cravo
155 pág.

cravo

Disciplina:Lingotamento Contínuo de Aços29 materiais60 seguidores
Pré-visualização30 páginas
e 5.14, que

apresentam valores médios de cerca de 6 replicatas; o significado das legendas pode ser

encontrado na Tabela 8.

Comparativo "C"
(quente vs frio)

0
0,01
0,02
0,03
0,04
0,05

Sequencias

V
al

o
r

d
e

"C
"

8015120 frio

8015120 quente

8022120 frio
8022120 quente

8015160 frio

8015160 quente
8022160 frio

8022160 quente

10015150 frio
10015150 quente

10022150 frio

10022150 quente
10015200 frio

10015200 quente

10022200 frio
10022200 quente

Figura 5.13: Gráfico comparativo dos valores experimentais de “C” para os testes realizados a quente

e a frio.

Comparativo Tmin 0,02
(quente vs frio)

0
10
20
30
40
50
60

Sequencias

T
m

in
 0

,0
2

(s
)

8015120 frio

8015120 quente

8022120 frio
8022120 quente

8015160 frio

8015160 quente
8022160 frio

8022160 quente

10015150 frio
10015150 quente

10022150 frio

10022150 quente
10015200 frio

10015200 quente

10022200 frio
10022200 quente

 Figura 5.14: Gráfico comparativo dos valores experimentais de Tmin 0,02 para os testes realizados a

quente e a frio.

 88

5.2.1 – Análise da Influência de Algumas Variáveis de Operação Sobre Comprimento da

Placa de Mistura

Algumas variáveis operacionais de lingotamento contínuo interferem de forma significativa

na extensão do processo de mistura e, conseqüentemente, no comprimento final da placa de

mistura. Assim sendo, conhecer as influências dessas variáveis no procedimento de troca de

qualidades pode contribuir de forma significativa para minimizar o descarte, promovendo

ganhos de rendimento na Aciaria. Dentre as variáveis de lingotamento contínuo, as principais

que interferem diretamente na mistura de aços, conforme Huang e Thomas (1996), Silva e

colaboradores (2003), Costa e colaboradores (2004) e Yu e Dickinson (2005), são o peso de

aço no distribuidor no momento da troca de qualidades, a taxa de enchimento do distribuidor,

taxa de extração da placa (throughput) e projeto do distribuidor. A variável, projeto do

distribuidor, não é objeto deste estudo, pois o modelo gerado considera o projeto de

distribuidor atual da máquina de lingotamento contínuo nº1 da CST.

A seguir serão apresentados os resultados encontrados através de simulações realizadas no

modelo matemático, avaliando o efeito das principais variáveis citadas e, influência do

“holding” e gradiente de temperatura entre as corridas.

5.2.1.1 – Influência do Peso de Aço do Distribuidor no Comprimento da Placa de

Mistura

Uma das variáveis que mais influenciam a extensão da zona de mistura no distribuidor

durante lingotamento contínuo com troca de qualidade é o peso de aço no distribuidor no

momento da abertura da panela contendo a corrida seguinte. Esse peso de aço define o

volume inicial no modelo matemático elaborado e, conseqüentemente, os volumes de cada

uma das regiões de escoamento pistão, morto e mistura.

Na prática industrial procura-se abaixar ao máximo o volume de aço no distribuidor no

momento de se iniciar a mistura, sem, contudo correr risco de formação de vórtex e,

consequentemente, de passagem de escória do distribuidor para o molde. Esse risco é que

limita o volume mínimo de aço no distribuidor para realização da troca de qualidades no

lingotamento contínuo.

 89

Para o projeto atual do distribuidor da máquina de lingotamento contínuo nº1 foram simuladas

três situações de volume de aço no distribuidor no momento de abertura da nova panela.

Conforme demonstrado na Tabela V.21

Tabela V.21: Dados utilizados nas simulações para avaliar a influência do peso de aço no

distribuidor no comprimento da placa de mistura

SIMULAÇAO 1 2 3

Volume mínimo distribuidor [t] 15 22 30

Volume Trabalho Distribuidor [t] 45 45 45

Velocidade lingotamento [m/min] 1,5 1,5 1,5

Espessura [mm] 225 225 225

Largura [mm] 1200 1200 1200

Superaquecimento[ºC] 0,0 0,0 0,0

Taxa reenchimento 3,0 3,0 3,0

Holding, ao volume minimo [s] 0,0 0,0 0,0

Constante solidificação [mm2min-1] 26 26 26

A Figura 5.15 apresenta as curvas obtidas para as diferentes condições de simulação propostas

na tabela XXVII.

