{9AB1A1E4-2B67-43F6-A171-BCEFA8B755EF}_Ironia_e_suas_refracoes-NOVA P4
208 pág.

{9AB1A1E4-2B67-43F6-A171-BCEFA8B755EF}_Ironia_e_suas_refracoes-NOVA P4

Disciplina:TEORIA DA LITERATURA I381 materiais27.064 seguidores
Pré-visualização48 páginas
marcas que poderiam evidenciar sua
opinião, mas também tencionando confundir o leitor – ora por meio
da ironia, ora por meio do discurso indireto livre.

Como foi dito anteriormente, a ironia pode tender mais para
uma situação irônica ou para um refinamento de linguagem. Nos ca‑
sos até aqui apresentados, poderíamos concluir que a ironia se volta
mais para o lado da situação irônica, uma vez que temos um narra‑
dor cuja voz é, em muitos momentos, dissonante em relação ao
próprio relato – que nos chega por meio dele mesmo. Entretanto,
embora exista essa incompatibilidade mostrada pelos trechos cita‑
dos e, portanto, observável, não se pode desconsiderar o fato de que
temos também um narrador ironizando o seu próprio relato, ou
seja, uma atitude irônica.

Por conseguinte, seria um descuido optar por qualquer uma das
duas classificações, excluindo a outra. Em primeiro lugar, porque,
como já foi dito, estamos diante de um texto literário e, portanto,
existe o trabalho com a linguagem. Em segundo lugar, porque há,
com certeza, uma ironia observável entre o que o narrador narra e
seus comentários; no entanto, existe também indubitavelmente a
intenção narrativa de fundar uma desarmonia entre os fatos relata‑
dos e os comentários do narrador, que destoam das “verdades”
contadas por ele próprio.

Logo, temos nesse texto a ambiguidade legitimada tanto pela
ironia verbal ou instrumental quanto pela ironia situacional ou ob‑
servável. Pode‑se inclusive ir um pouco mais longe e dizer que em
“O duplo” temos uma ironia observável – graças ao descompasso
entre o narrado e o comentado – e, ainda, uma ironia instrumental
que contribui para sinalizar a situação irônica.

Nesse sentido, voltemos ao episódio do aniversário de Klara
Olsúfievna, para o qual o senhor Goliádkin não fora convidado.
Nesse ponto da narrativa, a voz do narrador torna‑se extremamen‑
te sarcástica, beirando, em muitos momentos, o escárnio. Se, no

152 CAMILA DA SILVA ALAVARCE

início desse episódio, o narrador apresenta com naturalidade os de‑
talhes da comemoração, logo seu discurso começa a ser pautado por
uma inconfundível mordacidade, conforme podemos notar clara‑
mente nos seguintes trechos:

Há outros bailes no mesmo gênero, mas são raros. Trata‑se mais de
festas de família do que de bailes. Para isso, é preciso haver uma casa
como a do conselheiro de Estado Bieriendiéiev. E isso mesmo ainda
não chega: julgo que nem todos os conselheiros de Estado podem dar
bailes semelhantes. Se eu fosse poeta como Homero ou Puchkin – ta‑
lento menor do que o deles não bastava – desejaria pintar, oh leitores!
– com cores brilhantes e um hábil pincel, este dia triunfal. Seria pelo
jantar que haveria de começar o meu poema. Procuraria fixar sobre‑
tudo o instante único e solene em que se ergue a primeira taça à saúde
da dona da rainha da festa. Falar‑vos‑ia do silêncio grave dos convivas,
dessa atitude de espera que se parece mais com a eloquência de De‑
móstenes do que com o silêncio. [...] Confesso, porém, humildemente
que não seria capaz de exprimir a solenidade do instante em que a pró‑
pria rainha da festa, Klara, corada como uma rosa primaveril, corada
de alegria e de pudor, vencida pela emoção, cai nos braços de sua mãe e
esta se põe a chorar, e o próprio pai soluça também. Simpático velho, o
conselheiro de Estado. Tinha trabalhado muito. Estava paralítico das
pernas, mas a sorte tinha compensado o seu esforço. Possuía uma certa
fortuna, uma casa, bens de raiz. [...]

Não seria capaz de vos descrever os instantes que se seguiram. Nin‑
guém dizia que naquela ocasião solene Andriéi Filípovitch era o chefe de
repartição que todos conheciam. Parecia outra pessoa. Oh, que pena não
possuir eu os segredos dum grande estilo para poder descrever estes ins‑
tantes de beleza e satisfação moral. Instantes destes são a prova cabal de
que muitas vezes a virtude triunfa sobre o vício e a inveja! [...]

