Caderno Legislação Trabalhista e PRevidenciária
37 pág.

Caderno Legislação Trabalhista e PRevidenciária

Disciplina:Legislação Trabalhista e Previdenciária3.104 materiais12.129 seguidores
Pré-visualização11 páginas
direito.

RESOLUÇÃO: Tem por fundamento a palavra culpa ou ato faltoso que pode ser do empregado,
do empregador ou de ambos.

RESCISÃO: Embora a CLT chame todas as formas de término do contrato de Rescisão,
teoricamente ela só ocorreria quando existisse a nulidade do Contrato.

ASPECTOS DA EXTINÇÃO POR RESOLUÇÃO OU POR CULPA

Feitos esses esclarecimentos, analisaremos alguns aspectos da Resolução, que é a forma de
extinção ou término do contrato que pode trazer mais consequências, pois as hipóteses terão que
ser comprovadas, principalmente na justiça trabalhista.

O empregador, como parte de sua capacidade de direção, tem o poder de disciplinar o
trabalhador, uma vez que este lhe está subordinado. Desta forma, o empregador poderá aplicar as
seguintes penalidades ao empregado, dependendo da gravidade ou repetição da falta cometida:

A) Advertência Verbal ou Escrita.
B) Suspensão Disciplinar prevista no Art. 474 da CLT.
C) Demissão por Justa Causa nas 13 hipóteses previstas no Art. 482 da CLT, que analisaremos a

- 21 -

JULIO CESAR DE SOUZA
(Continuação do Caderno de Legislação Trabalhista e Previdenciária............................................)

seguir.

Por outro lado, o empregador também pode cometer faltas graves, agindo com culpa. Nesse caso,
a CLT determina Rescisão Indireta ou Dispensa Indireta nas hipóteses previstas no Artigo 483 da
CLT. O empregado considera resolvido ou rescindido seu contrato e o empregador tem de lhe
pagar todos os diretos inerentes à dispensa sem justa causa, como analisaremos posteriormente.

Conheça algumas hipóteses de Justa Causa previstas do Art. 482 da CLT.

- Ato de Improbidade ou Desonestidade
Ex.: Informação indevida sobre vale-transporte para tirar vantagem, desfalque, furto, etc.

- Incontinência de Conduta ou Mau Procedimento
Ex.: Assédio sexual, atos pessoais que prejudiquem a moral.

- Negociação habitual por conta própria ou alheia sem permissão do empregador e quando
constituir ato de concorrência à empresa para qual trabalha o empregado ou for prejudicial ao
serviço.

 Condenação criminal, transitada em julgado, quando não houver suspensão da pena.
Obs.: não há ligação ao fato criminoso, mas havendo a condenação sem suspensão da pena, o
trabalhador ficará preso e não poderá trabalhar.

- Desídia no desempenho da respectiva função.
Ex.: Trabalhar REITERADAMENTE com negligência, imprudência, má vontade, desinteresse,
desatenção, apesar de advertido.

- Embriaguez habitual ou em serviço.

- Violação de Segredo da Empresa
Ex.: Divulgar material confidencial ou que sejam segredos da empresa.

- Ato de Indisciplina ou Insubordinação
Ex.: Indisciplina é descumprir regulamentos ou ordens gerais da empresa, como horários.
Insubordinação é não cumprir ordens ou determinações da chefia.

- Abandono de emprego
Ex.: Faltar sem justificativa por mais de 30 dias consecutivos.

- Ato lesivo da honra ou boa fama praticado no serviço contra qualquer pessoa ou ofensas físicas,
nas mesmas condições, salvo em legítima defesa própria ou de outrem.
Ex.: Difamar, injuriar, caluniar ou agredir colegas ou clientes no trabalho, o que gera Dano
Moral para o ofendido, salvo em legítima defesa, própria ou de terceiro.

- Ato lesivo da honra ou boa fama ou ofensas físicas praticados contra o empregador ou superior
hierárquico, salvo em caso de legítima defesa própria ou de outrem.
Ex.: Difamar, injuriar, caluniar ou agredir o superior hierárquico, em serviço ou fora dele

- 22 -

JULIO CESAR DE SOUZA
(Continuação do Caderno de Legislação Trabalhista e Previdenciária............................................)

- Praticar jogos de azar
Ex.: Jogar por dinheiro de forma habitual e constante: jogo do bicho, cartas, dominó, etc.

NOTA:
Ocorrendo a Justa Causa, o empregado só terá direito ao saldo de Salário e Férias não gozadas.