0

0,1

0,2

0,3

0,4

0,5

0,6

0,7

0,8

0,9

1

0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 18,0 20,0 22,0 24,0 26,0 28,0 30,0 32,0 34,0 36,0 38,0 40,0 42,0 44,0 46,0 48,0 50,0

Comprimento (m)

C
o

n
ce

n
tr

aç
ão

 N
o

rm
al

15 t DIST

22 t DIST

30 t DIST

15 t

22 t

30 t

Figura 5.15: Análise da Influência do peso de aço no distribuidor no comprimento da mistura, curvas

de distribuidor e molde.

 90

Conforme pode ser observado na Figura 5.15, a medida que diminui-se o volume de aço no

distribuidor no momento de abertura da nova panela a transição no distribuidor se torna mais

brusca. Deve-se notar, entretanto que qualquer modificação provinda do distribuidor tende a

ser diluída no aço contido na poça líquida no molde. Deste modo a transição mais brusca no

distribuidor pode não ser transmitida com a mesma intensidade para o molde. Este seria o

caso desta análise. Pode-se observar que a diminuição do volume do aço no distribuidor no

momento de abertura da nova panela, gera, tanto no distribuidor (de forma mais intensa)

quanto no molde uma diminuição no comprimento da placa de mistura. Isso pode ser melhor

observado pelos resultados numéricos provenientes do modelo (assumindo que a placa de

transição se encontra entre os limites F=0,2 e F=0,7) : para o caso onde o volume mínimo de

aço no distribuidor atingido foi de 15 t o comprimento da placa de mistura seria de 21,75

metros; por outro lado, para volumes mínimos de 22 e 30t seriam observados resultados de

22,05 e 22,25 metros respectivamente. Esta pequena diferença deve ser creditada à diluição

do aço provindo do distribuidor naquele contido na poça de líquido no molde, que pode ser

bastante longa. Até o presente momento foi assumido que todo o líquido no molde participa

efetivamente no processo de mistura, o que amplifica o poder de diluição da poça.

 Assim sendo, deve-se visar realizar o procedimento de troca de qualidades no lingotamento

contínuo com o menor volume de aço no distribuidor, para assim, minimizar o descarte. Os

mesmo tipo de resultado foi encontrado por Huang e Thomas (1996), Silva e colaboradores

(2003), Costa e colaboradores (2004).

5.2.1.2 – Influência da Taxa de enchimento do Distribuidor no Comprimento da Placa

de Mistura

A taxa de enchimento do distribuidor também pode ter um efeito significativo na troca de

qualidades no distribuidor durante a operação de lingotamento contínuo. Esta representa a

razão entre vazões volumétricas correspondentes ao novo aço que está entrando no

distribuidor e do aço antigo que vai deixando o mesmo.

A Tabela V.22 apresenta os valores utilizados para a simulação para analisar a influencia da

taxa de reenchimento no comprimento da placa de mistura.

 91

Tabela V.22: Dados utilizados nas simulações para avaliar a influência da taxa de

reenchimento de aço no distribuidor no comprimento da placa de mistura

SIMULAÇAO 1 4

Volume mínimo distribuidor [t] 15 15

Volume Trabalho Distribuidor [t] 45 45

Velocidade lingotamento [m/min] 1,5 1,5

Espessura [mm] 225 225

Largura [mm] 1200 1200

Superaquecimento[ºC] 0,0 0,0

Taxa reenchimento 3,0 1,5

Holding, ao volume mínimo [s] 0,0 0,0

Constante solidificação [mm2min-1] 26 26

A Figura 5.16 apresenta os resultados das simulações.

0

0,1

0,2

0,3

0,4

0,5

0,6

0,7

0,8

0,9

1

0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0

Comprimento (m)

C
on

ce
nt

ra
çã

o
N

or
m

al
iz

ad
a

3 x DIST

1,5 x DIST

3 x

1,5 x

Figura 5.16: Análise da Influência da taxa de reenchimento de aço no distribuidor no comprimento da

mistura, curvas de distribuidor e molde.

Os resultados encontrados, apresentados na Figura 5.16, mostram que apesar de uma pequena

diferença na curva de mistura do distribuidor a taxa de reenchimento do distribuidor não tem

influência