Redes - Cabeamento Estruturado
67 pág.

Redes - Cabeamento Estruturado

Disciplina:REDES DE COMPUTADORES4.721 materiais121.395 seguidores
Pré-visualização38 páginas
osegmento defeituoso, de forma a não causar qualquer impacto na rede. Obviamente, se o segmento decabo com falha estiver conectado a um único servidor, você ainda perderá os serviços da rede, mas a causado problema será óbvia e o conserto será rápido. As principais características do esquema 10Base-T são aconfiabilidade e a facilidade de manutenção.Os hubs de fiação são vendidos em formatos e tamanhos diversos. Alguns deles são embutidos em placasadaptadoras que se encaixam dentro de PCs. Outros, como o hub D-Link, mostrado na Figura 4.3, sãopequenos gabinetes com aproximadamente o tamanho de um livro. As duas soluções só são apropriadaspara redes de pequeno porte com 6 a 12 nós. Espere pagar de US$ 25 a US$ 30 por porta nesses produtos.O padrão 10Base-T permite que você tenha até 1.000 nós por segmento de cabo, que é mais do queprovavelmente será necessário usar. Você irá separar a sua rede local em segmentos de cabo longos edeverá ter aproximadamente 100 nós.NOTAO repetidor 10Base-T limita a três o número de hubs de uma configuração em margarida.No entanto, o esquema de fiação 10Base-T tem uma pequena armadilha. Muitos projetistas de redecomeçaram com um único hub de fiação que pode acomodar de 8 a 12 nós. Quando a rede cresce, elescompram outro hub e conectam dois hubs em uma configuração em margarida. Esse padrão continua até

o terceiro hub, mas se eles tentarem incluir um quarto hub dessa forma, começará a haver colisões na redee os pacotes poderão se tornar muito grandes ou muito pequenos. A regra do padrão 10Base-T dizessencialmente que você só pode usar três repetidores entre os principais segmentos de rede local. Se vocêincluir um quarto repetidor, não haverá sincronia entre os pacotes e o esquema de compartilhamento demeios CSMA/CD irá parar de funcionar. Algumas empresas comercializavam hubs com umasincronização que permite a utilização de quatro repetidores, mas a regra básica é o limite de trêsrepetidores.Você evita conflitos com a regra dos três repetidores e ganha a possibilidade de expandir a sua redefacilmente utilizando um hub de chassi. Um hub de chassi tem várias faixas de módulos complementares,cada qual cheia de conectores de porta. O chassi interconecta as faixas através de um barramento dedados muito rápido. Portanto, a inclusão de nós não cria problemas para a sincronia do esquemaCSMA/CD.Muita gente já foi pega de surpresa pela regra dos três repetidores. Em princípio os pequenos hubs defiação com um número fixo de portas se mostram baratos quando comparados aos hubs de fiação quedispõem de chassi e de um painel traseiro de barramento de dados - os quais à primeira vista parecemmuito caros. Mas esse é um caso clássico de "pague agora ou pague mais tarde". Se você não pagar pelapossibilidade de expansão no início, talvez tenha que jogar o seu investimento fora e começar tudo outravez mais tarde.No entanto, há um meio-termo para os projetistas de rede local conservadores. A 3Com foi a primeira alançar uma linha de hubs de fiação 10Base-T "empilháveis", e outras empresas, como a Asanté têmcomercializado produtos semelhantes. Esses hubs fixos têm uma conexão externa que funciona como umpainel traseiro. Você pode estabelecer conexões especiais entre esses hubs, e cada pilha funciona como umúnico repetidor. Portanto, se logo no início você investir alguns dólares a mais por porta em hubsempilháveis, a sua instalação poderá ser rapidamente expandida em um sistema de hubs de fiação de fácilmanuseio.
TOKEN-RINGO sistema token-ring IEEE 802.5 também utiliza um hub de fiação como núcleo do esquema de cabos. Aarquitetura token-ring foi originalmente projetada paa operar com cabos de pares de fios trançados, masos gerentes e projetistas de rede local rapidamente exigiram conexões UTP. A IBM passou a produzir umdispositivo que a empresa chama de "filtro de meios físicos", que liga conector STP das placas de interfacede rede aos cabos UTP.Se você tiver uma placa token-ring de 4 megabits por segundo, poderá utilizar cabos UTP da Categoria 3.No Capítulo 3, você verá as especificações publicadas para a utilização de placas token-ring de 16megabits com cabos da Categoria 3, mas não recomendamos essa configuração. Achamos que placastoken-ring de 16 megabits por segundo exigem uma instalação UTP EIA/TIA 568 Categoria 5.O número de nós de rede ativos é um fator muito mais importante no token-ring do que em qualqueroutro esquema. A cada vez que um nó token-ring ativa sua placa de interface de rede, uma voltagem éimposta a um relé do hub de fiação. O relé do hub entra em ação e inclui o segmento de cabo do nó no anelativo, alterando efetivamente o tamanho global da rede. Em outros esquemas de rede, o comprimentoglobal do cabo permanece igual quando as estações entram na rede ou saem dela, mas, como mostra aFigura 4.4, a atibação de um nó token- ring aumenta automaticamente o tamanho global do cabo de redeativo.Nesse esquema token-ring, o tamanho máximo de todos os cabos STP é 350 metros a 4 megabits porsegundo e 170 metros a 16 megabits por segundo. Em um sistema que utiliza um cabo UTP, o tamanhomáximo do cabo é 220 metros a 4 megabits por segundo e 100 metros a 16 megabits por segundo.
Distância Máxima do Cabo (MTD) = Comprimento Equivalente doCabo (ECL) + (tamanho do lóbulo x nós) + loopbackHá uma interação complexa entre o tamanho do cabo, o número de hubs de fiação, as ligações dos hubs defiação e o número de nós ativos em uma rede token-ring. A situação ficou mais complicada ainda quandoalguns fornecedores incluíram dispositivos denominados hubs de fiação "ativos" que, segundo eles,oerecem uma operação confiável a uma distância seis vezes maior do que os hubs padrão. Por outro lado,é difícil estabelecer orientações específicas em termos do tamanho máximo que o cabo poderá ter, pois asespecificações do fabricante variam muito. Sugerimos que você consulte os fornecedores de equipamentos

