Jurisprudência Nascituro (3)
526 pág.

Jurisprudência Nascituro (3)

Disciplina:Teoria Geral do Direito Privado I20 materiais121 seguidores
Pré-visualização50 páginas
múltipla um máximo de 4 (quatro) embriões é implantado (item I.6 das Normas Éticas
para a Utilização das Técnicas de Reprodução Assistida, baixadas pela Resolução n°
1.358/1992 do CFM - Conselho Federal de Medicina), não é raro haver embriões
excedentes (óvulos fertilizados com sucesso e que não podem ser implantados).

Estes embriões excedentes podem ser divididos em três grupos:
embriões de boa qualidade, de média qualidade e embriões inviáveis para fins de
reprodução. Os de alta qualidade e os de média qualidade, considerados viáveis para
fins de reprodução, são em geral congelados para aproveitamento futuro (é comum a
paciente não engravidar em um ciclo, vindo a tentar novamente a gravidez com os
embriões que foram congelados ou simplesmente desejar um segundo filho se a
primeira tentativa foi bem sucedida). Os inviáveis são simplesmente descartados como
lixo biológico (BACZKOWSKI et al. Methods of embryo scoring in in vitro
fertilization, in Reproductive Biology, v. 4. n° 1. págs. 5 a 22). No Brasil não é
diferente, a despeito da proibição constante de norma deontológica (Item V, 2, das
Normas Éticas Para a Utilização das Técnicas de Reprodução Assistida - Resolução n°
1.358/1992 do Conselho Federal de Medicina).

Daí se vê a importância dos métodos de classificação embrionária na
fertilização in vitro, porque é através deles que se determina o destino dos embriões
produzidos.

O critério mais comum é o morfológico e abrange o exame do aspecto
do embrião nas fases de zigoto, de suas primeiras divisões e de blastocisto.

ADI 3.510/DF
Na fase do zigoto (assim chamado o óvulo imediatamente após a

fecundação e antes de suas primeiras divisões), o estudo de Van Blerkom encontrou
relação entre as taxas de gravidez e a simetria e dimensões do pronúcleo, e também o
número e a localização dos nucléolos. Scott e Tesarik se dedicaram à formulação de
critérios classificatórios baseados nesses dados (cf. SCOTT et al. Morphology of
human pronuclear embryos is positively related to blastocyst development and
implantation, in Human Reproduction v. 15, 2000, págs. 2.394 a 2.403; TESARIK et al.
Embryos with high implantation potential after intracytoplasmic sperm injection
can be recognized by a simple, non-invasive examination of pronuclear
morphology. in Human Reproduction v. 15, 2000, pégs. 1,396 a 1.399).

Nas primeiras divisões do embrião (24 a 28 horas após a inseminação
(FIV ou ICSI), a observação se volta para a simetria, a fragmentação e o número de
células. Um embrião considerado de boa qualidade para fins de reprodução deve ter
pelo menos 4 células (blastômeros) no segundo dia e 8 no terceiro. Há critérios com
quatro e cinco graduações. No Brasil, Donadio e outros (Caracterização da
inviabilidade evolutiva de embriões visando doações para pesquisa de células-
tronco, in Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2005; 27(11): 665-71)
adotam um critério de 4 graduações, A, B, C e D, conforme os embriões sejam,
respectivamente, aqueles simétricos e sem fragmentação; assimétricos ou com até
25% de fragmentação; com 25 a 50% do seu volume ocupado por fragmentos; e
aqueles com 50% ou mais de fragmentação. A página da Clínica Magarinos Torres
mostra critério similar, com fotografias (Disponível em:
<http://www.bebedeproveta.com/transferencia.htm>). Por sua vez, o trabalho de Veeck
(Atlas of human gametes and conceptuses, 1988) é exemplo de critério com 5
graduações, que também se vale do tamanho dos blastômeros.

Por fim, o embrião na fase de blastocisto (cerca de 4 ou 5 dias após a
fecundação) apresenta características peculiares, como a formação de uma massa
central e uma concentração periférica de células e, em conseqüência, a sua análise
morfológica pode utilizar outras observações, como a dureza do trofectoderma e a
compactação. Nesse sentido, Garner e outros (Blastocyst score affects implantation

ADI 3.510 /DF
and pregnancy outcome: towards a single blastocyst transfer in Fertility and
Sterility 73. pegs. 1.155 a 1.158) propõem uma classificação que leva em conta a
massa central (ICM - inner cell mass), o número de células no trofectoderma e a
compactação do blastocisto.

