CS2010 - Aula 2 - O sistema básico das Contas Nacionais

CS2010 - Aula 2 - O sistema básico das Contas Nacionais


DisciplinaContabilidade Social e Balanço de Pagamentos153 materiais1.379 seguidores
Pré-visualização2 páginas
melhor da variação de riquezas
 
Transações com o resto do mundo no sistema de contas nacionais
Para dar conta das transações com o exterior, vamos acrescentar uma nova conta ao nosso sistema.
Conta Setor Externo.
Esta conta incluirá as importações, exportações, envio e recebimento de rendas.
É construída do ponto de vista do resto do mundo.
Conta do setor externo
Quadro2.5 \u2013 Conta do setor externo
(economia aberta e sem governo)
Débito
Crédito
GExportações de bens e serviçosnão fatores
HRenda recebida do exterior
KResultado do Balanço de Pagamentos em transações correntes
IImportações de bens e serviços não fatores
JRenda enviada ao exterior
Total do débito
Total do crédito
Conta setor externo
Note que o item K está na conta para garantir o equilíbrio interno, logo pode ser incluído em qualquer lado (desde que o sinal se ajuste).
No lado do débito, será positivo se o país apresentou um déficit em transações correntes. 
Vejamos agora como as outras contas se ajustam para garantir o equilíbrio externo do sistema.
As demais contas afetadas são as contas de produção e a conta de capital.
Economia aberta
A conta de produção precisa contabilizar o valor produzido com a utilização de recursos de não residentes.
Também vai contabilizar, no lado do débito, o item importações.
Assim, a conta de produção vai apresentar a oferta total de bens na economia (não apenas o que foi produzido).
As exportações entrarão no lado do crédito, compondo a demanda total da economia.
Conta de produção
Quadro2.6 \u2013 Conta de Produção
(Economia aberta e sem governo)
Débito
Crédito
IImportações de bens e serviços não fatores
J-HRenda líquida enviada ao exterior (+) ou recebida (-) do exterior
a1Salários
a2Lucros
a3Aluguéis
a4Juros
ARenda (ou Produto nacional Líquido)
(A = a1+a2+a3+a4)
BDepreciação
GExportação debens e serviços não fatores
CConsumo pessoal
DVariação de Estoque
EFormação Brutade Capital Fixo
Oferta total de bens e serviços
Demanda total de bens e serviços
Conta de produto
Do lado do débito temos o Produto Interno Bruto (PIB) mais as importações de bens e serviços não fatores (oferta total)
Do lado do crédito temos a demanda total por bens e serviços.
Quase todas as alterações aparecem nesta conta.
Mas resta i item K, que aparecerá na conta de capital.
Conta de capital
Quadro 2.7\u2013 Conta de capital
(Economia aberta e sem governo)
Débito
Crédito
DVariação de estoques
EFormação bruta de capital fixo
FPoupançalíquida
BDepreciação
KResultado do BP em transações correntes
Investimento Bruto Total
Poupança Bruta Total
Conta de capital
A conta de capital demonstra a identidade investimento=poupança.
Portanto, se K for positivo (déficit nas transações correntes), parte do investimento deve-se à importação de capital.
O pais necessitou de poupança externa.
Se K for negativo (superávit em transações correntes), a economia estará enviando capital ao exterior.
Ou seja, estará investindo em outros países.
Economia Aberta com Governo
Agora vamos introduzir o governo no nosso sistema de contas nacionais.
O governo age na economia de diversas maneiras.
Ele arrecada impostos, consome bens e serviços, fornece bens e serviços (como segurança e educação), realiza transferências e subsídios.
O governo ainda interfere em alguns preços da economia.
Por isso, vamos introduzir uma quinta conta no nosso sistema, a Conta do Governo.
Conta do governo
Quadro 2.8 - Contado Governo
Débito
Crédito
L
M
N
O
Consumo do Governo
Transferências
Subsídios
Saldo do governo em conta corrente
P
Q
R
Impostos diretos
Impostos indiretos
Outras receitas correnteslíquidas
Utilização da receita
Total da receita
Conta do governo
Esta conta é semelhante à conta da apropriação, pois de um lado (crédito) ela mostra como o governo obteve suas receitas e do outro (débito) mostra onde ele as alocou.
