Redes - Cabeamento Estruturado
67 pág.

Redes - Cabeamento Estruturado

Disciplina:REDES DE COMPUTADORES4.725 materiais121.523 seguidores
Pré-visualização38 páginas
- ou seja, transmitia constantemente
os pacotes sem antes verificar o tráfego da rede. Isso causava o que parecia ser uma série constante de
colisões e, enquanto isso, todas as outras placas aguardavam a liberação de um canal. Esse defeito no
hardware nada tinha a ver com os cabos instalados por Willy, mas ele podia consertá-lo.
Willy entrou no modo de linha de comandos do software de hub de fiação e executou o comando que
particiona ou isola o nó com problemas. Isso fez com que o hub literalmente desconectasse aquela porta do
restante da rede. Depois disso, ele voltou à tela de monitoração do tráfego e viu o servidor anunciar sua
presença na rede. Ele já estava desconectando o modem quando o telefone celular tocou.
"Está tudo no ar outra vez!", Janet exclamou. "Você é mágico."
"A mágica é simplesmente algo que você ainda não conhece", Willy comentou. "Vá até os hubs de fiação e
veja qual das portas está com uma luz de partição acesa. Em seguida, troque a placa de interface de rede do nó
conectado a essa porta e reinicialize-a."
Willy incluiu a ligação em seu registro de serviços - chamadas de amergência nas tardes de domingo não
estavam no contrato de manutenção do hospital -, fechou o furgão e voltou ao estádio. Com sorte, ele
conseguirá ver todo o segundo tempo.
GERENCIAMENTO DO HUB DE FIAÇÃOOs hubs de fiação são uma parte importantíssima de um sistema de cabeamento estruturado eproporcionam um ponto de articulação perfeito para um sistema de gerenciamento de rede. Nos anos 90, oconceito de hub de fiação foi muito além da definição dos primeiros hubs de fiação ARCnet, queassociavam os cabos coaxiais a sinais amplificados e repetidos. Os primeiros hubs de fiação Ethernet10Base-T e Token-Ring tinham o mesmo nível básico de funcionalidade. Sua principal função eraimplementar uma configuração em estrela de forma que um problema elétrico em um dos trechos dosistema de cabeamento não causasse um impacto na rede inteira.No final dos anos 80, a Synoptics e a Cabletron colocaram o hub de fiação em um novo nível tecnológicoque praticamente os iguala a uma forma de arte. Empresas como a Asante. David Systems, DigitalEquipment Corporation, NetWorth, 3Com, Hewlett-Packard e Optical Data Systems se juntaram àSynoptics e à Cabletron como seus principais concorrentes na produção de hubs de fiação. Nos hubsmodernos ficam localizados os seguintes itens: processadores possantes que executam diversos programasde gerenciamento e utilitários de rede, módulos com conectores de todos os tipos e atémesmo roteadores epontes que controlam o tráfego da rede. Como ilustra a Figura 5.1, o hub de fiação evoluiu e se tornou ocentro físico e operacional de toda a rede.
HUBS DE GABINETE E DE CHASSIEm geral, os hubs são classificados em duas categorias: de gabinete e de chassi. Um hub de gabinete é umgabinete lacrado com todos os conectores permanentemente acoplados, sem qualquer possibilidade deexpansão interna. Esses tipos de hubs estão disponíveis para redes ARCnet, 10Base-T e Token-Ring. Noentanto, cada hub só funciona para um tipo de rede. Os hubs de gabinete são populares por causa de seubaixo custo inicial e de seu pequeno tamanho. Utilizados sozinhos, eles são adequados para muitasinstalações, mas você também pode combinar hubs de gabinete e de chassi na mesma rede local a fim de sebeneficiar do baixo custo do gabinete e da flexibilidade do chassi.Um hub de chassi, mostrado na Figura 5.2, consiste em um gabinete matálico com slots contendoconectores elétricos para módulos complementares. O principal componente de um hub de chassi é opainel traseiro elétrico - um caminho elétrico de alta velocidade para os dados que atravessam os módulosde expansão. O painel traseiro reduz o impacto do hub no esquema de cabeamento da rede, pois os dadoso percorrem em vez do cabo de rede, que é mais lento. Cada módulo de conexão de cabo do gabinete é naverdade um hub separado da rede, mas o painel traseiro retira da equação de cabo a regra dos trêsrepetidores (esquema Ethernet 10Base-T) e o fator de interconexão dos hubs (esquema token-ring). Opainel traseiro também melhora a confiabilidade geral do sistema, pois retira do sistema físico um trecho

