novum_organum
254 pág.

novum_organum


DisciplinaFilosofia e Ética2.555 materiais75.771 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Dessa forma, essas cintilações, devido ao peso do corpo em 
ignição, tendem mais para baixo que para cima, e, depois de extintas, resultam 
numa espécie de grãos de fuligem. 
22. (Em oposição à décima sexta instância.) Pensamos não haver negativa a 
ser oposta a essa instância. Não há entre nós corpo tangível (ou palpável) que 
manifestamente não se aqueça pelo atrito. Tanto que os antigos imaginaram que 
os corpos celestes não tinham outro caminho ou possibilidade de aquecimento 
que o atrito do ar provocado pela sua rápida rotação.7 4 Neste assunto deve ainda 
ser investigado se os corpos arruinados por máquinas, como as balas dos 
canhões, pela própria percussão contraem algum grau de calor, que depois de 
caídas ainda conservam, O ar agitado antes se resfria que aquece, como se 
observa nos ventos, com o fole e com o sopro forte da boca. Mas tais 
movimentos não são suficientemente rápidos a ponto de provocarem calor e 
trata-se de movimentos do todo e não partículas, daí não ser de estranhar por 
não haver ocorrência de calor. 
23. (Em oposição à décima sétima instância.) A respeito desta instância, é 
necessária uma investigação mais acurada. Com efeito, tudo indica que as ervas 
e os vegetais verdes e úmidos encerram uma espécie de calor oculto. Mas é algo 
tão tênue que em nenhuma planta isolada é perceptível ao tato, mas só depois de 
reunidas e fechadas, e de tal forma que as suas exalações não se comuniquem 
com o ar exterior, mas se misturem entre si, é que surge um calor perceptível e 
às vezes flamas, se a matéria a tanto se presta. 
24. (Em oposição à décima oitava instância.) Também a respeito desta 
instância é necessária uma investigação mais acurada. De fato, parece que a cal 
viva, quando aspergida de água, produz calor, ou pela concentração do calor 
que antes estava disperso (tal como se diz ocorrer com as ervas abafadas) ou 
pela irritação ou exasperação do espírito do fogo, em contato com a água, que 
provoca uma espécie de conflito e antiperístase.7 5 Para se saber qual das duas é 
a verdadeira causa, basta colocar-se óleo no lugar da água. O óleo vale tanto 
quanto a água para concentrar o espírito encerrado, mas não para irritá-lo. E o 
experimento deve ser ampliado às cinzas e aos resíduos de diversos corpos e 
fazendo-se uso de vários líquidos. 
25. (Em oposição à décima nona instância.) A esta instância se opõe a 
negativa de alguns metais que são mais moles e instáveis. Assim, as lâminas de 
ouro dissolvidas pela água-régia 7 6 não provocam qualquer calor ao tato quando 
dessa operação, o mesmo se dando com o chumbo quando dissolvido em água-
forte 77 e, pelo que recordamos, também com o mercúrio. Mas a prata provoca 
algum calor e também o cobre, pelo que me lembro, e ainda de forma mais 
manifesta o estanho, e os que vão mais longe são o ferro e o aço, que não só 
produzem um forte calor ao se dissolverem como também uma violenta 
ebulição. Dessa forma, tudo parece indicar que o calor se produz pelo conflito, 
graças ao qual a água forte penetra, funde e desprende as suas partículas, 
enquanto o corpo, por seu turno, resiste. Mas, quando os corpos cedem com 
facilidade, a custo se produz o calor. 
26. (Em oposição à vigésima instância.) Não se podem opor instâncias 
negativas ao calor dos animais e nem tampouco ao dos insetos em vista das 
reduzidas dimensões de seus corpos, como antes já foi dito.7 8 Com efeito, os 
peixes, comparados com animais terrestres, apresentam algum grau de calor, em 
lugar de sua absoluta ausência. Nos vegetais e nas plantas não se observa 
qualquer grau de calor perceptível ao tato, o mesmo acontecendo em relação às 
suas resinas e à sua medula recentemente aberta. Todavia, nos animais observa -
se uma grande variedade de calor, tanto em suas partes (de fato, não é o mesmo 