Ainda que esses critérios tenham sido desenvolvidos para serem
utilizados de forma autônoma, é praxe das clínicas de fertilização a sua conjugação
como forma de obter uma seleção mais rígida.

Mais recentemente, os especialistas têm dedicado atenção à velocidade
de divisão do zigoto, critério que tem se mostrado bastante promissor para se chegar a
uma identificação precisa de viabilidade (VAN MONTFOORT et al. Early cleavage is a
valuable addition to existing embryo selection parameters: a study using single
embryo transfers in Human Reproduction v. 19, 2004. págs. 2.103 a 2.108;
TERRIOU et al. Relationship between even early cleavage and day 2 embryo score
and assessment of their predictive value for pregnancy in Reproductive
Biomedicine Online v.14, 2007. págs. 294 a 299).

E essa identificação precisa da viabilidade é exatamente a meta dos
profissionais da reprodução assistida, uma meta que está cada vez mais próxima e que
possibilitará que se alcance a gravidez com a transferência de um único embrião,
evitando-se os riscos e as inconveniências da gravidez gemelar ou múltipla.

Não é difícil perceber, todavia, que com a maior precisão na
identificação da viabilidade e com a possibilidade da transferência de apenas um único
embrião para o útero da paciente, um número ainda maior que o atualmente existente
de embriões estará fadado ao congelamento, a não ser que os métodos de obtenção
de óvulos sejam igualmente otimizados.

Esse prognóstico não é animador porquanto indica aumento futuro do
número de embriões em criogenia e, em conseqüência, do número de embriões
desviados de seu destino original.

Em paralelo às próprias técnicas de reprodução assistida, um outro
serviço é oferecido rotineiramente pelas clínicas do ramo; o diagnóstico genético pré-
implantação. A PGD (da sigla em inglês para Reimplantation Genetio Diagnosis) é

ADI 3.510/DF
uma técnica que permite extrair uma única ou duas células de um embrião gerado in
vitro de modo a submetê-la a um teste genético que é capaz de identificar algumas
anomalias, todas cromossomiais e normalmente relacionadas com a formação dos
gametas, isso sem a destruição do embrião.

A técnica é utilizada no embrião que se encontra em suas primeiras
divisões, quando suas poucas células são chamadas de blastômeros. Para fins de
diagnóstico e quando não submetida a um exame na própria clinica de reprodução, a
célula é desidratada e enviada em uma placa para o laboratório de análise.

No padrão atual, é possível identificar vários tipos de anomalias, como
monoploidias (23 cromossomos em lugar de 46 cromossomos), pluriploidias (triploidias
- 69 cromossomos em lugar de 46 - e tetraploidias - 92 cromossomos em lugar de 46)
e aneuploidias. Estas, ao contrário das demais, e talvez por não envolverem alterações
numéricas em todos os pares de cromossomos, não impedem o nascimento com vida e
geram indivíduos com síndromes bem identificadas.

As mais comuns, e que podem ser diagnosticadas através da PGD, são
a monossomia do cromossomo sexual, e que leva à síndrome de Turner (presente
apenas o item X, nascem apenas indivíduos do sexo feminino); e as trissomias. Estas
são: (i) a trissomia do cromossomo 13 (síndrome de Edwards); (ii) a trissomia do
cromossomo 18 (síndrome de Patau); (iii) a trissomia do cromossomo 21 (síndrome de
Down); e (iv) as trissomias do cromossomo sexual: (a) a sindrome de Klinefelter
(cromossomo sexual XXY) e (b) a presença de um cromossomo sexual com a
composição XXX.

A página da autoridade inglesa responsável pela regulamentação das
clínicas de reprodução e da pesquisa com embriões (Human Fertilisation and
Embriology Authority - HFEA) mostra uma lista de 63 tipos de anomalias genéticas
identificáveis através de PGD. Os métodos utilizados para o exame do blastômero