A Filosofia Árabe
28 pág.

A Filosofia Árabe


DisciplinaFilosofia da Educação6.342 materiais216.272 seguidores
Pré-visualização2 páginas
os cristãos de Astúrias 
e Mouros originaram a chamada Reconquista. 
\uf0a7 Em 1805 a cidade de Toledo (Espanha), um dos principais 
núcleos da cultura árabe foi retomada pelo Rei Afonso VI de 
Castela e as obras de pensadores como Al-Farrabi, Avicena 
posteriormente Averróis começam a ser traduzidas para o 
latim. 
\uf0a7 A tradução da obra de Aristóteles inicialmente do 
árabe para o latim foi o principal ponto de partida 
de sua influência no mundo europeu. 
 
 
 
 
ARISTOTELISMO X PLATONISMO 
 
\uf0a7 Nos sécs.XII-XIII, o interesse pelas obras de 
Aristóteles \u2013 Metafísica, Tratados de Lógica, 
Tratados de Física, Biologia e Astronomia, 
cresceu progressivamente. 
\uf0a7 Devido a quase predominância do pensamento platônico 
cristão, influenciado por Santo Agostinho e seus seguidores, 
bem como em menor escala, pela obra de Escoto Erígena e 
do Pseudo-Dionísio, o pensamento de Aristóteles passou a 
ser visto como problemático e herético. 
\uf0a7 Em 1277, o bispo de Paris condenou o \u201caverroísmo\u201d 
proibindo seu ensinamento nas universidades, o mesmo 
acontecendo em Oxford. 
\uf0a7 São Tomás de Aquino desenvolveu um sistema 
compatibilizando o aristotelismo ao cristianismo. 
\uf0a7 O surgimento do aristotelismo cristão, cuja importância 
nos últimos séculos da Idade Média equivaleu ao 
platonismo cristão nos primeiros séculos. 
\uf0a7 Os tradutores e comentadores muçulmanos, bem como 
os latinos, dentre eles o próprio São Tomás de Aquino 
tendiam a atribuir à obra de Aristóteles uma unidade e 
organicidade que esta não possuía, o que influenciou 
nossa visão de filosofia. Apenas recentemente, já no 
séc.XX, essa posição foi revista. 
RAZÃO E FÉ 
Os mil anos da Idade Média foram marcados pela 
síntese (união) entre a fé (teologia) e a razão 
(filosofia). Ou seja, os filósofos buscaram na 
filosofia o que era necessário para provar a 
existência de Deus e os dogmas da Igreja. 
REFERÊNCIAS: 
MARCONDES, Danilo. Iniciação à história da 
filosofia. Dos pré-socráticos a Wittgenstein. Rio de 
Janeiro: Zahar, 2006 
www.ronaud.com. Acesso em 03/05/2012. 15:00 hs. 
http://www.filosofia2d.8m.com/rich_text_6.html . Acesso 
em 04/05/2012 10:00 hs.