AULA_5_MALARIA97-2003

AULA_5_MALARIA97-2003


DisciplinaProcessos Gerais de Agressão e Defesa do Organismo63 materiais361 seguidores
Pré-visualização3 páginas
nas atitudes da população
Borrifação dos domicílios com inseticidas (combate ao vetor adulto)
Usar larvicidas (combate ás larvas)
*
*
Vacinação
A busca de vacinas eficazes contra a malaria tem sido realizada em várias direções, incluindo estudos com as muitas formas evolutivas do parasito, os esporozoítos, formas hepáticas, formas assexuadas eritrocíticas e gametócitos
*
*
Situação atual
Registrados cerca de 300-500 milhões de casos de malária por ano
90% na África Tropical
Na América Latina:
Maior numero de casos é verificado na Amazônia, cerca de 500.000 casos/ano
*
*
Sarcocystis
*
*
Introdução
Gênero que compreende protozoários heteroxênicos
Multiplicação assexuada no hospedeiro intermediário
Encontram-se duas espécies que parasitam o homem:
S. hominis
S. suihominis
Outras espécies parasitam animais silvestres e domésticos
*
*
Morfologia
Merontes (esquizontes): presentes no endotélio dos vasos sanguíneos do hospedeiro intermediário. 
Reprodução múltipla por merogonia e quando maduro origina os merozoítos
Sarcocistos (cisto): presentes no músculo. Formado a partir dos merozoítos que dão origem aos metrócitos (células jovens), que por sua vez originam bradizoítos
*
*
Morfologia
Bradizoítos: presentes dentro dos sarcocistos e possuem forma alongada. Forma infectante para o hospedeiro definitivo
Oocisto: presente nas fezes do homem (hospedeiro definitivo). A parede do oocisto é muito frágil frequentemente se rompendo durante o trajeto intestinal e saindo apenas os esporocistos junto com as fezes. É a forma infectante para o hospedeiro intermediário
*
*
Biologia
Homem é hospedeiro definitivo do S. hominis e do S. suihominis e hospedeiros intermediários são o porco e o boi, respectivamente
Suínos se infectam ao ingerir oocistos esporulados ou esporocistos que são eliminados com as fezes do homem 
*
*
Biologia
Esporozoitos são liberados no intestino delgado, atravessam a parede intestinal e penetram em células endoteliais de veias do fígado, onde evoluem para merontes primários
Quando maduros, liberam merozoítos que penetram em células endoteliais de veias de qualquer órgão para dar origem aos merontes secundários
*
*
biologia
Os merozoítos secundários são liberados e penetram em células musculares para formar a terceira geração de merontes ou sarcocistos.
O homem se infecta ao ingerir sarcocistos maduros contendo bradizoítos, que no intestino delgado dão origem diretamente a gametas 
*
*
biologia
Há fecundação do macro e do microgametócito formando o oocisto que esporula na própria parede intestinal
Os oocistos esporulados ou esporocistos são eliminados na fezes
Essas formas são infectantes para os suínos, mas não para o homem
*
*
Patogenia
A sarcocistose não é uma doença muito frequente ou bem conhecida
Estudos experimentais com S. suihominis em voluntários humanos, puderam evidenciar presença de diarréia, náusea, vômitos, distúrbios circulatórios, calafrios e sudorese como sintomas mais comuns
Sintomas aparecem 6-24 horas após ingestão de carne de porco infectada e desapareciam na maioria dos casos entre 12-24 horas 
*
*
Patogenia
Vários distúrbios gastrintestinais incluindo 
Náusea, 
Vomito, 
Diarréia, 
Dor abdominal 
Cólicas 
Também são descritos para esta espécie
*
*
Diagnóstico
Encontro de oocistos esporulados ou esporocistos em EPF
*
*
Tratamento
Tratamento especifico é de valor relativo pois os agentes terapêuticos tem ação limitada sobre as formas dos coccidios
*
*
Profilaxia
Não ingerir carne de bovinos ou suínos crua ou mal cozida
Uso de privadas ou fossas para evitar contaminação do meio ambiente por fezes humanas e consequente infecção dos bovinos e suínos
*
*
Isospora
*
*
Introdução
Conhecido há muito tempo como parasito do homem
Os membros do gênero Isospora são coccídios que apresentam oocistos com dois esporocistos e com quatro esporozoítos dentro de cada um
São monoxenos
