CCJ0006-WL-PA-08-Direito Civil I-Novo-15837
5 pág.

CCJ0006-WL-PA-08-Direito Civil I-Novo-15837

Disciplina:Direito Civil I9.716 materiais355.204 seguidores
Pré-visualização23 páginas
da personalidade de cada um. Desenvolvimento que
supõe o silêncio, mas supõe também o outro. Propicia a aventura pessoal de cada, mas num fundo que não pode deixar de ser o da comunhão e da 
solidariedade.

10. Direito da personalidade e direito dos egoísmos individuais

Tudo isto que acabamos de dizer pode parecer evidente. Mas não é.A sociedade em que vivemos só festeja tão gostosamente os direitos da 
personalidade porque os deturpa. Na sua densidade éƟca, a categoria é-lhe incompreensível.A crise do Direito da Personalidade é na realidade tão 
grande que leva a fazer inverter o sinal a este ramo do direito.O que deveria ser o direito da pessoa ontológica transformou-seno puro direito dos
egoísmos individuais. Os direitos da personalidade ganham cariz anƟ-social, perdendo o senƟdo de comunhão e solidariedade que lhes é 
consƟtuƟvo.Nada é tão elucidaƟvo como o que se passa com o direito de privacidade, ou de reserva da inƟmidade da vida privada.O seu empolamento 
tem sido tal, particularmente na vertenteanglo-americana da privacy, que acaba por se transformar quase no direito de personalidade – o super -direito
que englobaria em si todos os outros.Mas acaba por se dar de privacy uma noção individualísƟca ouanƟ-social, que fez alguns traduzirem-na como o right
to be alone. A privacy acaba assim por se tornar mera capa dos egoísmo sindividuais. Passaria à frente de qualquer noção de solidariedade, jusƟficando 
toda a recusa egoísta de parƟcipar no diálogo social ou de atender ao outro.

A transformação do direito de personalidade numa grandeza meramente negaƟva descaracteriza-o. O elemento personalísƟco perdeu-
se.Espelha a sociedade desumanizada que se generaliza e a definição do outro como o inimigo; mas está nos anơpodas do senƟdo éƟco do Direito da 
Personalidade.Contra esta adulteração, é tarefa indispensável trabalhar o núcleo fundamental do Direito de Personalidade, e de pessoa humana que está 
na sua base. Todos aceitam o fundamento da sociedade na “dignidade de pesso ahumana (art. 1 III da ConsƟtuição). Mas é necessário Ɵrar 
consequências dessa afirmação.Só o Direito Civil está em condições de consagrar e desenvolver este núcleo fundamental de todo o Direito. O Código 
Civil é o lugar ideal para o fazer.O actual Código Civil correspondeu à sua época. Mas um novo Código terá de ir além. Terá de receber a sua lição e 
projectá-la para futuro.A deturpação dos direitos da personalidade toma muitas formas.Antes, era uma aƟtude condenável a ingerência nos assuntos 
internos doutro país. Hoje, aƟngem-se exactamente os mesmos objectivos coma capa de defesa dos direitos humanos. Os direitos humanos
transformam -se assim numa espécie de arma de arremesso. Mas a preocupação que exprimem nada tem que ver na realidade com a defesa da 
personalidade.Também, por invocação dos direitos da personalidade,proíbem -se referências laudatórias do nome ou da imagem alheias com finalidades 
publicitárias. Mas uma referência laudatória em nada aƟnge a personalidade. Os direitos humanos são aqui invocados como maneira de fazer dinheiro. 
Pode a regra que o estabeleça ser jusƟficada: não é isso que está em causa. Não tem é nada que ver com os direitos humanos.Perante tudo isto, há que 
voltar ao essencial. A grande descoberta exprime-se facilmente: os direitos da personalidade são, simplesmente, os direitos da Pessoa.

Belo Horizonte, 30.X.97

Referências bibliográficas:
Nome do livro: Direito Civil Brasileiro Vol.1 - ISBN. 8502075330
Nome do autor: GONÇALVES, Carlos Roberto.

Editora: Rio de Janeiro: Saraiva

Ano: 2009.

Edição: 7a. ed.

