fisioterapia_em_evidencia_3
50 pág.

fisioterapia_em_evidencia_3


DisciplinaFisioterapia6.864 materiais19.516 seguidores
Pré-visualização19 páginas
of Geriatric Revitalization 
can be an important resource 
of physiotherapy in the 
treatment of PD, influencing 
favorably the natural course 
disease.
Keywords: Parkinson\u2019s 
disease, physical therapy, 
geriatric rehabilitation.
Introdução
Dentre inúmeras 
patologias que acometem 
preferencialmente a 
população idosa, podemos 
Aline Rodrigues de Lima 1
Andressa Keler 2
Anna Laryssa Pedroso Wink 3
Tatiane Aparecida Lopes 4
Francisco Ernesto H. Zanardini 5
1. Graduanda da Faculdade Dom Bosco
alirodlima@gmail.com
2. Graduanda da Faculdade Dom Bosco
andrelek@hotmail.com
3. Graduanda da Faculdade Dom Bosco
anna.laryssa@gmail.com
4. Graduanda da Faculdade Dom Bosco
tatiane.fisioterapia@hotmail.com
5. Professor-mestre da Faculdade Dom Bosco 
deltaclinica@ibest.com.br
6 Revista FISIOTERAPIA EM EVIDÊNCIA \u2013 abril 2011
observar a doença de 
Parkinson como uma das 
patologias determinantes 
de declínio e incapacidades 
funcionais¹ (Freitas et al. 
2002). A doença de Parkinson 
é neurodegenerativa 
progressiva, e acomete cerca 
de 1% dos indivíduos com 
mais de 60 anos de idade, 
sendo homens e mulheres 
igualmente afetados. 
Segundo Kauffman (2001) 
caracteriza-se pela destruição 
de neurônios dopaminérgicos 
localizados na substância 
negra, provocando um 
quadro clínico constituído 
por acinesia, rigidez, tremor 
e instabilidade postural2. 
Esses achados, no decorrer do 
tempo, podem levar o sujeito 
a grandes incapacidades 
funcionais e até mesmo 
à dependência cinético-
funcional e das atividades de 
vida diária.
Observando os sinais e 
sintomas desta patologia, 
podemos ressaltar que a 
fisioterapia deve atuar em 
todos os estágios de evolução 
da doença, podendo utilizar-
se de diversas técnicas, 
métodos e procedimentos, que 
devem ter como finalidade 
proporcionar melhor 
qualidade de vida e/ou manter 
a independência cinético-
funcional dos indivíduos 
acometidos. 
Dentre os diversos métodos 
indicados para o tratamento 
da doença de Parkinson, 
encontra-se a técnica 
intitulada revitalização 
geriátrica, que representa 
um conjunto de ações 
fisioterapêuticas objetivando 
a reabilitação das funções 
perdidas pela doença ou 
Artigo - 1º
como forma preventiva, 
evitando maior declínio 
funcional ocasionado pela 
mesma, podendo interferir 
no curso natural da doença, 
proporcionando e melhorando 
a qualidade de vida e a 
capacidade funcional do idoso 
acometido por esta moléstia. 
A revitalização geriátrica, 
além de constituir uma técnica 
(ou conjunto de técnicas) 
preventiva e reabilitadora, 
converte-se, principalmente, 
em agente positivo para 
manter bons estados das 
condições de saúde de 
indivíduos idosos ou melhorá-
los ainda mais³ (Rebellato e 
Morelli, 2004).
Embasado nestas afirmações, 
o presente estudo foi efetuado 
entre os meses de junho e 
agosto de 2010 e teve como 
finalidade avaliar os efeitos 
da revitalização geriátrica na 
doença de Parkinson. Para 
isso, foram selecionados oito 
frequentadores da APPP 
de Curitiba, PR, do sexo 
feminino, portadores da 
doença de Parkinson, entre 
os estágios 0 a 2,5 conforme 
a escala de Hoehn e Yahr 
modificada.
Metodologia
O presente estudo, quanto 
aos seus objetivos, classifica-
se como pesquisa descritiva 
exploratória quantitativa 
e experimental4,5,6. Foram 
inclusas no estudo oito idosas 
com idade entre 60 e 80 anos 
e diagnóstico de doença de 
Parkinson. Frequentadoras da 
APPP, na cidade de Curitiba, 
apresentavam estabilidade 
clínica e não estavam 
realizando outro tratamento 
fisioterapêutico durante a 
pesquisa. 
Pessoas em estágio final da 
doença, com dependência 
cinético-funcional avançada, 
e demais enfermidades que 
perturbam o equilíbrio, 
como quadros de demência, 
síndrome de Parkinson Plus, 
parkinsonismo, doenças 
cardíacas não controladas, 
infecções e neoplasias, foram 
exclusas.
