Sociologia J. - Anotação (17)
9 pág.

Sociologia J. - Anotação (17)

Disciplina:Sociologia Jurídica e Judiciária1.788 materiais14.431 seguidores
Pré-visualização3 páginas
PREPARATÓRIO PARA OAB

Professor: Dr. Carlos Toledo

DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO

Capítulo 7 Aula 2

LICITAÇÕES

Coordenação: Dr. Carlos Toledo

01

Licitações: O Procedimento

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A

violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do

material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”

www.r2direito.com.br

Modalidades de licitação

As licitações podem ser realizadas em diversas modalidades, cada qual adequada ao objeto que será

licitado. Em seu artigo 22, a lei relaciona as diversas modalidades existentes. Para facilitar, vamos dividi-las

em grupos:

Modalidades básicas

- Para aquisições:

- Concorrência

- Tomada de preço

- Convite

- Para alienações:

- Concorrência

- Leilão

Há também modalidades que são utilizadas para fins específicos. Vejamos quais são:

Modalidades destinadas a fins específicos:

- Concurso: para escolha ou premiação de trabalho técnico, artístico ou científico;

- Pregão: modalidade para aquisição de bens e serviços considerados comuns, prevista em legislação

especial (Lei 10.520/2002)

Para escolha das modalidades, é necessário seguir o que dispõe a Lei de Licitações, tendo em vista o objeto a

ser licitado (alienações ou aquisições) e o valor do contrato. E ainda há aquelas que são destinadas para

finalidades específicas o concurso e o pregão.

Aula 2

02

Escolha da modalidade nas aquisições

Para adquirir um bem, contratar um serviço, realizar uma obra, uma reforma, deve ser observado o valor da

contratação. Observe a tabela abaixo, baseada no art. 23 da Lei de Licitações:

É importante observar que quanto mais alto o valor da contratação, mais exigente e complexo será o

procedimento. O convite é a mais simples das modalidades. A tomada de preço tem exigência mediana e a

concorrência é o procedimento mais completo, mais exigente, mais formal.

Essa observação é importante, pois o administrador não pode burlar as modalidades previstas em lei. Por

exemplo: se a contratação for de uma obra de valor acima de um milhão e meio a Administração deve

promover a concorrência. Se escolher a tomada de preços ou o convite, a licitação será viciada, sujeita a

anulação.

Se, ao contrário, a contratação for pequena, de valor que possibilitaria o uso da modalidade mais simples, a

lei permite que a Administração escolha a modalidade mais exigente; o que não ocasiona prejuízo algum,

podendo até ser uma cautela a mais.

Escolha das modalidades referentes à alienação

Observe o esquema, que sintetiza as regras previstas nos arts. 17, § 6º, 19 e 23, §3º da Lei de Licitações:

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A

violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do

material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”

www.r2direito.com.br

MODALIDADE VALOR

Convite Para compras e serviços: até R$ 8.000,00

Para obras e serviços de engenharia: até R$

15.000,00

Tomada de Preços Para compras e serviços: até R$

650.000,00

Para obras e serviços de engenharia: até R$

1.500.000,00

Concorrência Para compras e serviços: acima de R$

650.000,00

Para obras e serviços de engenharia: acima

de R$ 1.500.000,00

MODALIDADE CIRCUNSTÂNCIA

Concorrência - Bens imóveis: é a regra geral

- Bens móveis: para o bem ou lote que

superar R$ 650.000,00

Leilão - Bens imóveis: apenas os adquiridos em

procedimento judicial ou dados em

pagamento

- Bens móveis: para o bem ou lote de valor

inferior a R$ 650.000,00

03

Aqui, como podemos perceber, a escolha não depende apenas do valor. No caso dos bens imóveis, a regra

geral é a concorrência, sendo a exceção aqueles bens imóveis que são adquiridos geralmente no

pagamento de dívidas, em que há o interesse em converter rapidamente o imóvel em dinheiro. Tudo isso é

tirado da combinação dos artigos 17, § 6º, 19 e 23, §3º da Lei de Licitações.

Observe ainda o seguinte: sempre é possível utilizar a modalidade mais exigente, ou seja, a concorrência.

Ademais, a concorrência será a modalidade obrigatoriamente escolhida, independentemente do valor, nos

seguintes casos:

Concorrência obrigatória:

- Compra de bens imóveis.

- Concessão de concessão de direito real de uso.

- Licitações internacionais.

- Registro de preços

- Concessão e permissão de serviços públicos

- Celebração de Parcerias Público-Privadas"

Escolha das modalidades especiais

O concurso: é uma modalidade que é destinada à escolha ou premiação de trabalho técnico, artístico ou

científico (Lei 8.6666/93, art. 22, § 4º).

O pregão: é a modalidade indicada para aquisição de bens e serviços considerados comuns e é regulado

pela Lei 10.520/2002, que considera esses bens e serviços como "aqueles cujos padrões de desempenho e

qualidades possam ser objetivamente definidos no edital, por meio de especificações usuais no mercado"

(art. 1º, § único).

Veja que nesse caso que não há necessidade de observar o valor da contratação. Seja qual for o seu valor,

pode ser usado o pregão, desde que o bem ou serviço seja comum, tal como a lei tentou definir.

Fases da licitação

Antes de iniciado o procedimento licitatório propriamente dito, a Administração deve ter desenvolvido

diversos trabalhos preparatórios: a solicitação da aquisição daquele objeto, a avaliação do custo da

contratação, a reserva dos recursos orçamentários, a autorização para a abertura da licitação pela

autoridade competente, a nomeação da comissão de licitação e a elaboração do instrumento convocatório.

Esses procedimentos preparatórios são referidos geralmente como a fase interna da licitação.

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A

violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do

material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”

www.r2direito.com.br

04

Ultrapassada essa fase interna, o procedimento licitatório, propriamente dito, poderá ser dividido nas

seguintes fases:

Fases da licitação

1 - Edital

2 - Habilitação

3 - Julgamento

4 - Homologação

5 - Adjudicação

Fase do edital

O início da licitação se dá sempre pela divulgação de um instrumento convocatório, sendo que por ser mais

comum o edital, tornou-se comum chamar essa fase de "fase do edital"

E no que consiste essa fase? Na fase do Edital a Administração:

- Divulga a abertura de processo licitatório

- Fixa requisitos de participação

- Define o objeto e as condições básicas do contrato

- Convida os interessados a apresentar propostas

O instrumento convocatório deve:

- ser claro e completo (vide art. 40 da Lei 8.666/93);

- ser objetivo (não direcionado a um destinatário ou a uma marca)

- ser publicado (art. 21 da Lei 8.666/93 exceção: a modalidade convite, na qual é enviada uma carta, a

chamada carta-convite, que substitui o edital)

O edital, como vimos deve ser claro e completo e não poderá direcionar a licitação. Um eventual vício do

Edital comprometerá todo o procedimento, podendo obrigar a Administração a começar tudo do início.

Por essa razão, a Lei de Licitações prevê as formas e prazos de divulgação do instrumento convocatório (art.

21 da Lei 8.666/93) e estabelece prazos para a impugnação do edital, seja pelo participante seja por

qualquer cidadão (art. 41 da Lei 8.666/93 e art. 4º, incisos I e V da Lei 10.520/2002").

Se houver necessidade de modificação do instrumento convocatório,