{9AB1A1E4-2B67-43F6-A171-BCEFA8B755EF}_Ironia_e_suas_refracoes-NOVA P4
208 pág.

{9AB1A1E4-2B67-43F6-A171-BCEFA8B755EF}_Ironia_e_suas_refracoes-NOVA P4

Disciplina:TEORIA DA LITERATURA I379 materiais26.983 seguidores
Pré-visualização48 páginas
Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

COSTA, L. M. da. A poética de Aristóteles: mimese e verossimi‑
lhança. São Paulo: Ática, 1992.

COUTINHO, A. A literatura no Brasil. Era Romântica. São Pau‑
lo: Global, 2002.

DAL FARRA, M. L. O narrador ensimesmado: o foco narrativo em
Vergílio Ferreira. São Paulo: Ática, 1978.

DERRIDA, J. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva,
1971.

DIAS, A. M. (Org.). O resgate da dissonância: sátira e projeto lite‑
rário brasileiro. Rio de Janeiro: Antares; Inelivro, 1981.

D’ONÓFRIO, S. Teoria do texto. São Paulo: Ática, 1995.
DOSTOIEVSKI, F. M. O duplo. In: Obra completa. v.1. 1963.
DUARTE, L. P. Ironia, humor e fingimento literário. Resultado de

pesquisa – ironia e humor em literatura. Belo Horizonte, 1994.
ECO, U. Seis passeios pelos bosques da ficção. Trad. Hildegard Feist.

São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
_____. Entre a mentira e a ironia. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Ja‑

neiro: Record, 2006.
FERNANDES, R. C. O narrador do romance. Rio de Janeiro: Sette

Letras, 1996.
FERRAZ, M. de L. A. Ironia romântica. In: _____._____. Dicionário do

romantismo literário português. Coord. Helena Carvalhão Buescu.
Lisboa: Caminho, 1997.

FILHO, O. J. de O. Carnaval no convento: intertextualidade e pa‑
ródia em José Saramago. São Paulo: Editora UNESP, 1993.

FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa,
espaço e tempo. São Paulo: Ática, 2001.

FOUCAULT, M. O que é um autor? Porto: Vega Passagens, 2000.
FRIEDMAN, N. O ponto de vista na ficção: o desenvolvimento

de um conceito crítico. Trad. Fábio Fonseca de Melo. Revista
USP (São Paulo), n.53, p.166‑82, mar.‑mai. 2002.

A IRONIA E SUAS REFRAÇÕES 201

FRYE, N. Crítica histórica: teoria dos modos. In: _____._____. Anatomia
da crítica. São Paulo: Cultrix, 1973.

FUSILLO, M. Ripensando la critica tematica: l’identità sdoppia‑
ta. Compar(a)Ison. v.1, p.231‑61, 1996.

GAGNEBIN, J. M. Do conceito de mímesis no pensamento de
Adorno e Benjamin. In: _____._____. Sete aulas sobre linguagem, me‑
mória e história. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

GARRETT, A. O arco de Sant’Ana. Rio de Janeiro: Edições de
Ouro, s.d.

GENETTE, G. Discurso da narrativa. Trad. Fernando C. Mar‑
tins. Lisboa: Vega, s.d.

GREGGIO, A. J. O riso e a ironia: a leitura da história em O nome
da rosa. Araraquara, 2007. Dissertação (mestrado) – FCL da
Universidade Estadual Paulista.

GUELFI, M. L. F. Narciso na sala de espelhos: Roberto Drum‑
mond e as perspectivas pós‑modernas na ficção. Rio de Janeiro,
1994. Tese (doutorado em Letras) – PUC.

GUINSBURG, J. O romantismo. São Paulo: Perspectiva, 2002.
HARVEY, D. Condição pós‑moderna. São Paulo: Loyola, 2001.
HAYMAN, D. Um passo além de Bakthine: por uma mecânica

dos modos. Revista Tempo Brasileiro (Rio de Janeiro), n.62,
p.29‑52, jul.‑set. 1980.

HAUSER, A. O romantismo alemão e da Europa ocidental. In:
_____. História social da literatura e da arte. Trad. Walter H.
Geenen. São Paulo: Mestre Jou, v.2, p.817‑77, s.d.Mestre Jou, v.2, p.817‑77, s.d.

HEGEL, G. W. F. Curso de estética: o sistema das artes. Trad. Ál‑
varo Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

HELENA, L. A contra‑ideologia da seriedade: antropofagia e cul‑
tura brasileira. Revista Tempo Brasileiro (Rio de Janeiro), n.62,
p.71‑88, jul.‑set. 1980.

HERCULANO, A. A Dama pé‑de‑cabra. In: Lendas e narrati‑
vas.

HOBBES, T. Leviatã ou matéria, forma e poder de um Estado ecle‑
siástico e civil. Trad. João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza
da Silva. 2.ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

202 CAMILA DA SILVA ALAVARCE

HUBERMAN, L. História da riqueza do homem. Trad. Waltensir
Dutra. 21.ed. Rio de Janeiro: LTC, 1986.

HUGO, V. Do grotesco e do sublime, tradução do prefácio de
Cromwel. São Paulo: Perspectiva, 2004.

