{9AB1A1E4-2B67-43F6-A171-BCEFA8B755EF}_Ironia_e_suas_refracoes-NOVA P4
208 pág.

{9AB1A1E4-2B67-43F6-A171-BCEFA8B755EF}_Ironia_e_suas_refracoes-NOVA P4

Disciplina:TEORIA DA LITERATURA I379 materiais26.983 seguidores
Pré-visualização48 páginas
o tinham visto. (Calvino, 2005, p.7, grifos nossos)

Percebemos, sobretudo pelos trechos salientados, o objetivo do
narrador de desmistificar as imagens de “belo” e “eterno” associa‑
das a Carlos Magno. Na verdade, seu cavalo “parecia maior que o
natural”, ou seja, já temos aí sutilmente criticada a questão da apa‑
rência de grandeza e virtude, empregada também em relação ao ca‑
valo. Quando o narrador afirma que Carlos Magno “parecia um
tanto envelhecido”, demonstra sua intenção, também implícita, de
“humanizar” a figura de Carlos Magno, despindo‑a das auréolas
de “belo”, “eterno”, “grandioso” e outras de mesmo quilate.

O narrador satiriza, ainda, o automatismo do rei, que se com‑
porta como um robô, entrevistando os cavaleiros:

e seguia adiante: – E‑quem‑é‑você, paladino da França? – repetia,
sempre com a mesma cadência: “Tata‑tatatai‑tata‑tata‑tatata...” [...]
Todas coisas que, ditas pelo rei, dão prazer, mas eram sempre as mes‑
mas frases, há tantos anos. (Calvino, 2005, p.8)

O fato de ser Agilulfo um cavaleiro que não existe – mas que
pode ser visto – não parece incomodar o rei, que o entrevista sem
dar grande importância a isso. O narrador não deixa que esse ponto
passe despercebido: “[o rei] girou o cavalo e afastou‑se rumo ao
acampamento real. Já velho, tendia a eliminar da mente as questões
complicadas” (2005, p.10).

No que diz respeito aos cavaleiros, a instância narrativa age de
mesma maneira:

Todo o resto, a perpétua confusão do exército em guerra, o formi‑
gueiro diurno no qual o imprevisto pode se manifestar como a fúria de
um cavalo, agora silencia, pois o sono venceu a todos: guerreiros e qua‑
drúpedes da cristandade, estes enfileirados e em pé, às vezes esfregan‑

178 CAMILA DA SILVA ALAVARCE

do um casco no chão ou emitindo um breve relincho ou zurrando,
aqueles finalmente livres dos elmos e das couraças, satisfeitos por se
tornarem seres humanos distintos e inconfundíveis, ali estão todos ron‑
cando em uníssono. [...] Em nenhum lugar se dorme tão bem como no
exército. (Calvino, 2005, p.12, grifos nossos)

Aqui, os comentários tecidos pelo narrador acerca dos cava‑
leiros e dos animais são, propositalmente, confusos. Homens e ca‑
valos são nivelados, pois “roncam em uníssono”. Porém, o
narrador, irônico, afirma que os cavaleiros estão “satisfeitos por se
tornarem seres humanos distintos e inconfundíveis”. Inconfun‑
díveis? Ora, a ironia do narrador não poderia ser mais pungente.
É interessante perceber, ainda, que a designação “quadrúpedes da
cristandade” é carregada de malícia e, em contrapartida à desuma‑
nização ou desindividualização dos homens, confere traços hu‑
manos aos animais.

Em muitas outras passagens, os cavaleiros são correlacionados
aos animais por meio das descrições do narrador: “e entre corcovear
e dar cotoveladas, seus escudos prateados erguiam‑se e abaixavam‑
‑se como guelras de um peixe. O exército se parecia com um peixe
comprido repleto de escamas: uma enguia” (2005, p.23) Em vários
momentos, o narrador flagra os cavaleiros se alimentando e, então,
nos deparamos com cenas frequentemente dantescas:

Os pratos são os habituais no exército: peru recheado, pato no es‑
peto, carne de vaca na brasa, leitão, enguias, dourado. Os valetes mal
chegam a depositar as bandejas e os paladinos se atiram em cima, pe‑
gam com as mãos, despedaçam com os dentes, engorduram as coura‑
ças, espirram molho por todos os lados. Há mais confusão que no
combate: sopeiras que são viradas, frangos assados que voam, e os va‑
letes que levam as bandejas antes que um insaciável as esvazie em sua
tigela. (Calvino, 2005, p.62‑3)

Como se vê, existe realmente uma intenção do narrador de ridi‑
cularizar esses cavaleiros e isso inclui a figura de Carlos Magno. O
trecho que acabamos de citar descreve um “banquete dos paladi‑

