fisioterapia_em_evidencia_3
50 pág.

fisioterapia_em_evidencia_3


DisciplinaFisioterapia6.991 materiais20.186 seguidores
Pré-visualização19 páginas
de aplicação limitar 
parcialmente o movimento 
de inversão e plantiflexão do 
tornozelo. 
Um estudo foi realizado 
para analisar a influência da 
bandagem funcional no tempo 
de reação do músculo fibular 
longo. Meurer et al. [22] 
estudaram oito indivíduos 
do sexo masculino, sem 
histórico prévio de lesões 
no tornozelo. A bandagem 
funcional foi realizada com 
esparadrapo não elástico, e 
sua aplicação foi do tipo bota 
fechada, sendo utilizada, 
para realizar o teste, uma 
plataforma com capacidade 
de inclinação de 30º, com 
o intuito de simular uma 
entorse lateral do tornozelo, 
e um eletromiógrafo; como 
resultado, houve a diminuição 
do tempo de reação do 
músculo fibular longo com 
a aplicação da bandagem, 
representando uma diferença 
estatisticamente significativa. 
Portanto, sugere-se que a 
profilaxia por bandagem 
de esparadrapo pode estar 
ligada também com o possível 
efeito proprioceptivo que a 
aderência do produto causa à 
pele. Esta possível justificativa 
para o efeito positivo do 
esparadrapo como bandagem 
funcional vai ao encontro da 
conclusão tirada por Meurer 
et al. [22], pois estes autores 
acreditam que a bandagem 
funcional possui efeito 
positivo no que diz respeito 
a um ganho proprioceptivo, 
pois relatam que isso se 
dá devido à ativação dos 
receptores cutâneos pelo 
íntimo contato do esparadrapo 
aplicado à pele, fazendo 
com que o sujeito, quando 
submetido à bandagem, 
possua melhor habilidade de 
responder a súbitas mudanças 
e instabilidades.
CONCLUSÃO
Conclui-se que a bandagem 
funcional, por meio da 
utilização de esparadrapo, 
tem resultados profiláticos no 
que diz respeito à prevenção 
de lesões por entorse de 
tornozelo em indivíduos sem 
histórico de lesões recentes.
Sugerem-se novas pesquisas a 
respeito do assunto, nas quais 
se possam analisar diferentes 
métodos de aplicação da 
bandagem, bandagem de 
outros materiais, pesquisa 
com mais sujeitos e 
comparação com mais grupos.
REFERÊNCIAS
1. COHEN, M.; ABDALLA, 
R. J. Lesões nos esportes: 
diagnóstico, prevenção, 
tratamento. 2. ed. Rio de 
Janeiro: Revinter, 2003. 937 p.
2. SAFRAN, M. R.; MCKEAG, 
D. B.; CAMP, S. P. Van 
(Org.) Manual de medicina 
esportiva. São Paulo: Manole, 
2002. 881 p.
3. CANAVAN, P. K.; 
GONÇALVES, J. de P.. 
Reabilitação em medicina 
esportiva: um guia 
abrangente. São Paulo: 
Manole, 2001. 408 p.
4. MOREIRA, P.; GENTIL, D.; 
OLIVEIRA, C.. Prevalência de 
lesões na temporada 2002 da 
Seleção Brasileira Masculina 
de Basquete. Revista Brasileira 
Revista FISIOTERAPIA EM EVIDÊNCIA \u2013 abril 2011 33
Artigo - 3
de Medicina do Esporte, São 
Paulo, v. 9, n. 5, p. 258-262, 
set./out. 2003.
5. HEBERT, S. Ortopedia e 
traumatologia: princípios e 
prática. 3. ed. Porto Alegre: 
Artmed, 2003. 1631 p.
6. STARKEY, C.; RYAN, 
J. L. Avaliação de lesões 
ortopédicas e esportivas. São 
Paulo: Manole, 2001. 564 p.
7. GRISOGONO, V. Lesões 
no esporte. 2. ed. São Paulo: 
Martins Fontes, 2000. 292 p.
8. ANDREWS, J. R.; 
HARRELSON, G. L.; WILK, 
K. E. Reabilitação física das 
lesões desportivas. 2. ed. 
Rio de Janeiro: Guanabara 
Koogan, 2000. 504 p.
9. DELIBERATO, P. C. P. 
Fisioterapia preventiva: 
fundamentos e aplicações. São 
Paulo: Manole, 2002. 362 p.
10. FIRER, P. Effectiveness of 
taping for the prevention of 
ankle ligament sprains. British 
Journal of Sports Medicine, v. 
24, n. 1, p. 47-50, mar.1990.
11. STASINOPOULOS, 
D. Comparison of three 
preventive methods in order 
to reduce the incidence of 
ankle inversion sprains among 
female volleyball players. 
British Journal of Sports 
Medicine, v. 38, n. 2, p.182-
185, april, 2004.
12. MARQUES, A. P. Manual 
de goniometria. 2. ed. São 
Paulo: Manole, 2003. 81 p.
13. LOUDON, J. K.; BELL, 
S. L.; JOHNSTON, J. M. 
Guia clínico de avaliação 
ortopédica. São Paulo: 
Manole, 1999. 238 p.
