Refino_do_Petroleo
109 pág.

Refino_do_Petroleo


DisciplinaRefino de Petróleo87 materiais380 seguidores
Pré-visualização21 páginas
mais conhecidos são: 
 
\u2022 Anéis de Raschig; 
\u2022 Selas de Berl; 
 38 
\u2022 Selas Intalox; 
\u2022 Anéis de Pall; 
\u2022 IMTP. 
 
Os dois primeiros são os recheios mais antigos, e vem sendo substituídos 
gradualmente por recheios mais eficientes. A sela Intalox é uma versão mais nova 
da sela de Berl. Os anéis de Pall são os recheios mais usados na destilação, pela 
grande eficiência, flexibilidade e capacidade. Por fim, o IMTP (Intalox Metal Tower 
Packing), patente da Norton, é considerado mais eficiente que os anéis de Pall. 
Em relação aos recheios IMTP, eles apresentam seis tamanhos (15 ao 70), 
sendo que o menor proporcionará uma maior eficiência e o maior obterá uma 
maior capacidade e menor perda de carga. 
Na figura 15 é mostrado o recheio randômico IMTP. 
 
Figura 15: Recheio Randômico (IMTP). 
 
3.4.2.2: Recheio Estruturado 
 
Os recheios estruturados devem ser colocados na torre de uma forma 
ordenada ou arrumada. Dividem-se entre os tradicionais e os de alta eficiência. 
A diferença entre os dois é a baixa perda de carga que os de alta eficiência 
causam, além da elevada taxa de transferência de massa. São recheios muito 
caros. 
Os recheios estruturados normalmente são denominados por um número 
acrescido de X ou Y, por exemplo 250Y. O número representa a área do recheio, 
enquanto a letra representa o ângulo (X = 30° e Y = 45°) da inclinação da 
 39 
corrugação do recheio. Na figura 16 é mostrado um exemplo de recheio 
estruturado. 
 
 
Figura 16: Recheio Estruturado. 
 
3.4.3: Componentes e Seções da Coluna de Destilação Convencional 
 
3.4.3.1: Componentes da Coluna 
 
Na figura 17 observa-se os três componentes adicionais de uma coluna: o 
condensador, o tambor de refluxo e o refervedor. 
 
 
Figura 17: Esquema de uma Coluna de Destilação. 
 40 
O vapor que sai da coluna, pelo seu topo, é condensado total ou 
parcialmente no condensador de topo. O condensado (junto com um eventual 
vapor em caso de não totalidade na condensação) vai para o tambor de topo (ou 
de refluxo). Parte do líquido frio retorna para a torre através de uma bomba, 
passando a ser chamado de refluxo, sendo sua vazão controlada por uma válvula 
que permite controlar a temperatura no topo da coluna. A outra parte do 
condensado é o produto de topo, chamado de destilado. 
O liquido que sai pelo fundo da coluna é enviado a um trocador de calor, 
chamado de refervedor, onde ocorrerá vaporização de parte deste líquido. Os 
vapores formados serão fonte de calor para a coluna, permitindo a revaporização 
dos componentes mais leves dos líquidos que descem para a seção inferior, com 
a conseqüente condensação dos componentes mais pesados desse vapor. A 
parte não vaporizada constituirá o produto de fundo (resíduo). 
 
3.4.3.2: Seções da Coluna de Destilação 
 
A coluna de destilação pode ser dividida em três partes: zona de flash, 
seção de absorção e seção de esgotamento. 
A zona de flash é o ponto intermediário onde a carga da coluna é 
introduzida, geralmente perto do meio da coluna. Esse ponto passa a dividir a 
coluna, sendo que para cima dele fica a seção de absorção, e abaixo, a seção de 
esgotamento. 
A seção de absorção (também chamada de seção de enriquecimento ou de 
retificação), tem como objetivo absorver os componentes mais pesados do vapor 
que a atravessa, dessa maneira enriquecendo o vapor com componentes mais 
leves. 
A seção de esgotamento serve para remover os componentes leves do 
líquido que desce da zona de flash. É a operação inversa da seção de absorção. 
 