de cabo vulnerável existente entre os hubs.Os módulos complementares podem ser acoplados pela parte dianteira do gabinete e proporcionam umaconexão muito firme aos conectores do painel traseiro. Cada módulo complementar tem um determinadoobjetivo. Você pode obter módulos com diversos conectores de rede para diferentes tipos de cabos. Essesmódulos têm componentes eletrônicos internos que complementam diferentes tipos de placas adaptadorasde rede e executam funções especiais, como o roteamento de pacotes e o gerenciamento da rede.Muitos fornecedores fabricam diversos módulos para seus hubs de chassi. Você pode selecionar módulosde conexão para qualquer combinação de cabo e para qualquer arquitetura de rede. O hub de chassi temas seguintes vantagens:· Os nós conectados através de cabos Ethernet coaxiais grossos, de cabos Ethernet coaxiais finos ede cabos Ethernet UTP (10Base-T) podem interoperar na mesma rede ou em redes totalmenteseparados.· Os nós conectados através de cabos token-ring UTP e de cabos token-ring STP podem interoperarna mesma rede ou em redes totalmente separadas.· Os nós conectados através de cabos ARCnet coaxiais ou de cabos ARCnet UTP podeminteroperar na mesma rede ou em redes totalmente separadas.· Os nós que utilizam os mesmos protocolos de comunicação de rede, como IPX ou IP, podemtrocar dados através de um roteador interno do hub de fiação, independente do tipo de cabo ouda arquitetura de rede empregados por eles.· Facilmente, você pode criar novos segmentos de rede à medida que o seu sistema crescer. Paraisso, modifique um jumper ou uma chave comutadora.Empresas como Cabletron, NetWorth, Optical Data Systems, Synoptics, 3Com e muitas outras vendemhubs de chassi com uma grande variedade de recursos de expansão e de dispositivos, como fontes dealimentação duplas, que proporcionam maior tolerância a falhas no fornecimento de energia elétrica.Algumas empresas, como a Optical Data Systems chegam até mesmo a vender CPUs 486 às quais épossível encaixar mais memória no chassi. As CPUs podem executar softwares de rede, como o NetWareda Novell, e normalmente funcionam como servidores de comunicação ou roteadores - apesar de tambémpoderem ser utilizadas como servidores de arquivos e de impressão.Com base na nossa experiência, apenas as instalações menores se satisfazem com um hub simples que nãopode ser expandido. A única desvantagem dos hubs de chassi é seu custo por porta, que é várias vezesmaior do que o dos hubs de gabinete.
ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO DE REDEEm muitas organizações modernas, a rede local é com freqüência tão vital para a produção quanto ospróprios funcionários e a matéria-prima. Qualquer intervalo de tempo fora do ar, por menor que seja,pode ter conseqüências devastadoras. A rede local exige a utilização de um bom conjunto de recursos degerenciamento de rede, e o hub de fiação funciona como um excelente ponto central para isso. Emsistemas de gerenciamento de rede estruturado, dispositivos específicos denominados agentes secomunicam com um programa de gerenciamento que reúne e apresenta dados. Um software na estação degerenciamento (em geral, um computador que executa o UNIX ou o Windows) faz consultas seqüenciais(polling) aos agentes solicitando seus dados, e os agentes poderão enviar alarmes ao detectarem desviosespecíficos das condições predeterminadas. Os três principais conjuntos de padrões de sistema degerenciamento de rede (do menos ao mais conhecido) são o NetView, o CMIP (Common ManagementInformation Protocol) e o SNMP (Simple Network Management Protocol). A Figura 5.4 mostra asposições localizações dos agentes na rede.O NetView é um produto de gerenciamento de rede desenvolvido pela IBM e a 3Com e em geral é aquelecuja implementação é a mais cara entre os três sistemas. Essa arquitetura exige muitos recursos, inclusivePCs e até