125_marx-karl-o-capital-1
1 pág.

125_marx-karl-o-capital-1

Disciplina:Geografia Econômica1.177 materiais16.517 seguidores
Pré-visualização1 página
do valor, cuja figura acabada é a forma do dinheiro, é muito simples e
vazia de conteúdo. Mesmo assim, o espírito humano tem procurado fun-
damentá-la em vão há mais de 2 000 anos, enquanto, por outro lado, teve
êxito, ao menos aproximado, a análise de formas muito mais complicadas
e replenas de conteúdo. Por quê? Porque o corpo desenvolvido é mais fácil
de estudar do que a célula do corpo. Além disso, na análise das formas
econômicas não podem servir nem o microscópio nem reagentes químicos.
A faculdade de abstrair deve substituir ambos. Para a sociedade burguesa,
a forma celular da economia é a forma de mercadoria do produto do
trabalho ou a forma do valor da mercadoria. Para o leigo, a análise parece
perder-se em pedantismo. Trata-se, efetivamente, de pedantismo, mas
daquele de que se ocupa a anatomia microscópica.

Por isso, com exceção da parte relativa à forma do valor, não se
poderá acusar este livro de ser de difícil compreensão. Pressuponho,
naturalmente, leitores que queiram aprender algo de novo e queiram,
portanto, também pensar por conta própria.

O físico observa processos naturais seja onde eles aparecem mais
nitidamente e menos turvados por influências perturbadoras, seja fa-
zendo, se possível, experimentos sob condições que assegurem o trans-
curso puro do processo. O que eu, nesta obra, me proponho a pesquisar
é o modo de produção capitalista e as suas relações correspondentes
de produção e de circulação. Até agora, a sua localização clássica é a
Inglaterra. Por isso ela serve de ilustração principal à minha explanação
teórica. Caso o leitor alemão encolha, farisaicamente, os ombros ante
a situação dos trabalhadores ingleses na indústria e na agricultura
ou, então, caso otimisticamente se assossegar achando que na Alema-
nha as coisas estão longe de estar tão ruins, só posso gritar-lhe: De
te fabula narratur!40

Em si e para si, não se trata do grau mais elevado ou mais baixo
de desenvolvimento dos antagonismos sociais que decorrem das leis
naturais da produção capitalista. Aqui se trata dessas leis mesmo,
dessas tendências que atuam e se impõem com necessidade férrea. O
país industrialmente mais desenvolvido mostra ao menos desenvolvido
tão-somente a imagem do próprio futuro.

Deixemos, porém, isso de lado. Onde a produção capitalista se
implantou plenamente entre nós, por exemplo, nas fábricas propria-
mente ditas, as condições são muito piores do que na Inglaterra, pois
falta o contrapeso das leis fabris. Em todas as outras esferas, tortu-
ra-nos — assim como em todo o resto do continente da Europa ocidental
— não só o desenvolvimento da produção capitalista, mas também a
carência do seu desenvolvimento. Além das misérias modernas, opri-
me-nos toda uma série de misérias herdadas, decorrentes do fato de

OS ECONOMISTAS

130

40 De ti fala a fábula! — Das sátiras de Horácio. Livro Primeiro. Sátira 1. 12. (N. da Ed. Alemã).