Tudo neste instante solene parece dizer: “Eis onde o culto das vir‑
tudes pode conduzir o homem”. Não vos direi que Anton Antono‑
vitch, velho amigo da casa e padrinho de Klara, um velhinho de cabeça
prateada, por sua vez, propôs também um brinde, cacarejou como um
galo e recitou versos muito engraçados. Durante um momento, es‑
queceram‑se as conveniências! Todos os presentes riram a mais não
poder. A própria Klara, por sugestão dos pais, veio beijá‑lo, felicitando‑
‑o pela sua boa disposição e talento.

A IRONIA E SUAS REFRAÇÕES 153

Os convidados, que depois de um tal jantar se sentiam todos como
se fossem parentes e irmãos, acabaram por levantar‑se da mesa. [...]
Passaram depois a outra sala e, sem perderem um tempo que era pre‑
cioso, dividiram‑se em grupos (conservando a noção de sua digni‑
dade), e foram sentar‑se diante das mesas de jogos. As senhoras
instalaram‑se na sala e tornaram‑se muitíssimo amáveis. Conversam
umas com as outras sobre as coisas mais variadas e, por fim, o próprio
dono da casa, que tinha perdido em serviço o uso das pernas e obtido
as compensações que já dissemos, vem passear por entre os seus convi‑
dados, apoiado nas muletas [...]. Tocado pela amabilidade dos que o
rodeiam, decide‑se a improvisar um pequeno baile, não obstante as
despesas que isso lhe acarretará. [...]

A minha pena não basta para pintar como devia o baile que a
extraordinária gentileza do velho dono da casa improvisou. Como po‑
deria eu, aliás modesto narrador das aventuras do senhor Goliádkin –
curiosas no seu gênero, lá isso é certo! – como poderia eu exprimir esta
amálgama surpreendente de beleza, de brilho, de elegância, de alegria,
de amabilidade e de júbilo; e os risos e passatempos de todas essas es‑
posas de funcionários... Parecem mais fadas do que mulheres, com os
ombros rosados, as figuras angélicas e os pezinhos encantadores a
aparecerem‑lhes debaixo dos vestidos. Como descrever‑vos, por fim,
estes funcionários transformados agora em brilhantes homens de sa‑
lão, estes jovens alegres e bem constituídos, contentes e sonhadores,
que, numa salinha retirada, onde as paredes são todas pintadas de ver‑
de, fumam cachimbo entre duas danças... e os cavalheiros que ocupam
altos cargos e usam nomes muito sonoros, cavalheiros profundamente
compenetrados de seus deveres de elegância e que, na maior parte, fa‑
lam francês com as senhoras. Se falam russo é só para proferirem cum‑
primentos e frases profundas em tom distinto.

Unicamente na sala de fumar se permitem alguns deslizes de lin‑
guagem, frases familiares, no gênero desta “Olá, Piétienhka, dançaste
esta polca como um artista.” Mas – oh leitor! – tive já ocasião de dizer
que a minha pena não é capaz de um tal esforço, por isso vou parar.
Voltemos antes ao senhor Goliádkin, o único herói desta novela verí‑
dica. (Dostoievski, 1963, p.304‑7)

154 CAMILA DA SILVA ALAVARCE

Embora o trecho seja bastante longo, optamos por reproduzi‑lo
visto que ele reúne diversas marcas essenciais ao estudo da ironia.
Ao leitor mais ingênuo e desavisado, bem poderia parecer que o
narrador objetivou, apenas, elogiar a grande festa realizada em co‑
memoração ao aniversário de Klara.

Mesmo assim, um mínimo de atenção levaria ao estranhamento
frente ao excesso de elogios conferidos a tudo: à festa, à aniversa‑
riante, às pessoas, à casa, etc. Já do ponto de vista de um leitor um
pouco mais perspicaz e crítico, um outro aspecto curioso se tornaria
visível: a insistente modéstia por meio da qual o narrador tece seus
comentários.

Essa modéstia transparece em muitos momentos, quando ele
faz asserções do tipo: “Se eu fosse poeta como Homero [...] deseja‑
ria pintar com cores brilhantes este dia triunfal” ou “Confesso, po‑
rém, humildemente, que não seria capaz...” ou ainda “A minha
pena não basta para pintar como devia o baile...”, entre outras.

Ora, não obstante a pena desse limitado narrador seja apresen‑
tada como insuficiente para descrever a festa, o evento é inques‑
tionavelmente bem descrito. Dito de outra forma, o narrador
considera‑se incapaz de nos