 41 
3.4.4: Mecanismo de Funcionamento de uma Torre de Destilação 
Convencional 
 
Existem três caminhos possíveis para a carga que está entrando na torre, 
de acordo com seu estado térmico: 
1. Temperatura da carga \ufffd Ponto de Bolha : A carga, em estado líquido, desce 
para o prato diretamente abaixo da entrada da carga (seção de 
esgotamento), misturando-se com o refluxo interno que desce pela seção 
de absorção. 
2. Temperatura da carga \ufffd Ponto de Orvalho : A carga, em estado vapor, sobe 
pela seção de retificação. 
3. Ponto de Bolha < temperatura da carga> Ponto de Orvalho : A parte líquida 
da carga, carga esta que se encontra parcialmente vaporizada, desce para 
o prato superior da seção de esgotamento, enquanto o vapor sobe pela 
seção de retificação, borbulhando no liquido desta seção. 
 
Ao atravessar o líquido que se encontra em um prato superior ao seu, o 
vapor (no seu ponto de orvalho), que está a uma temperatura maior e composição 
diferente da do líquido, acaba por sofrer uma condensação preferencial de seus 
componentes mais pesados (menos voláteis). Aliado a este fato, o calor liberado 
por essa condensação acaba por promover a vaporização dos componentes mais 
leves (mais voláteis) do líquido que chega neste prato vindo do prato superior. 
Com isso, o vapor que abandona o prato, além de ter uma temperatura 
menor, também tem uma maior concentração de componentes mais voláteis do 
que o vapor que chega a este prato, pois o vapor que abandona o prato deixou 
seus componentes menos voláteis no líquido deste prato, e retirou deste liquido 
seus componentes mais voláteis. 
Já o líquido que abandona este prato, além de ter uma temperatura maior, 
também tem uma concentração maior de componentes menos voláteis do que o 
líquido que esta chegando neste prato, pois ele recebe os componentes menos 
 42 
voláteis do vapor que borbulha por ele, além de perder seus componentes mais 
voláteis para este mesmo vapor. 
Por causa destas vaporizações e condensações que ocorrem por contato 
direto entre o vapor e o líquido, é dito que existe uma troca de massa e calor entre 
o líquido e o vapor que passam pela coluna de destilação. 
Quanto mais alto na torre, mais frio se tornam os vapores, e mais 
concentrados de componentes mais voláteis. 
E quanto mais baixo na torre, mais quentes se tornam os líquidos, e mais 
concentrados de componentes menos voláteis. 
Destas afirmações acima, se chega à conclusão que o topo da torre é o 
local onde existem as menores temperaturas e pressões do sistema, além da 
maior concentração de componentes mais voláteis, enquanto o fundo da torre é o 
local onde se encontram as maiores temperaturas e pressões, e a maior 
concentração de componentes menos voláteis. 
O refluxo externo, gerado da condensação de parte dos vapores 
provenientes do topo da torre, acaba por gerar o refluxo interno da torre, que 
desce de prato a prato, e acaba por ajudar a remover os compostos pesados do 
vapor que esta subindo pela torre, melhorando o fracionamento na seção de 
absorção. 
Já na seção de esgotamento, acontece o contrário, onde quanto mais vapor 
subir pelo fundo, melhor a remoção dos componentes leves presentes desta 
seção. 
 
3.5: Conclusões do Capítulo 
 
Este capítulo tratou dos fundamentos e princípios da destilação atmosférica, 
e também abordou os diferentes tipos de destilação, além de detalhar as principais 
partes e o mecanismo de funcionamento de uma torre de destilação atmosférica. 
 
 43 
Capítulo 4: Curvas de Destilação e Nível de 
Fracionamento 
 
4.1: Curvas de Destilação 
 
O petróleo é uma mistura complexa, formado por muitos componentes, em 
sua maioria hidrocarbonetos, pelo que não é possível identificar ou determinar a 
composição de cada componente puro. 
Mas para se executar projetos e otimizações de unidades, é necessário se 
obter uma caracterização dos componentes do petróleo, através de métodos 
indiretos, baseados em propriedades médias e/ou empiricamente determinados. 
Desta premissa, surgem os vários ensaios realizados em laboratório, visando 
levantar curvas de destilação. 
Vale lembrar que a destilação não visa obter produtos com uma 
composição definida em termos de componentes, sendo que na maioria das vezes 
os produtos são uma mistura complexa de hidrocarbonetos (frações do petróleo). 
Com o objetivo de se avaliar o fracionamento entre os diversos produtos 
e/ou seções de uma torre, utilizam-se as curvas de destilação destes