ANDRE MASSA CIPRIANI
55 pág.

ANDRE MASSA CIPRIANI

Disciplina:Lingotamento Contínuo de Aços29 materiais60 seguidores
Pré-visualização9 páginas
não é considerado a mudança de densidade com o

tempo, assim ρ foi constante durante toda a simulação.

Com as equações e seus parâmetros definidos, é feito o sistema de controle

de nível do distribuidor. Exibido na figura 6.7.

Figura 6.7: Sistema de controle do nível do distribuidor

A simulação começa no bloco Step, onde manda um pulso e o ganho manda

um sinal de 0,25 para s, ou seja, a válvula gaveta da panela se abre totalmente, depois

do calculo da área da válvula gaveta, o nível de aço da panela é medido. Este valor é

enviado para o cálculo do valor do nível de aço do distribuidor junto com o valor da

área da válvula gaveta do distribuidor. Após o cálculo dos valores do nível do

distribuidor, o Controlador on-off recebe estas informações e dependendo dos valores

envia para o comparador o valor de 0 para a válvula fechada ou 0,25 para válvula

totalmente aberta.

O gráfico mostrado na Figura 6.8 mostra os valores do nível do distribuidor.

 40

Figura 6.8: Nível de aço líquido no distribuidor

O distribuidor em questão apresenta uma capacidade de 60 toneladas de aço

líquido, sendo que o valor máximo do peso do aço na simulação é de 55 toneladas e o

valor mínimo do peso do aço é de 14,8 toneladas, valores que estão determinados na

faixa de produção de aço, pois o aço não atinge 60 toneladas, onde ocorreria o Break-

out, nem contém o peso mínimo para que não ocorram turbulências que contém escórias

e danifiquem o produto final.

Observa-se então que nos gráfico das Figuras 6.4 e 6.8, os resultados são

demonstrados em toneladas e não metros, portanto para efeitos de resultados do

processo, podem ser utilizados as seguintes expressões:

 ρ*mV = (6.1)
e considerando o distribuidor um elemento de forma regular (cúbico),

bVh /= , (6.2)
onde V é o volume do distribuidor, m é o peso medido, ρ é a densidade, h é

o nível de aço líquido e b a área da base.

Assim os resultados dos níveis máximo e mínimo são 1,25m e 0,34m.

 41

VII – CONSIDERAÇÕES FINAIS

A partir da obtenção do modelo matemático do processo, junto com a

escolha dos seus elementos a serem usados, é então analisado qual o método de controle

para o nível do distribuidor do lingotamento contínuo pode ser usado com eficiência. A

escolha do controlador on-off se deve aos parâmetros que pode se ter como resultado.

Assim o controlador atende perfeitamente o trabalho em questão, pois mantém o nível

do distribuidor numa faixa aceitável. É mais barato e mais simples do que outros tipos

de controladores.

Atualmente, algumas empresas ainda contam com este tipo de controle

manual, fazendo com que o empregado permaneça em um ambiente tão hostil, com

temperaturas bem elevadas e outros riscos a saúde. Assim, com a grande preocupação

das empresas com o meio ambiente, saúde e segurança dos seus funcionários, é

extremamente aceitável o acréscimo de algum tipo de controlador, pois retira

empregados de perto deste ambiente de trabalho.

 42

VIII – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. ARAÚJO, L. A., Manual de Siderurgia, São Paulo: Editora Arte & Ciência, 1997.

Volume 1.
2. BARRÓN, M. A. e TREJO, J. G. An Implicit Controller for the Steel Level

Regulation in a Vacuum-Based Continuous Casting Process. Journal of Applied
Research and Technology, August, Vol. 2, number 002, Universidad National
Autonomy de México, Distrito Federal, México, p. 161-169

3. CHAKRABORTY, S. and SAHAI, Y., “Effect of Varying Ladle Stream

Temperature on the Melt Flow and Heat Transfer in Continuous Casting
Tundishes”, ISIJ International, vol. 31, no 9, 1991, pp. 960-967.

4. Dados Operacionais do Lingotamento Contínuo, Companhia Siderúrgica de

Tubarão, 2006.
5. DUARTE, A. C. M. Controle de Nível no Molde de Lingotamento Contínuo,

Monografia – Engenharia de Controle e Automação, Universidade Federal de Ouro
Preto, Ouro Preto, 2005.

6. GARCIA, A., SPIM, J. A., SANTOS, C. A. e CHEUNG, N. Lingotamento

Contínuo de Aços, Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais, 2004.
7. LAI, K. Y. M., SALCUDEAN, M., TANAKA, S. and GUTHRIE, R. I. L.

Mathematical Modeling of Flows in Large Tundish Systems in Steelmaking,
Metallurgical Transactions B, vol. 17B, September 1986, pp. 449-459.

8. Manual da Válvula Gaveta da Panela, Dados Operacionais da Vallourec &

Mannesman Tubes, 2007.
9. MARTINS, V. V. Estudo de Uma Planta Piloto: Controle da Temperatura Em

Função da Vazão, Monografia – Engenharia de Controle e Automação,
Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2006.

10. MIPEL. Manual Mipel: Manual para Seleção, Instalação, Uso e Manutenção

de Válvulas de Bronze. Disponível em: <
http://www.mipel.com.br/homeport/manualpdf/11-12-13-14-15.pdf> Acesso em 30
de agosto de 2007.

11. OGATA, K. Engenharia de Controle Moderno. 3ª ed, Rio de Janeiro: Livros

Técnicos e Científicos, Editora S.A., 2000.
12. OZGU, M. R. Casting Volume, Chapter 20: Instrumentation, The AISE Steel

Foundation, Pittsburg, PA, 2003.
13. ROCHA, R. Metrologia – A Ciência da Medição, Universidade Federal de Ouro

Preto, Ouro Preto, 2006.

 43

14. SCHADE, J. H., O’MALLEY, R., KEMENY, F., SAHAI, Y. and ZACHARIAS, D.

J. Casting Volume, Chapter 13: Tundish Operations, The AISE Steel Foundation,
Pittsburg, PA, 2003.

15. TONIATI, A. e NASCIMENTO, R. M. Otimização do Sistema de Controle do

Nível de Aço do distribuidor do Lingotamento Contínuo da Companhia
Siderúrgica de Tubarão (CST), UCL – Faculdade Centro Leste, Serra – ES, 2004.

16. YEH, J. L., HWANG, W. S. and CHOU, C. L. Physical modeling validation of

computational fluid dynamics code for tundish desing, Ironmaking and
Steelmaking, vol. 19, Nº 6, 1992, pp. 501-504.