Redes - Cabeamento Estruturado
67 pág.

Redes - Cabeamento Estruturado

Disciplina:REDES DE COMPUTADORES4.725 materiais121.523 seguidores
Pré-visualização38 páginas
pela Amp, foi padronizado pelaNATO e pelas forças armadas americanas. Existem dois estilos de conector SMA, um com uma pontagrossa, como o conector ST e outro com uma ponta mais fina, que permite um melhor alinhamento. Sevocê tiver equipamentos que utilizem esses conectores, certifique-se de que o técnico em instalação sabeexatamente qual estili de plugue SMA é necessário para você.Como explicamos anteriormente, os cabos de fibra ótica utilizam dois canais de fibra, sendo que cada umtransporta a luz em uma direção. Os sistemas com conectores ST e SMA utilizam um único conector paracada canal. Apesar de a cobertura externa de uma das fibras de cada par ter uma marcação específica, amaioria dos problemas durante instalações e modificações de configuração resulta da conexão da fibraerrada à tomada errada.O MIC (Medium Interface Connector), adotado pelo ANSI (American National Standards Institute) comoparte da arquitetura FDDI (Fiber Distributed Data Interface), elimina esse problema. Ao contrário do queacontece com os conectores ST e SMA, um único conector MIC, mostrado na Figura 9.2, contém duasfibras; ele é projetado de modo que o plugue e o soquete só possam ser conectados de uma formaespecífica. Além de serem usados em sistemas FDDI, os conectores MIC também fazem parte de muitasmarcas de hubs de fiação e de adaptadores de rede local.Em algumas aplicações, talvez você encontre um conector denominado conector do tipo SC. O conectorSC proporciona uma conexão "a prova de puxões" que às vezes é usada em cabos onde há divisões. Aexemplo do SMA, o conector SC pode conter duas fibras e garante uma conexão adequada entre elas. Noentanto, trata-se de um conecto de difícil instalação. A melhor opção é usar cabos inteiros, sem divisões.Não há uma desvantagem significativa em relação ao esquema de conexão de dois cabos nos conectoresMIC e SC. Se o técnico em instalação estabelecer uma boa conexão e fizer um corte malfeito ou não tivercuidado ao colar a segunda conexão, ele deverá desfazer o trabalho e começar tudo outra vez. Essadesvantagem explica a popularidade dos conectores ST e SMA simples e comprova a necessidade de vocêrecorrer a técnicos experientes e cuidadosos caso utilize conectores MIC e SC.Apesar de ser muito provável que o equipamento que você irá adquirir venha equipado com conectoresST, sempre vale a pena verificar. É possível misturar equipamentos e conectores em uma instalação - osconectores de uma extremidade do cabo não obrigam a utilizar um determinado tipo de conector na outraextremidade -, mas o técnico deverá saber o que fazer. Os conectores MIC estão se tornando cada vez maispopulares, e você deve considerar sua utilização, especialmete se o técnico cobrar bem pelo trabalho.
PADRÕES DE SINALIZAÇÃO E CONEXÃOVocê já deve estar familiarizado com três padrões de sinalização e de conexão em cabos de fibra ótica: o