o calor do coração, o do cérebro e o das partes externas do corpo) quanto em 
seus estados acidentais, como nos exercícios veementes ou nas febres. 
 27. (Em oposição à vigésima primeira instância.) A esta instân cia é 
muito difícil opor-se uma negativa. Pois mesmo os excrementos animais não 
recentes têm manifestamente um calor potencial, como pode ser verificado pelo 
untamento do solo. 
28. (Em oposição à vigésima segunda e vigésima terceira instân cias.) Os 
líquidos (chamem-se águas ou óleos) que têm grande e intensa acidez operam 
com o calor na fragmentação dos corpos e queimam-nos depois de algum 
tempo. Mas em princípio não são quentes quando em contato com a mão. Agem 
por analogia 79 e segundo a porosidade dos corpos com os quais se unem. De 
fato, a água-régia dissolve o ouro, mas não a prata; por outro lado, a água-forte 
dissolve a prata, mas não o ouro. E nem um nem outro dissolve o vidro. O 
mesmo acontecendo com os demais. 
29. (Em oposição à vigésima quarta instância.) Faça-se experimento com o 
espírito do vinho sobre madeira, ou sobre manteiga, cera ou peixe, para verificar 
se o seu calor os liquefaz e até que ponto. De fato, a instância vinte e nove 
mostra que este espírito tem um poder análogo ao do calor, em relação às 
incrustações. Por isso deve ser feito o mesmo experimento para a liquefação. 
Proceda-se também com o vidro graduado,80 côncavo na extremidade superior 
externa. Coloque-se nessa cavidade exterior o espírito do vinho bem retificado e 
tampe-se para que melhor retenha o calor e observe-se se o seu calor faz descer 
o nível da água.8 1 
30. (Em oposição à vigésima quinta instância.) As ervas aromáticas e as ervas 
ácidas são cálidas ao paladar e isso é mais sentido nas partes internas do 
organismo. Por isso é necessário que se verifique em quais outras matérias 
igualmente provocam calor. Contam os navegantes que quando se abrem 
subitamente montes ou maços de ervas aromáticas, guardados durante muito 
tempo, os primeiros que as movem ou pegam correm perigo de febres ou de 
inflamações.8 2 Igualmente poder-se-ia fazer experimento com o pó dessas ervas 
para verificar se seca o toucinho e a carne, como a fumaça do fogo. 
31. (Em oposição à vigésima sexta instância.) A acidez ou força penetrante 
também pode ser encontrada seja em corpos frios, como o vinagre e o óleo de 
vitríolo, seja em corpos quentes como o óleo de orégão e outros semelhantes. 
Tanto uns como outros provocam dor nos animais e nos corpos inanimados, 
fundem e consomem suas partes. A isso não se opõe instância negativa, pois nos 
corpos animados não ocorre dor sem alguma dose de calor. 
32. (Em oposição à vigésima sétima instância.) O frio e o calor têm muitas 
ações em comum, ainda que em formas e proporções diferentes. Com efeito, 
mesmo a neve parece queimar, depois de algum tempo, as mãos das crianças e o 
frio preserva as carnes da putrefação 8 3 tanto quanto do fogo. E, tanto quanto o 
frio, o calor contrai os corpos. Mas na verdade é mais oportuno tratar deste 
assunto e de outros semelhantes quando da investigação do frio.8 4 
XIII 
Em terceiro lugar, é necessário fazer-se citações perante o intelecto 8 5 das 
instâncias cuja natureza, quando investigada, está presente em mais ou em 
menos, seja depois de ter feito comparação do aumento e da diminuição em um 
mesmo objeto, seja depois de ter feito comparação em objetos diversos. Pois 
sendo a forma de uma coisa a coisa em si mesma 86 e posto que a coisa difere da 
forma tanto quanto difere a aparência da existência, o exterior do interior e o 
relativo ao homem do relativo ao universo,8 7 segue-se necessariamente que se 
não pode tomar uma natureza pela verdadeira forma, a não ser que sempre 
decresça quando decresce a referida natureza e, igualmente, sempre aumente 
quando aumenta a natureza. A esta tábua denominamos Tábua de Graus ou de 
Comparação . 
 
Tábua