14. MAGEE, D. J. Avaliação 
musculoesquelética. 3. ed. São 
Paulo: Manole, 2002. 837 p. 
15. ANJOS, M. T. S. dos. et al. 
Efeito do uso do estabilizador 
Active Ankle System na altura 
do salto vertical em jogadores 
de voleibol. Revista Brasileira 
de Medicina do Esporte, São 
Paulo, v. 15, n. 5, p. 347-350, 
set./out. 2009.
16. SACCO, I. C. N. et al. 
Influência de implementos 
para o tornozelo nas respostas 
biomecânicas do salto e 
aterrissagem no basquete. 
Revista Brasileira de Medicina 
do Esporte, São Paulo, v. 10, n. 
6, p. 447-452, nov./dez. 2004.
17. CARDOSO, J. R. et al. 
Influência da utilização da 
órtese de tornozelo durante 
atividades do voleibol: 
avaliação eletromiográfica. 
Revista Brasileira de Medicina 
do Esporte. São Paulo, v. 11, n. 
5, p. 276-280, set./out. 2005.
18. MURPHY, D. F.; 
CONNOLLY, D. A.; 
BEYNNON, J. B. D. Risk 
factors for lower extremity 
injury: a review of the 
literature. British Journal of 
Sports Medicine, v. 37, n. 1, p. 
13-29, feb. 2003.
19. UBELL, M. L. et al. The 
effect of ankle braces on the 
prevention of dynamic forced 
ankle inversion. The American 
Journal Of Sports Medicine. v. 
31, n. 6, p. 935-940, 2003.
20. SHARPE, S. R.; KNAPIK, 
J.; JONES, B. H. Ankle braces 
effectively reduce recurrence 
of ankle sprains in female 
soccer players. Journal of 
Athletic Training, v. 32, n. 1, p. 
21-24, march,1997.
21. MICKEL, T, J., et al. 
Prophylactic brancing versus 
taping for the prevention 
of ankle sprains in High 
School athletes: a prospective, 
randomized trial. Journal of 
Foot and Ankle Surgery, v. 45, 
n. 6, p. 360-365, nov. 2006. 
22. MEURER, M. C. et al. 
Análise da influência da 
bandagem funcional de 
tornozelo no tempo de reação 
do fibular longo em sujeitos 
saudáveis. Revista Brasileira 
de Medicina do Esporte, São 
Paulo, v. 16, n. 3, p. 196-200, 
maio/jun. 2010.
23. FORTES, C. R. do N.; 
CARAZZATO, J. G.. Estudo 
epidemiológico da entorse 
de tornozelo em atletas de 
voleibol de alto rendimento. 
ACTA ORTOP BRAS, São 
Paulo, v. 16, n. 3, p. 142-147, 
2008.
34 Revista FISIOTERAPIA EM EVIDÊNCIA \u2013 abril 2011
Artigo - 4
Avaliação dos efeitos da cinesioterapia com 
bola suíça na satisfação sexual das mulheres
Evaluation of the Effects of the Swiss Ball Cinesioterapia Sexual 
Satisfaction in Women
Deise Camargo de Oliveira 1
Rafaela dos Anjos Lombardi 2
Káliber de Moraes 3
Cristiane Regina Gruber 4
1. Acadêmica de Fisioterapia da Faculdade 
Dom Bosco
deise_camargo@yahoo.com.br
2. Acadêmica de Fisioterapia da Faculdade 
Dom Bosco 
rafa_dyanjus@hotmail.com
3. Acadêmica de Fisioterapia da Faculdade 
Dom Bosco 
kalibermoraes@yahoo.com.br 
4. Mestre docente da Faculdade Dom Bosco 
cristiane_gruber@hotmail.com
Resumo
O presente estudo tem 
como objetivo verificar se a 
contração perineal associada 
a exercícios na bola suíça 
influencia na satisfação 
sexual feminina. Foram 
avaliadas vinte mulheres, 
divididas em grupos controle 
e experimental, com idade 
de 20 a 30 anos. Elas foram 
submetidas à avaliação 
ginecológica e perineometria, 
e responderam o questionário 
de GRISS, que avalia sete 
aspectos do funcionamento 
sexual feminino. Após a 
avaliação, as integrantes do 
grupo experimental foram 
submetidas à aplicação de 
um programa de exercícios 
utilizando-se bola suíça. 
Cada exercício era repetido 
dez vezes, mantendo a 
contração perineal por 15 
segundos cada. Os exercícios 
ocorreram durante seis 
semanas, três vezes por 
semana, com duração de 
vinte minutos. Por fim, foram 
reavaliados os dois grupos. 
Os resultados desse estudo 
foram obtidos pelo teste não 
paramétrico de Walsh, que 
identifica a diferença entre 
duas amostras relacionadas. 
Para comparação entre os 
grupos, foi aplicado o Teste 
Não Paramétrico U, de Mann-
Whitney, para duas amostras 
independentes, com o objetivo 
de verificar evidências de que 
os resultados de um grupo 
eram superiores a outro. 
Assim, os dados obtidos na 
pesquisa demonstraram que 
os exercícios realizados na 
bola suíça influenciam sobre 
a musculatura do assoalho 
pélvico, visto que na avaliação 
da perineometria, no item 
contração prolongada, houve 
diferença significativa, 
indicando melhora