92_marx-karl-o-capital-1
1 pág.

92_marx-karl-o-capital-1

Disciplina:GEOGRAFIA ECONÔMICA1.053 materiais9.205 seguidores
Pré-visualização1 página
serviram para esse trabalho.20 Por exemplo, o valor de uma determi-
nada quantidade de fio de algodão é a cristalização da quantidade de
trabalho incorporada ao algodão durante o processo de fiação e, além
disso, da quantidade de trabalho anteriormente plasmado nesse algo-
dão, da quantidade de trabalho encerrada no carvão, no óleo e em
outras matérias auxiliares empregadas, bem como da quantidade de
trabalho materializado na máquina a vapor, nos fusos, no edifício da
fábrica etc. Os meios de trabalho propriamente ditos, tais como ferra-
mentas, maquinaria e edifícios, utilizam-se constantemente, durante
um período de tempo mais ou menos longo, em processos repetidos de
produção. Se se consumissem de uma vez, como acontece com as ma-
térias-primas, transferir-se-ia imediatamente todo o seu valor à mer-
cadoria que ajudam a produzir. Mas como um fuso, por exemplo, só
se desgasta aos poucos, calcula-se um termo médio tomando por base
a sua duração média, o seu aproveitamento médio ou a sua deterioração
ou desgaste durante um determinado tempo, digamos, um dia. Desse
modo calculamos qual a parte do valor dos fusos que passa ao fio
fabricado durante um dia e que parte, portanto, dentro da soma global
de trabalho realizado, por exemplo, numa libra de fio, corresponde à
quantidade de trabalho anteriormente incorporado nos fusos. Para o
objetivo a que visamos é necessário insistir mais nesse ponto.

Poderia parecer que, se o valor de uma mercadoria se determina
pela quantidade de trabalho que se inverte na sua produção, quanto
mais preguiçoso ou inábil seja um operário, mais valiosa será a mer-
cadoria por ele produzida, pois que o tempo de trabalho necessário
para produzi-la será proporcionalmente maior. Mas aquele que assim
pensa incorre num lamentável erro. Lembrai-vos que eu empregava a
expressão “trabalho social” e nessa denominação de “social” cabem mui-
tas coisas. Ao dizer que o valor de uma mercadoria é determinado
pela quantidade de trabalho incorporado ou cristalizado nela, queremos
referir-nos à quantidade de trabalho necessário para produzir essa mer-
cadoria num dado estado social e sob determinadas condições sociais
médias de produção, com uma dada intensidade social média e com
uma destreza média no trabalho que se emprega. Quando, na Ingla-
terra, o tear a vapor começou a competir com o tear manual, para
converter uma determinada quantidade de fio numa jarda de tecido
de algodão, ou pano, bastava a metade da duração de trabalho que
anteriormente se invertia. Agora, o pobre tecelão manual tinha que
trabalhar 17 ou 18 horas diárias, em vez das 9 ou 10 de antes. Não
obstante, o produto de suas 20 horas de trabalho só representava 10
horas de trabalho social; isto é, as 10 horas de trabalho socialmente
necessárias para converter uma determinada quantidade de fio em

OS ECONOMISTAS

94

20 Ver RICARDO, David. Princípios de Economia Política. Cap. 1, sec. IV. (N. do T.)