A IRONIA E SUAS REFRAÇÕES 179

nos” e, durante esse jantar, ocorre uma revelação importante sobre
Agilulfo: a castidade da dama salva por ele é questionável. Ora, foi
justamente por ter defendido a pureza de uma pobre virgem que
Agilulfo tinha se tornado cavaleiro do rei, de modo que seu posto
poderia ser colocado em xeque. Toda essa discussão acontece du‑
rante páginas entre os cavaleiros e não ouvimos a voz do rei. Por
fim, o narrador apenas acrescenta: “Carlos Magno, que até então
mantivera rosto e barba inclinados sobre um prato de camarões de
rio, julgou que chegara a hora de levantar o olhar” (2005, p.67).
Assim, a crítica aos cavaleiros não poupa o rei Carlos Magno.

Já as descrições de Agilulfo têm caráter bem distinto. Vejamos a
primeira delas:

Agilulfo deu alguns passos para misturar‑se a um daqueles abri‑
gos, depois sem motivo foi para outro, mas não se ambientou e nin‑
guém ligou para ele. Permaneceu um pouco indeciso às costas de um e
de outro, sem participar dos diálogos, depois colocou‑se à parte. [...] A
armadura branca despontava isolada em meio ao prado. [...] Agilulfo
era certamente um modelo de soldado; porém, antipático a todos.
(Calvino, 2005, p.10‑1)

Por ser extremamente correto, esse personagem era odiado por
todos os demais cavaleiros. Seu perfeccionismo não lhe permitia acei‑
tar qualquer negligência no serviço dos colegas: “chamava‑os um por
um, retirando‑os das doces conversas ociosas da noitada, e contes‑
tava com discrição e firme exatidão as faltas deles [...]” (2005, p.11).

Portanto, Agilulfo se opõe a esses cavaleiros, sobretudo em rela‑
ção à sua conduta: enquanto os cavaleiros são fúteis, irracionais e
ociosos, o cavaleiro inexistente é trabalhador, responsável e, acima
de tudo, ainda que não exista, Agilulfo pensa. Observemos a se‑
guinte passagem:

Em nenhum lugar se dorme tão bem como no exército. Somente
Agilulfo não conseguia esse alívio. Na armadura branca, completa‑
mente equipada, no interior de sua tenda, uma das mais ordenadas e

180 CAMILA DA SILVA ALAVARCE

confortáveis do acampamento cristão, tentava manter‑se deitado e con‑
tinuava pensando: não os pensamentos ociosos e divagantes de quem está
para pegar no sono, mas sempre raciocínios determinados e exatos. [...]
Como era possível aquele fechar de olhos, aquela perda de consciência
de si próprio, aquele afundar num vazio das próprias horas e depois, ao
despertar, descobrir‑se igual a antes, juntando os fios da própria vida,
Agilulfo não conseguia saber, e sua inveja da faculdade de dormir ca‑
racterística das pessoas existentes era uma inveja vaga, como de algo
que não se pode nem mesmo conceber. (Calvino, 2005, p.12‑3, grifos
nossos)

Agilulfo nutre, pois, sensações ambíguas em relação aos “ho‑
mens que existem”. Sente raiva de seus erros e nojo de seus hábitos
– por exemplo, roncar e babar enquanto dormem –, no entanto, in‑
veja sua capacidade de fechar os olhos e se desligar da vida por al‑
gumas horas.

Um personagem que contribui muito com a caracterização que
estamos apresentando dos cavaleiros e de Agilulfo é Rambaldo de
Rossiglione, um aspirante a cavaleiro. Seu único desejo é vingar a
morte de seu pai, morto como herói na guerra, pelas mãos do pagão
emir Isoarre. Rambaldo é ingênuo, pois vê na guerra um meio de
justiça e enxerga os cavaleiros como personificações da honra. No
entanto, à medida que convive com a cavalaria de Carlos Magno,
decepciona‑se:

Rambaldo gostaria de ter se misturado com aquela multidão que
pouco a pouco tomava a forma de pelotões e companhias incorporadas,
mas tinha a impressão de que aquele bater de ferros era como um vibrar de
élitros de insetos, um crepitar de invólucros secos. Muitos dos guerreiros
estavam fechados no elmo e na couraça até a cintura, e sob os flancos e
os protetores dos rins despontavam as pernas com calças e meias por‑
que deixavam para colocar coxotes, perneiras e joelheiras quando já
estivessem montados. As pernas, sob aquele tórax de aço, pareciam mais
finas, como patas de grilo; e a maneira como se moviam, falando, as ca‑
beças redondas e sem olhos, e também o modo de manter dobrados os bra‑
ços pesados de cubitais e manoplas