e efetivação de um sistema penal constitucional pautado no respeito à dignidade da pessoa humana e consectários princípios.

 

  3. Princípios constitucionais e infraconstitucionais:

      3.1. Princípio da dignidade humana.

 - Leia art. 1°, da CRFB/1988

        3.1.1  Princípio da humanidade da pena.

        -  Leia o art. 5°, incisos XLVII, XLVIII, XLIX e L da CRFB/1988

      3.1.2Princípio da personalidade da pena.

   - Leia o art. 5°, inciso XLV, da CRFB/1988

3.2. Princípio da Legalidade .

 - Leia o art. 1°, do Código Penal e o art. 5°, inciso XXXIX, da CRFB/1988

3.2.1 Princípio da Irretroatividade da Lei Penal Leia o art. 5°, inciso XL, da CRFB/1988.

3.2.1 Princípio da Anterioridade

Leia o art. 5°, inciso XXXIX, da CRFB/1988

 3.3. Princípio da Intervenção Mínima.

3.3.1.Princípio da Fragmentariedade.

3.3.2.Princípio da Lesividade.

3.4. Princípio da Culpabilidade.

3.5. Princípio da Proporcionalidade das Penas.

Leia o art. 59,do Código Penal.

3.5.1 Princípio da Indivdualização das Penas

Leia o art. 5°, incisos XLVI, da CRFB/1988

3.9. Princípio da Insignificância.

3.10. Princípio da Adequação Social.

 

? Indicação Bibliográfica

- Leia o Capítulo II. Princípios Limitadores do Poder Punitivo Estatal – pp. 10 a 28, do livro: BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal, conforme plano de ensino.

- Leia o artigo 1°, do Código Penal.

- Leia o artigo 1°, inciso III e art. 5°, incisos XXXV, XXXIX a LXVII, da Constituição da República de 1988.

	
	 Aplicação Prática Teórica

1) Leia o texto abaixo e responda às questões formuladas com base nas leituras indicadas no plano de aula e pelo seu professor.

No dia 05 de abril de 2008, por volta das 18h, na Av. República Argentina, n. 000, Bairro Centro, na cidade de Blumenau, Belízia, locatária do apartamento de Ana Maria, deixou o imóvel e levou consigo algumas tomadas de luz, dois lustres e duas grades de ferro, bens de que detinha a posse e detenção em razão de contrato de locação. Ana Maria dirigiu-se ao imóvel tão logo tomou ciência de que Belízia havia o abandonado sem efetuar o pagamento do último aluguel, bem como constatou a apropriação dos objetos acima descritos, que guarneciam parte do imóvel conforme descriminado no contrato de locação.

Dos fatos narrados, Belízia, restou denunciada pelo delito de apropriação indébita, previsto no art.168, do Código Penal, tendo a sentença rejeitado a denúncia sob o fundamento de que sua conduta configurava mero ilícito civil, não havendo falar em responsabilização penal.

 

	
?Apropriação indébita

   Art. 168. Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou a detenção:

                 Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

 

Ante o exposto, é correto afirmar que a decisão do magistrado teve por fundamento qual(is) princípio(s) norteador(es)de Direito Penal? Responda de forma fundamentada.

 

2) Leia o texto abaixo e responda às questões formuladas com base nas leituras indicadas no plano de aula e pelo seu professor.

João da Silva foi denunciado pelo delito de moeda falsa, previsto no art. 289 do Código Penal, por ter falsificado uma nota de R$ 50,00 e colocado-a em circulação. O feito foi distribuído perante a Justiça Federal, tendo o réu sido citado para apresentação de resposta. Na qualidade de advogado de João da Silva, apresente a tese defensiva a ser sustentada de modo a afastar a tipicidade da conduta, com base nos estudos realizados sobre os  princípios norteadores do Direito Penal no Estado Democrático de Direito.

	
?Moeda falsa

Art. 289. Falsificar, fabricando-a ou alterando-a, moeda metálica ou papel-moeda de  curso legal no país ou no estrangeiro:

              § 1° Nas mesmas penas incorre quem, por conta própria ou alheia, importa ou exporta, adquire, vende, troca, cede, empresta, guarda ou introduz na circulação moeda falsa.

Pena - reclusão, de três a doze anos, e multa.

 

3)O princípio da ultima ratio: (Prova de ingresso à Carreira de Promotor de Justiça – Ministério Público Estadual – RO -2006).

a) estabelece que, a elaboração de normas incriminadoras é função exclusiva da lei.

b) constitui-se em sistema descontínuo de seleção de ilícitos não sancionando todas as condutas lesivas dos bens jurídicos, apenas as mais graves praticadas contra os bens mais relevantes.

c) praticamente erradica a responsabilidade objetiva enunciando que não há crime sem culpabilidade.

d) implica na irretroatividade da lei penal.

e) estipula que a criminalização de uma conduta só se legitima se constituir meio necessário para a proteção de determinado bem jurídico.

 

4) Acerca do significado dos princípios limitadores do poder punitivo estatal, assinale a opção correta: (Exame de Ordem 2009.1 OAB/ CESPE-UnB)

a) Segundo o princípio da ofensividade, no direito penal somente se consideram típicas as condutas que tenham certa relevância social, pois as consideradas socialmente adequadas não podem constituir delitos e, por isso, não se revestem de tipicidade.

b) O princípio da intervenção mínima, que estabelece a atuação do direito penal como ultima ratio, orienta e limita o poder incriminador do Estado, preconizando que a criminalização de uma conduta só se legitima se constituir meio necessário para a proteção de determinado bem jurídico.

c) Segundo o princípio da culpabilidade, o direito penal deve limitar-se a punir as ações mais graves praticadas contra os bens jurídicos mais importantes, ocupando-se somente de uma parte dos bens protegidos pela ordem jurídica.
d) De acordo com o princípio da fragmentariedade, o poder punitivo estatal não pode aplicar sanções que atinjam a dignidade da pessoa humana ou que lesionem a constituição físico psíquica dos condenados por sentença transitada em julgado.