assim falava zaratustra
113 pág.

assim falava zaratustra

Disciplina:Filosofia e Ética2.268 materiais67.434 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Que a vingança, louco vaidoso, é a tua espuma toda: calei-te perfeitamente!
 A tua língua de louco, porém, prejudica-me até naquilo em que tens razão. E ainda que tivesse mil vezes razão a palavra de Zaratustra,
tu sempre ma tirarias com a minha própria palavra!”
 Assim falava Zaratustra, e olhando a grande cidade, suspirou e ficou longo tempo calado. Por fim disse:
 “Também eu estou desgostoso nesta grande cidade, e não é só deste louco. Aqui e ali nada há que melhorar, nada há que piorar.
 Ai desta grande cidade! Quereria ver já a coluna de fogo em que se há de consumir.
 Que tais colunas de fogo hão de proceder o grande meio-dia: Isto, contudo, tem o seu tempo e o seu próprio destino.
 A ti, louco, te dou este ensinamento a modo de despedida: onde já se não pode amar, deve-se... passar!”
 Assim falava Zaratustra, e passou por diante do louco e da grande cidade.

DOS TRÂNSFUGAS
I

 “Ai! como já está triste e cinzento neste prado tudo o que há pouco estava ainda verde e cheio de cor! E quanto mel de esperança eu
daqui levei à minha colmeia!
 Todos estes corações juvenis se tornaram já velhos: e nem velhos sequer! Simplesmente fatigados, comuns e cômodos. Explicam-no
dizendo:
 “Tornamos a ser piedosos”.
 Ainda não há muito os vi à primeira hora a andar briosamente; mas as pernas do conhecimento fatigaram-se-lhes e agora caluniam até

file:///C|/cursos_e_livros_cd/Triagem/eROCKET%20CONVERTIDO/zara.rb/000000-zara.html (57 of 113)29/09/2004 15:17:22

Assim Falava Zaratustra - Frederico Nietzsche

os seus brios da manhã.
 Na verdade, mais de um alçava dantes as pernas como um bailarino; o riso acenava-lhe com a minha sabedoria; mas depois refletiu e
acabo de o ver curvado... arrastando-se até à cruz.
 Dantes giravam em redor da luz e da liberdade como mosquitos e jovens poetas.
 Um pouco mais velhos, um pouco mais frios, e já estão acocorados ao amor do lume como santarrões.
 Desfaleceram por me haver tragado a soledade como uma baleia? Teriam debalde prestado ouvidos durante longo tempo às minhas
trombetas e aos meus gritos de arauto?
 Ai! Sempre são muito poucos os que têm um coração de largo fôlego e larga impetuosidade; e são também os únicos de espíritos
perseverante. Tudo o mais é covardia.
 E o mais é sempre a grande massa, o ordinário; o supérfluo, os que estão de mais. Todos estes são covardes!
 Aquele que for da minha têmpera tropeçará no seu caminho com aventuras iguais às minhas; de forma que os seus primeiros
companheiros devem ser cadáveres e acróbatas.
 Os seus segundos companheiros, porém, chamar-se-ão seus crentes: um enxame animado, muito amor, muita loucura, muita veneração
infantil.
 A estes crentes não deverá ligar o seu coração aquele que dentre os homens for da minha índole; nessas primaveras e nesses prados de
variadas cores, o que conhece não deve presumir a fraca e fugitiva condição humana.
 Se pudessem doutra maneira quereriam também doutra maneira. As coisas por metade prejudicam o todo. Se há folhas que murcham,
porque se há de queixar uma pessoa?
 Deixa-a cair, Zaratustra, e não te queixes! Pelo contrário: varre-as com o sopro do teu vento; varre essas folhas, Zaratustra! Aparte-se
de ti tudo quanto é murcho!