FDDI, o FOIRL (Fiber-Optic Inter Repeater Link) e o 10Base-F, que faz parte das especificações do IEEE802.3 (Ethernet). Primeiramente, você deverá conhecer esses padrões para se certificar de que estáadquirindo equipamentos que possam funcionar juntos. Além disso, a operação do equipamento de acordocom esses padrões é invisível para você.
FDDIA FDDI é complexa. A especificação completa abrange dois anéis de cabo de fibra ótica que enviam dadosem direções opostas. Se um cabo for interrompido no anel principal, os dados completam o percurso noanel secundário. Os equipamentos FDDI são altamente rápidos e confiáveis, e utilizam uma sinalização de100 megabits por segundo. Mas pouca gente precisa de todos os recursos da FDDI , e achamos que ela serásuplantada por outros esquemas como o modo de transferência assíncrona - uma rápida tecnologia desinalização que está surgindo e que utiliza cabos UTP. Devido a essas e outras questões, o conceito originalde FDDI está mudando rapidamente.Até mesmo a letra "F" da sigla FDDI está deixando de significar "fibra". Sob a última definição do ANSI,o termo FDDI pode abranger cabos de fibra ótica, cabos de pares trançados blindados e cabos trançadossem blindagem. Portanto, o termo não mais necessariamente implica a utilização de fibra ótica.A FDDI é um esquema de rede que ganha mais confiabilidade ainda através do uso de protocolos detratamento de dados sofisticados. A alternativa de utilizar cabos de fibra ótica na FDDI proporciona umasinalização capaz de abranger uma distância de 2 quilômetros, mas os altos custos da fibra limitaram suapopularidade. Os protocolos FDDI podem ser usados em cabos de cobre em uma distância de no máximo100 metros eexigem uma instalação UTP de nível 5.Um comitê do ANSI aprovou um plano para sinalização que utiliza dois pares de UTP de nível 5. Esseplanoj utiliza um esquema de transmissão denominado Multi-Level Transmission-3 (MLT-3), que reduzas emissões de dados e especifica um método de equilibrar os níveis de sinal.Ao mesmo tempo, a IBM e outros fornecedores estão incentivando a utilização de protocolos FDDI em fiosde pares trançados blindados, uma proposta que tem o nome de SDDI. A IBM, a Network Peripherals e aSynOptics estão entre as empresas que fornecem módulos SDDI para seus hubs de fiaçào de chassi.A Crescendo Communications utiliza o termo Copper Distributed Data Interface (CDDI) para descreverseus produtos que utilizam as técnicas FDDI em pares de fios trançados sem blindagem. Outras empresascomo a Network Peripherals utilizam o termo FDDI para descrever seus produtos que utilizam cabos UTPe que obedecem ao padrão do ANSI.Nesse momento, a CDDI e a SDDI não são capazes de dar prioridade de transmissão a determinadosdados, a exemplo do que acontece com o vídeo de movimentação integral. Outro comitê do ANSI estáincluindo nessas interfaces um recurso de prioridde para a transmissão de determinados pacotes especiais.O ANSI está desenvolvendo um padrão denominado LCF (Low Cost Fiber) que oferece reduções de custoe é mais fácil de instalar. A fibra LCF em si não custa menos - na verdade, o cabo é o mesmo -, mas asespecificações para transceptores foram ampliadas. Por sua vez, a distância máxima foi reduzida para 1quilômetro, mas esse não é um fator restritivo na maioria das instalações. O LCF reduz o custo de umainstalação de fibra ótica em um percentual de 25 a 35 por cento.
FOIRL e 10Base-FEnquanto a FDDI se beneficia da qualidade do sinal que percorre uma ligação de fibra ótica, aumentandoa velocidade de sinalização para 100 megabits por segundo, os outros padrões se limitam (pelo menos atéagora) a ampliar a distância ou os recursos operacionais.A especificação FOIRL (Fiber-Optic Interrepeater Link) foi criada para descrever a forma como osrepetidores Ethernet deverão se comunicar através de cabos de fibra ótica. O objetivo do projeto FOIRL éintegrar fibras óticas a determinados pontos críticos de uma rede Ethernet a fim de aumentar a distânciacoberta pelos cabos e de permitir a operação em ambientes com altos níveis de ruído elétrico.A FOIRL é uma especificação antiga, mas muitos transceptores (dispositivos externos que são conectadosà porta AUI de uma placa adaptadora Ethernet) obedecem ao padrão FOIRL. O padrão FOIRL permitea conexão de repetidores em uma distância de pelo menos 2 km. Em geral, os dispositivos FOIRL utilizamconectores ST.O único problema em relação à utilização da FOIRL é que você deverá ter dispositivos compatíveis nasduas extremidades da ligação. Os hubs de fiação têm portas FOIRL para conexão com outros hubs, masem geral as conexões às placas adaptadoras de rede local utilizam um esquema diferente. A FOIRL foi

projetada para complementar os cabos de cobre e não para substituí-los.A estratégia de substituição de cabos de cobre por cabos de fibra ótica é descrita em um novo padrãodenominado 10Base-F. Esse padrão, que abrange duas variações denominadas 10Base-FB e 10Base-FL,são produtos do mesmo comitê IEEE que liberou o 10Base-T. O padrão 10Base-FL descreve as conexõesexistentes entre nós de rede local e um hub de cabos, ao passo que o 10Base-FB descreve uma conexãocentral