DISPENSA INDIRETA OU JUSTA CAUSA PRATICADA PELO EMPREGADOR
A CLT chama de Rescisão Indireta as faltas graves praticadas pelo empregador, que possibilitam
ao empregado considerar extinto o contrato e receber em juízo seus direitos relativos à dispensa
SEM justa causa.

Exigir do empregado serviços superiores às suas forças ou capacidades, proibidos pela Lei,
contrários aos bons costumes ou alheios ao contrato.
Ex.: Colocar o empregado para exercer uma função para a qual não tem conhecimento nem foi
treinado, como determinar que um motorista seja vendedor.

Expor o trabalhador a risco de grave perigo ou mal considerável.
Ex.: Exigir que o trabalhador trabalhe em local com risco de vida, ou altamente insalubre, sem
equipamentos de proteção.

Tratar o empregado com rigor excessivo.
Ex.: Quando o empregador tolera alguns atrasos de todos os trabalhadores, mas com um
determinado empregado não tem qualquer tolerância nem aceita qualquer justificativa. Tal
procedimento pode caracterizar assédio moral.

Não cumprir as obrigações do contrato.
Ex.: Não pagar salários ou desviar a função.
Praticar diretamente, ou através de prepostos, atos lesivos da honra ou boa fama do empregado
ou de seus familiares.
*Ofender fisicamente o empregado, salvo no caso de legítima defesa.
*Reduzir o trabalho por peça do empregado de forma a afetar seu salário.

Culpa Recíproca

É quando o trabalhador e o empregador praticarem ao mesmo tempo falta grave. Nesta hipótese,
as reparações devidas ao empregado serão reduzidas em 50%.

AVISO PRÉVIO
O Aviso Prévio origina-se do Direito Civil para OS CONTRATOS POR PRAZO
INDETERMINADO. A parte que desejar, por sua vontade, romper o contrato de prazo
Indeterminado, ou seja, tanto o empregado como o empregador que desejar resilir o contrato sem
motivo, deverá pré-avisar a outra de sua intenção no prazo mínimo de 30 (trinta dias) para que a
outra parte não seja surpreendida e tome providências, como procurar outro emprego ou
selecionar outro empregado, e se ajuste ao término do vínculo.

O período do Aviso Prévio, mesmo indenizado, integra o tempo de serviço do trabalhador, para
todos os efeitos (férias, 13º, FGTS, INSS, Reajuste Salarial, etc.), INCLUSIVE

- 23 -

JULIO CESAR DE SOUZA
(Continuação do Caderno de Legislação Trabalhista e Previdenciária............................................)

DISCIPLINARES.

O Aviso Prévio é um ato unilateral do empregador ou do empregado que não encerra
imediatamente o vínculo de emprego, mas determina um prazo para o fim do contrato.

A NÃO COMUNICAÇÃO DO AVISO PRÉVIO

Se o empregador não conceder o Aviso Prévio ao trabalhador, terá que pagar o salário
correspondente ao prazo do Aviso.

Se o trabalhador não pré-avisar o patrão, este terá direito a descontar o valor do salário
correspondente ao período do Aviso.

Reconsideração do Aviso
Embora o Aviso Prévio seja unilateral, a sua reconsideração é bilateral, tendo que ser aceita pela
outra parte.

Formas do aviso prévio

O aviso prévio poderá ser indenizado por ambas as partes ou trabalhado.
Se for trabalhado, a partir do empregador, o trabalhador poderá optar por ter sua jornada reduzida
(na entrada ou na saída) em 02 (duas) horas diárias, ou deixar de comparecer por 07 (sete) dias
corridos. Dessa forma, ele terá tempo para procurar outro emprego.

PRAZO PARA PAGAMENTO DAS VERBAS RESCISÓRIAS

Segundo o Art. 477 § 6º da CLT, os seguintes prazos para pagamento das verbas rescisórias
devidas ao trabalhador devem ser observados pelo empregador, sob pena de pagar multa de
1(um) salário (Art. 477 § 8º da CLT):

- Se o aviso prévio for trabalhado, o pagamento deverá ocorrer no 1º dia útil após o término do
mesmo.
- Se o aviso for indenizado ou houver dispensa do seu cumprimento, o prazo será de até 10 dias
após a notificação da dispensa. Isso se aplica, segundo a jurisprudência, ao aviso cumprido em
casa.

Estabilidade e FGTS
O instituto da Estabilidade na CLT, que determinava que os trabalhadores com mais de 10 anos
de serviço na empresa