ARTIGO 70
8 pág.

ARTIGO 70


DisciplinaUnidade de Saúde Humana 2157 materiais51 seguidores
Pré-visualização6 páginas
a 
dimensão cuidadora(7) e assim as práticas cuidativas ne-
cessitam da interrogação dos modos de saber/fazer para 
que se viabilizem no cotidiano do trabalho das equipes.
coNcLUSão
O presente estudo cartografou algumas linhas de força 
que dão pistas da presença de formas instituídas e insti-
tuintes do trabalho de uma equipe de saúde da família na 
sua tarefa cuidativa. As relações dos trabalhadores entre 
si e deles com a população segue os modelos tradicionais 
de assistência à saúde com o atravessamento das institui-
ções, da divisão técnica e social do trabalho, da justiça e 
da educação. Certamente, outras instituições atravessam 
o cotidiano e os modos de funcionamento da equipe. 
A vivência seguida de reflexão sobre as formas como 
as relações dos trabalhadores aproximam-nos ou afas-
tam-nos da tarefa de cuidar, assim como a explicitação 
das dificuldades de inventar novas formas de se relacio-
nar, tensionam a equipe.
Aposta-se nessa tensão e na reflexão coletiva possível 
de se fazer em grupos de análise do trabalho como capa-
cidade de desnaturalização do instituído, daquilo que se 
apresenta como normal para dar passagem à invenção de 
outros modos de se fazer saúde.
REFERÊNciAS
1. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 648/GM, de 28 de março 
de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabe-
lecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da 
Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Pro-
grama Agentes Comunitários de Saúde (PACS) [Internet]. Brasí-
lia; 2006 [citado 2011 jul. 22]. Disponível em: http://dtr2004.
saude.gov.br/dab/legislacao/portaria_648_28_03_2006.pdf
2. Franco TB, Andrade CS, Santos VS. A produção de subjetiva 
do cuidado: cartografia da Estratégia Saúde da Família. São 
Paulo: Hucitec; 2009.
3. Romagnoli RC. Breve estudo institucionalista acerca do Pro-
grama Saúde da Família. Saúde Soc. 2009;18(3):525-36.
4. Ermel RC, Fracolli LA. O trabalho das enfermeiras no Pro-
grama Saúde da Família em Marília/SP. Rev Esc Enferm USP. 
2006;40(4):533-9.
5. Ferraz F, Salum NC, Carraro TE, Radünz V, Espinoza LMM. 
Educação permanente no trabalho como um processo edu-
cativo e cuidativo do sujeito-cuidador. Rev Gaúcha Enferm. 
2006;27(3):344-50.
6. Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: 
Hucitec; 2002. 
7. Passos E, Kastrup V, Escóssia L. Pistas do método da cartogra-
fia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto 
Alegre: Sulina; 2009.
8. Barros RDB. Dispositivo em ação: o grupo. In: Silva AE, Neves 
CAB, Rauter C, Passos E, Barros RBB, Josepshon SC, organiza-
dores. Subjetividade: questões contemporâneas. São Paulo: 
Hucitec; 1997. p. 183-91.
9. Baremblitt G. Compêndio de análise institucional e outras 
correntes: teoria e prática. 5ª ed. Belo Horizonte: Instituto Fe-
lix Guattari; 2002.
10. Deleuze G, Guattari F. Mil platôs. 2ª ed. São Paulo: Editora 
34; 1996.
11. Baremblitt G. Introdução á esquizoanálise: coleção esqui-
zoanálise e esquizodrama. 3a ed. Belo Horizonte: Instituto 
Felix Guattari; 2010.
12. Barros RDB. Grupo: a afirmação de um simulacro. 3ª ed. Por-
to Alegre: Ed. UFRGS; 2009. 
13. Merhy EE, Feuerwerker LCM, Ceccin RB. Educación permanen-
te em salud: uma estratégia para intervenir em la micropolitica 
del trabajo em salud. Salud Colectiva. 2006;2(2):147-60. 
14. Pichon-Rivière E O processo grupal. 3ª ed. São Paulo: Mar-
tins Fontes; 1982.
15. L\u2019Abbate S. A análise institucional e a saúde coletiva. Ciênc 
Saúde Coletiva. 2003; 8(1):265-74.
16. Monceau G. Implicação, sobreimplicação e implicação pro-
fissional. Rev Psicol. 2008; 20(1):19-26.
17. Rocha SMM, Almeida MCP. O processo de trabalho da en-
fermagem em saúde coletiva e a interdisciplinaridade. Rev 
Latino Am Enferm. 2000;8(6):96-101.
18. Pereira WR, Tavares CMM. Pedagogical practices in nur-
sing teaching: a study from the perspective of institutional 
analysis. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2010 [cited 2011 jul. 
22];44(4):1077-84. Available from: http://www.scielo.br/
pdf/reeusp/v44n4/en_32.pdf
correspondência: Cinira magali Fortuna
av. dos bandeirantes, 3900 - monte alegre
Cep 14040-902 - ribeirão preto, sp, brasil