Para seleção dos indivíduos 
que estavam de acordo com 
os critérios de inclusão e 
exclusão, foi utilizada a escala 
de Hoehn Yahr modificada, 
sendo inclusos na pesquisa 
os que se apresentaram nos 
estágios de 0 a 2,5 da doença 
de Parkinson. A escala de 
Hoehn Yahr é utilizada para 
analisar o estágio da doença 
em que a pessoa se encontra. 
Como resultado, classifica 
a doença em cinco estágios, 
dentre eles o 0, caracterizado 
por ausência de sinais da 
doença, e 5, que caracteriza 
limitação à cadeira de rodas, 
cama, exceto se auxiliado.
Após escolhidos os 
indivíduos, de acordo com 
os métodos de inclusão e 
exclusão, foi apresentado 
o termo de Consentimento 
Livre Esclarecido, segundo a 
resolução 196/96 do Conselho 
Nacional de Saúde, que 
esclarece o estudo, assim como 
seus objetivos e os riscos e 
benefícios da técnica utilizada. 
Assinado esse termo, o 
estudo seguiu com uma 
avaliação inicial individual 
na APPP, utilizando uma 
sala cedida pela própria 
associação. Nessa avaliação, 
foi preenchida uma ficha de 
Revista FISIOTERAPIA EM EVIDÊNCIA \u2013 abril 2011 7
Artigo - 1º
avaliação fisioterapêutica 
para cada paciente, contendo 
dados pessoais, exame físico, 
atividades funcionais na 
associação e medicamentos 
em uso. Terminada essa etapa, 
foram aplicados testes e 
escalas para avaliar os sujeitos 
antes de iniciarem a técnica 
de revitalização geriátrica, 
com a finalidade de comparar 
os mesmos testes e escalas ao 
final do estudo. 
Foram usados os testes de 
Performance Física (TPF), 
de Equilíbrio de Berg e 
Cronometrado de Levantar e 
Ir (TUG).
Os sujeitos passaram pela 
avaliação e aplicação dos 
testes e escalas, e em seguida 
pela aplicação da técnica de 
revitalização geriátrica, que 
foi realizada duas vezes por 
semana, durante três meses, 
com duração entre 50 a 55 
minutos. A técnica foi aplicada 
em uma área clara e arejada, 
com piso antiderrapante, 
cedida pela associação.
A técnica começou com 
exercícios de aquecimento e 
alongamento dos principais 
grupos musculares, 
durante 5 a 7 minutos. Em 
seguida, foram trabalhados 
componentes de mobilidade 
e força. Os pesquisadores 
dedicaram-se, em todos os 
atendimentos, aos distintos 
segmentos corporais, e 
combinaram exercícios de 
força e mobilidade, com 
duração aproximada de 15 
minutos, utilizando recursos 
auxiliares como bastões, bolas, 
bambolês, faixas elásticas e 
halteres. Os exercícios foram 
iniciados em marcha lenta, 
aumentada gradualmente ,e 
foram finalizadoscom retorno 
gradual à marcha lenta, com 
duração aproximada de 3 
minutos. Neste momento 
do atendimento, houve 
um intervalo para que os 
sujeitos pudessem descansar 
e hidratar-se com água. Os 
15 ou 20 minutos restantes 
foram dedicados a exercícios 
de coordenação, agilidade 
e equilíbrio. Finalizou-
se o atendimento com 
exercícios respiratórios e de 
relaxamento. 
No primeiro atendimento, 
foram apresentados os 
objetivos do estudo aos 
frequentadores da APPP, 
desenvolvendo o primeiro 
contato com os indivíduos e 
aplicando a escala de Hoehnr 
Yahr e conforme os critérios 
de inclusão e exclusão 
foram selecionados oito 
participantes.
No segundo atendimento 
foram aplicadas, de forma 
individual, as escalas TPF, 
Berg e TUG, e confirmaram-se 
os dias de atendimento, que 
iniciou na semana seguinte.
A partir do terceiro 
atendimento, iniciou-se 
a aplicação da técnica de 
revitalização geriátrica, 
conforme descrita 
anteriormente, seguindo 
criteriosamente sua aplicação, 
entretanto, visando sinais 
e sintomas característicos 
da doença de Parkinson já 
citados, alguns exercícios 
foram realizados. Estes serão 
descritos a seguir e foram 
executados em quase todos os 
atendimentos.
1. Exercícios de 
mobilidade articular, 
principalmente com 
movimentos de grandes 
articulações, como ombro, 
quadril, joelho e coluna. 
Sendo que nos movimentos 
de coluna foi enfatizada a 
rotação e extensão. 
2. Treinos de marcha, 
equilíbrio e coordenação 
através de informações 
visuais por meio de 
marcadores sobre o solo, 
em formato de passos, em 
curvas e mudança súbita 
de direção, orientando 
os sujeitos a andarem de 
lado, com um pé na frente 
do