Multiplicação assexuada (merogonia) e sexuada (gametogonia) que termina com formação de oocistos nas células do intestino do hospedeiro
*
*
Introdução
Duas espécies parasitam o homem:
I. belli
I. natalensis
I. belli é a mais frequente e tem sido assinalada em vários países
I. natalensis possui oocistos subesféricos e ainda não foi descrita no Brasil, só na África do Sul
Isosporíase humana é mais frequente em regiões quentes onde condições de higiene são precárias 
*
*
Ciclo Biológico
O homem se infecta através da ingestão de oocistos esporulados com a água e alimentos
Os esporozoítos liberados dos oocistos invadem o intestino delgado, onde ocorre a evolução do parasito até a formação de oocistos
*
*
*
*
Patogenia
Alterações na mucosa do intestino delgado que resultam na síndrome da má absorção 
Microscopicamente , as lesões são caracterizadas por destruição das células epiteliais e consequente atrofia das vilosidades 
Infecções humanas são benignas 
Pacientes se curam espontaneamente 
*
*
Sintomas
Febre 
Diarréia
Cólicas abdominais
Esteatorreia
Vômito
Desidratação
Perda de peso
*
*
Diagnóstico
Encontro de oocistos não-esporulados nas fezes 
*
*
Tratamento
Sulfametoxazol - trimetopim
Metronidazol
*
*
Profilaxia
Uso de privadas ou fossas 
para evitar contaminação do meio ambiente por fezes humanas 
Higiene pessoal
principalmente em grupos de alto risco como indivíduos imunodeficientes 
*
*
Cryptosporidium
*
*
Introdução
Desenvolve-se nas microvilosidades de células epiteliais do trato gastrintestinal
Parasita a parte externa do citoplasma da célula e dá impressão de se localizar fora dela (Intracelular intracitoplasmática)
Apresenta diferentes formas estruturais que podem ser encontradas nos tecidos (formas endógenas) e nas fezes ou meio ambiente (oocistos)
*
*
Introdução
Oocistos são pequenos, esféricos ou ovóides
Ciclo monoxênico
Multiplicação assexuada: formação de duas gerações de merontes
Multiplicação sexuada: formação de macrogameta e microgameta
*
*
Introdução
Após fecundação resulta no oocisto
Formação de dois tipos de oocistos: 	
um de parede espessa, eliminado nas fezes; 	
um de parede delgada, que se rompe no intestino delgado onde acredita-se que seja o causador dos casos de auto-infecção
Os oocistos esporulam no interior do hospedeiro e já são infectantes quando eliminados para o meio ambiente
A duração do ciclo biológico é curta e varia em média de 2-7 dias
*
*
*
*
Transmissão
Ocorre por meio da ingestão ou inalação de oocistos ou pela auto-infecção
Pessoa a pessoa: ambientes com alta densidade populacional, como creches e hospitais e contato direto, incluindo atividades sexuais
Animal a pessoa: contato direto de pessoas com animais que encontram-se eliminando oocistos
Água e alimento: contaminados com oocistos
*
*
Patogenia e Sintomas
Influenciados por vários fatores que incluem 
Idade
Competência imunológica
Associação com outros patógenos
Alterações provocadas nas células epiteliais da mucosa gastrintestinal interferem nos processos digestivos e resultam, na síndrome da má absorção
*
*
Patogenia e Sintomas
Em imunocompetentes causa:
Diarréia aquosa
Dor abdominal
Náusea
Flatulência
Febre
Dor de cabeça
Em imunodeficientes causa:
Meses de diarréia aquosa
Acentuada perda de peso
Má absorção 
Mortalidade elevada
*
*
Epidemiologia
Oocistos são estruturas 
pequenas 
leves 
imóveis 
que se dispersam no meio ambiente através 
Do ar
De insetos
Vestuário
Fezes
Contaminando água e alimentos
*
*
Epidemiologia
Em condições adequadas de umidade e temperatura permanecem viáveis e infectantes no ambiente por várias semanas
Resistem a ação da maioria dos desinfetantes usuais 
São destruídos pela 
água oxigenada 
amônia 
formol 
aquecimento 
*
*
Epidemiologia
A prevalência da doença é variável e depende de muitos fatores como 
Idade
Hábitos de higiene
Costumes da população
Época do ano
Estado de imunocompetência do paciente
*
*
Diagnóstico
Demonstração de oocistos nas fezes, material de biópsia intestinal ou raspado da mucosa
Pesquisa de anticorpos