O que é gasto com salários, bens e serviços adquiridos (material de escritório, merenda, etc.) são computados no item consumo do governo.
As transferências são transações que não correspondem à aquisição de um bem \u2013 normalmente são subsídios.
Conta do governo
O saldo do governo em conta corrente fecha a conta do governo. 
Pode ser positivo ou negativo.
Se for positivo, significa que o governo arrecadou mais do que gastou.
Neste caso, dizemos que houve uma poupança do governo.
Se for negativo, significa que o governo arrecadou menos do que gastou.
Neste caso o governo deve ser financiado por poupança privada.
Conta do governo
Os impostos podem ser classificados como diretos ou indiretos.
Impostos diretos incidem sobre a renda ou a propriedade.
Imposto de renda, IPTU, IPVA.
Impostos indiretos não são pagos como impostos pelas famílias, mas estão incluídos no preço das mercadorias.
IPI, ICMS
Eles alteram o preço final dos bens.
Conta do governo
As transferências correspondem a desembolsos do governo para indivíduos do setor privado.
Inclui aposentadorias e pensões, benefícios sociais e pagamentos de juros da dívida do governo.
Transferências também são chamadas de impostos diretos negativos.
Os subsídios significam uma renúncia a valores que o governo tem direito a recolher.
São também chamados de impostos indiretos negativos.
Governo
A existência do governo cria uma nova distinção na forma de registrar os agregados.
O preço das mercadorias aumenta com os impostos indiretos (- subsídios) mas esse aumento não corresponde a um aumento no pagamento de fatores.
Por isso, é possível calcular o Produto a Preços de Mercado.
Inclui o valor dos impostos indiretos (- subsídios)
Governo
Mas também é possível calcular o Produto a Custo de Fatores.
Não considera esse valor adicional.
Cada um dos conceitos é mais adequado a uma situação específica.
E estatística que o IBGE divulga como PIB é o Produto Interno a preços de mercado.
Vejamos como ficam as outras 4 contas com a introdução do governo.
Conta do produto
Quadro 2.9 - Conta da produção
Débito
Crédito
I
J-H
a1
a2
a3
a4
A
B
Q-N
Importações de bens e serviços não fatores
Renda líquida enviada (+) ourecebida (-) do exterior.
Salários
Lucros
Alugueis
Juros
Renda ouproduto nacional líquido(a1+a2+a3+a4)
Depreciação
Impostos indiretos líquidos de subsídios
G
C
L
D
E
Exportação de bense serviços não fatores
Consumo pessoal
Consumo do governo
Variação de estoques
Formação bruta de capital fixo
Oferta totalde bens e serviços
Demanda total de bens e serviços
Conta de apropriação
Quadro2.10 \u2013 Conta de apropriação
(economia aberta com governo)
Débito
Crédito
C
P-M
R
F
Consumo pessoal
Impostos diretos líquidos de transferências
Outras receitas correntes líquidas
Poupança privada líquida
a1
a2
a3
a4
Salários
Lucros
Aluguéis
Juros
Utilização da Renda Nacional Líquida
Renda Nacional Líquida
Conta do setor externo
Quadro 2.11 \u2013 Conta do setor externo
(economia aberta em com governo)
Débito
Crédito
G
H
K
Exportação de bens e serviços não fatores
Renda recebida do exterior
Resultado do BP em transações correntes
I
J
Importações de bens e serviços não fatores
Rendaenviada ao exterior
Total do débito
Total do crédito
Conta de capital
Quadro 2.12 - Conta de capital
(economiaaberta e com governo)
Débito
Crédito
D
E
Variação de estoques
Formação bruta de capital fixo
F
B
K
O
Poupança privada líquida
Depreciação
Resultado do BP em transações correntes
Saldo do governo em conta corrente
Investimento Bruto Total
Poupança Bruta Total
Governo
Na conta de capital contam dois novos lançamentos \u2013 impostos indiretos (deb.) e consumo do governo (cred.)
Isso porque a conta de produção registra PIB a preços de mercado.
Na conta de apropriação constam dois novos lançamentos no destino da renda nacional.
Na conta de capital, no lado do crédito, entra a o saldo do governo, podendo aumentar ou diminuir a poupança disponível.