II

 “Tornamos a ser piedosos” — assim confessam os trânsfugas; e muitos deles ainda são demasiados covardes para o confessar assim.
 A estes encaro eu, a estes digo eu nas suas caras envergonhadas: Sois vós os que rezam outra vez!
 Rezar, todavia, é uma vergonha! Não para toda a gente; mas para ti e para mim e para quantos têm a sua consciência na cabeça. Para
ti é uma vergonha rezar!
 Bem o sabes: o covarde demônio que dentro de ti se compraz em juntar as mãos e em cruzar os braços, e que desejaria ter uma vida
mais fácil, esse covarde demônio disse-te: “Há um Deus!”
 Assim, pois, fazes parte dos que temem a luz, daqueles a quem a luz nunca deixa repouso; tens agora que ocultar todos os dias a cabeça
mais profundamente na noite e nas trevas.
 E, na verdade, escolheste bem a tua hora; porque as aves noturnas tornaram a erguer o vôo. Chegou a hora dos seres que temem a luz,
a hora do descanso em que... se não descansa.
 Ouço-o bem: chegou a hora da sua caçada — não de uma caçada infernal, mas mansa, suave, farejando pelos cantos sem fazer mais
ruído que o murmúrio de uma reza: caçadas de santarrões cheios de alma: todas as ratoeiras dos corações estão novamente preparadas!
 E onde quer que erga uma cortina logo sai para fora uma borboleta noturna.
 Estaria ali acaçapada com outra borboleta noturna? Que eu em toda a parte pressinto pequenas comunidades ocultas e em toda a parte
em que houver esconderijos haverá novos beatos e cheiro de beatos.
 Estarão reunidos durante noites inteiras e dizem entre si: — “Tornemos a ser crianças e invoquemos o Senhor!” Os piedosos
confeiteiros deram-lhe cabo da boca e do estômago.
 Ou contemplam durante longas noites alguma astuta aranha espreitando, que predica a astúcia às próprias aranhas, ensinando: “É
bom tecer sob as cruzes!”
 Ou passam dias inteiros sentados, munidos de canas de pesca, na margem dos pântanos, e julgam que aquilo é que é ser profundo; mas
o que pesca onde não há peixes parece-me que nem sequer é superficial.
 Ou aprendem alegremente a tocar harpa com um versejador que se desejaria insinuar no coração das donzelas, porque está cansado
das velhas e dos seus elogios.
 Ou aprendem a espavorir-se com algum sábio tresloucado que espera em quartos escuros que apareçam os espíritos... enquanto o seu
espírito desaparece completamente!
 Ou escutam um velho charlatão, músico ambulante a quem ventos tristes ensinaram toadas lamentosas: agora sibila à semelhança do
vento e predica a compreensão em tom compungido.
 E alguns até se tornam guardas-noturnos; sabem agora tocar cornetas, rondar de noite e despertar antigas coisas há muito tempo
adormecidas.
 Ontem à noite, ao lado do ripado de um jardim, ouvi algumas palavras a propósito dessas coisas alheias que procediam desses velhos
guardas, tristes e mirrados.
 “Sendo pai, não vela bastante pelos filhos: pais humanos fazem-no melhor do que ele”.
 “É velho demais. Já nada se ocupa dos seus filhos”. Assim respondeu o outro guarda.
 “Mas terá ele filhos? Ninguém o pode provar, se ele mesmo o não prova. Há muito que eu quereria que ele o provasse fundamente”.
 “Provar? Acaso provou ele alguma vez alguma coisa? Custam-lhe as provas; tem muito empenho em que o acreditem”.
 “Sim, sim! Salva-o a fé, a fé em si mesmo! É a condição dos velhos! A nós sucede-nos o mesmo!”

file:///C|/cursos_e_livros_cd/Triagem/eROCKET%20CONVERTIDO/zara.rb/000000-zara.html (58 of 113)29/09/2004 15:17:22

Assim Falava Zaratustra - Frederico Nietzsche

 Assim conversaram os dois morcegos, inimigos da luz: depois tocaram tristemente as cornetas; eis o que se passou ontem à noite, ao
lado do velho ripado do jardim.
 Entretanto o meu coração contorcia-se de riso; queria estalar, mas não sabia como, e ria, ria.
 Na verdade, a minha morte será afogar-me em riso, vendo asnos embriagados e ouvindo assim morcegos duvidarem de Deus.
 Não passou há muito o tempo de tais dúvidas? Quem teria ainda o direito de despertar do seu sono coisas tão inimigas da luz?
 Há muito que se acabaram os antigos deuses, e na verdade tiveram um bom e alegre fim divino!
 Não passaram pelo “crepúsculo” para caminhar para a morte — é uma mentira dize-lo! — Pelo contrário: mataram-se a si mesmos a
poder de... riso!
 Sucedeu isso quando chegaram a pronunciar-se por um deus as palavras mais ímpias — as palavras: Só há um Deus! Não terás outros
deuses a par de mim!
 Um deus velho, colérico e zeloso, que se excedeu a este ponto.
 Então todos os deuses se puseram a rir, e agitando-se nos seus assentos, exclamaram: “Não se baseia precisamente a divindade em
haver deuses, e não Deus?
 Quem tiver ouvidos