Nome do capítulo: Capítulo 04 –   Das Pessoas II

N. de páginas do capítulo: 23

Aplicação Prática Teórica

CASO CONCRETO 1

Um jogador de futebol famoso teve sua fotografia publicada em revista especializada em fofocas. Em verdade, o conteúdo da revista nada desabonava a vida privada do referido jogador, mencionado apenas 

fatos públicos corriqueiros. No entanto, o esportista sentiu seu direito agredido porque não autorizara a publicação de sua foto. Ingressou o jogador com um pedido de indenização. 

1)            Neste caso, enxerga -se, de fato, violação ao direito da personalidade passível de gerar indenização? Justifique.

2)            Na hipótese pode-se afirmar que houve lesão a honra da pessoa? 

3)            Há necessidade de prova de aproveitamento econômico, por parte da revista, para ensejar algum tipo de indenização?

 

CASO CONCRETO 2

Júlia Cibilis é uma famosa atriz que foi violentamente assassinada no ano de 2000, deixando como herdeira apenas sua mãe, Maria Cibilis. Um ano depois do falecimento, jornal de grande circulação publica 

fotos do corpo de Júlia que foram tiradas durante a perícia, no local do crime, totalmente desfigurada e parcialmente nua. 

Pergunta-se : Maria pode pleitear dano moral ? Em caso positivo, a que título ? Em caso negativo, por quê? Justifique sua resposta.

 
 
Dano moral. Negativação do nome de pessoa falecida. Indenização pleiteada pela mãe. Impossibilidade. Dano moral punitivo. Indenização por práticas abusivas. Admissibilidade. Se o dano moral é a violação 

de um bem integrante da personalidade, e esta extingue-se com a morte, ninguém pode ser sujeito passivo de dano moral depois do falecimento. Assim, não tem a mãe legitimidade para pleitear indenização 

por dano moral, nem como sucessora, pela negativação do nome do filho efetivada depois do seu falecimento. Admite -se, entretanto, indenização com caráter punitivo pelo dano moral para reprimir práticas 

abusivas, como sanção adequada ao abuso do direito. A ré levou quase seis meses para cancelar a linha telefônica, cessar as cobranças indevidas, e ainda negativou, nesse período, o nome do filho da 

autora, mesmo depois do seu falecimento. É dever das empresas que fornecem bens e serviços estruturarem-se adequadamente para tratarem com respeito e dignidade o público em geral. Reforma parcial 

da sentença. 

 Ementário: 04/2008 - N. 9 - 31/01/2008

 

QUESTÃO OBJETIVA 

Assinale a opção correta.

A) Tanto o Código Civil de 1916 como o novo Código Civil disciplinam os direitos da personalidade.

B) O caráter extrapatrimonial dos direitos da personalidade significa que é juridicamente impossível requerer indenização em face de sua violação.

C) De acordo com o novo Código Civil, salvo o caso de exceções legais, os direitos da personalidade são intransmissíveis e irrenunciáveis, não podendo o seu exercício sofrer limitação voluntária.
D) Conforme disciplina do novo Código Civil, o pseudônimo, mesmo adotado para atividades lícitas, não goza da proteção que se dá ao nome.

Plano de Aula: 4 - Direito Civil I

DIREITO CIVIL I

Estácio de Sá Página 2 / 5

Título

4 - Direito Civil I

Número de Aulas por Semana

Número de Semana de Aula

4

Tema

DIREITOS DA PERSONALIDADE

Objetivos

·         Discorrer sobre as diversas teorias a respeito dos direitos da personalidade.
·         Demarcar as posições doutrinárias divergentes quanto à existência de uma cláusula geral de personalidade no direito pátrio e 

comparado.
·         Introduzir o entendimento da classificação dos diversos direitos da personalidade no Código Civil Brasileiro.
·         Demarcar a normatização dos direitos da personalidade na Constituição Federal de 1988.       

Estrutura do Conteúdo

1 DIREITOS DA PERSONALIDADE

1.1 Teorias dos direitos da personalidade;
1.2 O direito geral de personalidade;
1.3 Direitos de personalidade na constituição Federal de 1988; 
1.4 Direitos de personalidade  no Código Civil Brasileiro.
 

A título de contributo, segue abaixo texto do doutrinador portugues. J. Oliveira Ascensão, em palestra proferida aqui no Brasil, a respeito dos 
direitos da personalidade:

OS DIREITOS DE PERSONALIDADE NO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

Prof. Doutor J. Oliveira Ascensão

SUMÁRIO: 

1. O Código Civil e a pessoa; 2. A ausência de previsão dos direitos de personalidade; 3. A explicação pelos antecedentes;4. A evolução posterior;