Freud e a Psicanálise

Disciplina:Tópicos Regionais em Fisioterapia406 materiais476 seguidores
Pré-visualização1 página
Clique para editar o estilo do título mestre
Clique para editar o estilo do subtítulo mestre
*
*
*

Freud e a Psicanálise

*
*
*

Doenças mentais eram originadas de certos fatos passados na infância dos indivíduos;
Hipnose (para fazer com que seus pacientes narrassem fatos do seu tempo de criança);
Hipnose: estado semelhante a um sono profundo no qual o paciente age por sugestão
Esse relato aliviava o paciente, libertando-o de alguns sintomas, tais como angustia agitação, ansiedade;
Freud chamou essa libertação de catarse;
Após terem captado totalmente a confiança do paciente. Levavam-no a relatar seu passado em estado normal;

*
*
*

Transferência afetiva (afeição ou aborrecimento com o psicanalista);

Método psicanalítico

Associação livre

Análise dos sonhos

Análise dos atos falhos

*
*
*

Doutrina Freudiana

 - Freud observando doentes mentais constatou que a causa da doença mental apresentada pela maioria de seus pacientes era sempre um problema sexual;
 - Observou também, as personalidades normais, e chegou à seguinte conclusão, que é à base da sua teoria: o comportamento humano é orientado pelo impulso sexual;
 - Ele dá o nome de libido ao impulso sexual; é um impulso fundamental ou a fonte de energia.

*
*
*

Elementos da personalidade

Id: Está voltado a satisfazer nossas necessidades básicas desde o começo da vida. A atividade do Id consiste em impulsos que buscam o prazer. Ele deseja a gratificação imediata e não tolera a frustração. O Id é aquele nosso lado instintivo, que não mede as conseqüências dos atos para se satisfazer.

Ego: Tem como principal função agir como intermediário entre o Id e o mundo externo. É o Ego que aprende a controlar os impulsos, decidindo se estes devem ser satisfeitos imediatamente, mais tarde ou nunca.

Superego: Representa a resposta imediata, o “certo” ou o “errado”, diante de várias situações que exigem uma tomada de que, dependendo da educação que recebemos, acaba se transformando no impulso de censurar a tudo e a todos, principalmente a nós mesmos. O Superego é a parte de nossa estrutura que nos reprime, nos censura, funcionando como freio de impulsividade. Ou seja, é o oposto absoluto do Id.

*
*
*

Níveis da vida mental
Consciente: è o estado de vigília, é o perceber do meio e de si próprio.
Subconsciente: é uma parte do inconsciente, mas uma parte que pode tornar-se consciente com facilidade. As porções da memória que são acessíveis fazem parte do subconsciente.
Inconsciente: elementos instintivos, que nunca foram conscientes e que não são acessíveis à consciência. Material censurado e reprimido. Este material não é esquecido ou perdido, mas não lhe é permitido ser lembrado.

*
*
*

Desenvolvimento da personalidade

Período narcisista: No inicio da vida, a criança dirige sua libido para o seu próprio corpo. Ela ma a si mesma. Suas reações emocionais dependem, principalmente, de seu bem estar ou de seu mal-estar físico. É egocêntrica.

Período edipiano: Nessa fase, a criança dirige a sua libido para o progenitor do sexo oposto, manifestando a sua hostilidade para com o progenitor do mesmo sexo;

Período de latência sexual: Depois das dificuldades da fase edipiana, a criança passa para um período mais calmo. Esse período corresponde aos anos da escola primária, em que a criança se ocupará em adquirir habilidades, valores e papeis culturalmente aceitos. Ele é denominado de latência porque os impulsos são impedidos de se manifestar.

*
*
*

Período da puberdade: Essa fase de duração de dois anos, se inicia mais cedo para as meninas que para os meninos. É a época de grandes modificações físicas e, principalmente, de grande desenvolvimento dos órgãos sexuais. A principal característica da fase da puberdade, também chamada de homossexual, é a ligação afetiva que se estabelece entre jovens do mesmo sexo e de idade aproximada.

Adolescência: Nessa fase, a libido do jovem se dirige a um adolescente do sexo oposto.

Fixação: Freud chama de fixação a parada de uma pessoa pode apresentar em uma fase determinada. Estaciona-se o desenvolvimento emocional, embora continuem a se processar o desenvolvimento físico e o intelectual.

Regressão: Outra anormalidade que se pode verificar no desenvolvimento da personalidade, é depois de se atingir certa fase, volta à fase anterior.