HUGUES, F. O espaço estético entre a mímesis e a expressão. In:
DUARTE, R.; FIGUEIREDO, V. (Org.). Mímesis e expressão.
Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

HUTCHEON, L. Uma teoria da paródia. Lisboa: Edições 70, 1985.
_____. Poética do pós‑modernismo: história, teoria, ficção. Trad. Ri‑

cardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.
_____. Teoria e política da ironia. Trad. Julio Jeha. Belo Horizonte:

Editora da UFMG, 2000.
IANONE, C. A. A persuasão na novela passional camiliana. Brasí‑

lia: Thesaurus, 1994.
ISER, W. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético 2. Trad.

Johannes Kretschmer. São Paulo: Editora 34, 1999.
JAUSS, H. R. Tradição literária e consciência atual da modernida‑

de. In: OLINTO, H. K. (Org.). Histórias de literatura: as novas
teorias alemãs. São Paulo: Ática, 1996.

JENNY, L. et al. Intertextualidades. Coimbra: Almedina, 1979.
JOZEF, B. O espaço da paródia, o problema da intertextualidade e

a carnavalização. Revista Tempo Brasileiro (Rio de Janeiro), n.62,
p.53‑70, jul.‑set. 1980.

KANT, I. Crítica da faculdade do juízo. Trad. Valério Rohden e
António Marques. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária,2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
2005.

KIERKEGAARD, S. The concept of irony. Trad. Lee M. Capel.
Bloomington: Indiana University Press, 1965.

KOTHE, F. R. Paródia e cia. Revista Tempo Brasileiro (Rio de Ja‑
neiro), n.62, p.97‑113, jul.‑set. 1980.

KRAUSS, W. Das Doppelgängermotiv. Der Romantik, Studien
zum Idealismus, Germanische Studien, Heft 99. Berlim, 1930.Berlim, 1930.

LACOUE‑LABARTHE, P. A vera semelhança. In: DUARTE,
R.; FIGUEIREDO, V. (Org.). Mímesis e expressão. Belo Hori‑
zonte: Editora da UFMG, 2001.

A IRONIA E SUAS REFRAÇÕES 203

LEITE, L. C. M. O foco narrativo. São Paulo: Ática, 1993.
LIMA, L. C. O controle do imaginário: razão e imaginação nos

tempos modernos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.
_____. Vida e mimesis. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.
_____. Mímesis: desafio ao pensamento. Rio de Janeiro: Civiliza‑

ção Brasileira, 2000.
_____. Máscaras da mímesis: a obra de Luiz Costa Lima. Org. Hans

Ulrich Gumbrecht, João Cezar de Castro Rocha. Rio de Janei‑
ro: Record, 1999.

LYOTARD, J. O pós‑moderno. Trad. R. Corrêa Barbosa. 4.ed. Rio
de Janeiro: José Olympio, 1993.

MAIA, M. H. P. As formas da paródia em O ano da morte de Ri‑
cardo Reis de José Saramago. Araraquara, 1999. Dissertação
(mestrado) – FCL da Universidade Estadual Paulista.

MARTINS, M. O riso, o sorriso e a paródia na literatura portuguesa
de Quatrocentos. Portugal: Instituto de Cultura Portuguesa, 1978.

MINOIS, G. História do riso e do escárnio. Trad. Maria Helena O.
Ortiz Assumpção. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

MOISÉS, M. A literatura portuguesa. 29.ed. São Paulo: Cultrix,
1999.

MUCHEMBLED, R. Uma história do diabo: séculos XII‑XX.
Trad. Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2001.

MUECKE, D. C. A ironia e o irônico. Trad. Geraldo Gerson de
Souza. São Paulo: Perspectiva, 1995. (Debates, 250).

NESTROVSKI, A. Ironias da modernidade. São Paulo: Ática, 1996.
NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia

do futuro. Trad., notas e posfácio Paulo Cesar de Souza. São
Paulo: Companhia das Letras, 2005.

NUNES, B. A visão romântica. In: GUINSBURG, J. (Ed.). O ro‑
mantismo. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, p.51‑74, 1985.

ORLANDI, E. P. Interpretação, autoria, leitura e efeitos do traba‑
lho simbólico. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

PAIVA, M. H. N. Contribuição para uma estilística da ironia. Lis‑
boa: Publicações do Centro de Estudos Filosóficos, 1991.

PENA, M. O noviço. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

204 CAMILA DA SILVA ALAVARCE

PEREIRA, L. M. Ecos românticos, veleidades realistas. In: _____._____.
Prosa de ficção (de 1870 a 1920). 2.ed. rev. Rio de Janeiro: José
Olympio, p.29‑50, 1957.

POUILLON. O tempo no romance. Trad. Heloysa de Lima Dan‑
tas. São Paulo: Cultrix; Edusp, 1974.

PROPP, V. Comicidade e riso. São Paulo: Ática, 1992.
REIS, C.; LOPES, A. C. Dicionário de teoria da narrativa. São

Paulo: Ática, 1988. (Fundamentos, 29).
REIS, C. Estatuto e perspectivas do narrador na ficção de Eça de

Queirós. Coimbra: Almedina, 1975.
REUTER, Y. Introdução à análise do romance. São Paulo: Martins