token-ring antes de finalizar o seu esquema de cabos.As redes token-ring utilizam o conceito de distância máxima do cabo (MTD); que é empregado paradescrever a extenção máxima de cabo que você poderá usar no anel sem a necessidade de instalar hubsativos para gerar os sinais outra vez. A MTD típica para equipamentos que utilizam fios de parestrançados sem blindagem é de 400 metros a 4 megabits e 180 metros a 16 megabits. A MTD para fios UTPda Categoria 5 é 225 metros a 4 metros a 4 megabits e 100 metros a 16 megabits.A MTD abrange toda a extenção do cabo e um fator denominado comprimento equivalente do cbo (ECL),que representa a perda de sinal dentro do hub de fiação. Cada fabricante especifica um ECL para cadamarca e modelo de hub, mas o normal são 2,5 metros para hubs STP e 8,5 metros para hubs UTP. Você sódeverá incluir o fator ECL na equação MTD uma vez para cada hub, ou seja, não é necessário incluir umECL para todas as portas ativas.O cálculo irá se tornar muito complexo se você considerar todas as contigências envolvendo a utilização devários hubs. As redes token-ring têm um recurso de correção de falhas automático, que permite que umhub faça um loop-back automático e crie seu próprio anel se uma conexão entre hubs for interrompida.Na teoria, esse loop-back poderia praticamente dobrar o tamanho do cabo ativo à medida que o hubdevolvesse quadros para o anel. É uma boa idéia imaginar as piores situações possíveis, mas é necessárioum cuidadoso estudo do diagrama de cabos, pois você poderá ficar limitado a utilizar cabos não muitolongos.A seguir apresentamos algumas orientações práticas que você deverá seguir ao utilizar cabos de fios depares trançados sem blindagem. Em geral, você terá de cortar a distância máxima entre o nó e o hub àmetade para redes token-ring de 16 megabits por segundo. No entanto, as especificações para algunsequipamentos de um mesmo fabricante permitirão que você tenha distâncias maiores.· Se você utilizar uma placa token-ring de 4 megabits com fios de pares trançados sem blindagem,poderá usar até 45 metros de cabo entre cada nó e o hub de fiação. Dois hubs de fiação