AULA 1 -Caracterizao da Ind Petroquimica
26 pág.

AULA 1 -Caracterizao da Ind Petroquimica

Disciplina:A Indústria do Petróleo e Gás130 materiais1.233 seguidores
Pré-visualização3 páginas
petroquímicos

 Países ricos em petróleo: Arábia Saudita, Canadá, Argélia e Noruega

 Mais recentemente, os países do Leste asiático entraram também na produção petroquímica, atingindo elevadas capacidades em curto espaço de tempo.

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

14

 Atualmente são poucos os países que não possuem pelo menos uma planta petroquímica.

A Petroquímica no Brasil
Em 1938 – O governo federal cria o CNP

(Conselho Nacional do Petróleo) - O Brasil( )
nacionaliza as atividades vinculadas ao petróleo e
abre os negócios à indústria privada.

A implantação da Indústria Petroquímica no
Brasil pode ser dividida em três fases:

Fase 1- A Iniciativa Privada

1947 – CNP autoriza aos fundadores do Grupo
União a instalação de uma unidade de refino em
Cap a a SPCapuava, SP.
1954 – Nasce a Refinaria União (hoje a atual
RECAP)

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

15

RECAP).

A Petroquímica no Brasil

1955 - Partida da Refinaria Presidente Bernardes

q

Cubatão (RBPC). Primeiro empreendimento estatal
Petroquímico - Fábrica de Fertilizantes de Cubatão
(FAFER) -1958.( )

Em torno da refinaria concentraram-se poucas
empresas todas de iniciativa privada, ficando
algumas áreas estratégicas, como fertilizantes em
poder do Estado.

1965 C i it d ól t í i1965 – Cria-se o conceito de pólo petroquímico
(idealização do profissionais da Refinaria União).

Em 1969 Nascem a Petroquímica União (PQU) e aEm 1969 – Nascem a Petroquímica União (PQU) e a
UNIPAR (União das Indústrias Petroquímicas S. A. –
uma empresa de capital aberto).

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

16

Em 1972 – A PQU iniciou sua operação.

A Petroquímica no Brasilq
Fase 2 - O Controle do Estado

Em 1967 - Criação da Petroquisa - Petrobrás Química S/A
(Lei 2004). Primeira subsidiária da Petrobrás, para
desenvolver e consolidar a indústria petroquímica no Brasildesenvolver e consolidar a indústria petroquímica no Brasil.
Pólo Petroquímico de São Paulo - Capuava, viabilizado pela
partida da Petroquímica União (PQU) - 1972p q ( )
Criação do Centro Industrial de Aratu - Bahia
Complexo Petroquímico de Camaçari (modelo tripartite)Complexo Petroquímico de Camaçari (modelo tripartite)
COPENE Petroquímica do Nordeste - 1972 (iniciou sua
operação em 1978).
Em 1982 - Pólo Petroquímico Triunfo - Rio Grande do Sul.
COPESUL Central de Matéria-Prima consumiu 60% dos US$

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

17

1,25 bilhão investidos no Pólo.

A Petroquímica no Brasilq
Fase 3 - Participação minoritária do Estado com

privatizaçõesprivatizações

Em 1992 e 1995 foram vendidas as participações do
Estado nas centrais petroquímicas encerrando o modeloEstado nas centrais petroquímicas encerrando o modelo
tripartite.

PQU privatizada em 1994 – grupo UNIPAR passou a serPQU privatizada em 1994 – grupo UNIPAR passou a ser
o maior acionista até dezembro de 2007.

COPESUL passou a ser controlada pelos gruposCOPESUL passou a ser controlada pelos grupos
Odebrecht e Ipiranga até dezembro de 2007.

Criação da BRASKEM em 2002 (antiga COPENE) -Criação da BRASKEM em 2002 (antiga COPENE)
Empresa de capital privado controlada pelo grupo
Odebrecht e Mariani até dezembro de 2007.

INTEGRA 1a E 2a GERAÇÕES

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

18

INTEGRA 1a E 2a GERAÇÕES

A Petroquímica no Brasil

Pólo gás-químico do RJ – RIOPOL (Rio Polímeros) entrou em

q
Fase 4 – A volta da participação do estado ao setor petroquímico

Pólo gás químico do RJ RIOPOL (Rio Polímeros) entrou em
operação em junho de 2005 gerando 500.000 t/ano eteno a partir do
etano do gás natural, 75.000 t/a de propeno e 540.000 t/a de
polietilenos. (Parceria Unipar, Suzano, Petroquisa e BNDESPAR)

INTEGRA 1a E 2a GERAÇÕES HOJE QUATTOR
Inicia-se o projeto da Refinaria Petroquímica de Itaboraí – Unidade deInicia se o projeto da Refinaria Petroquímica de Itaboraí Unidade de
Petroquímica Básica integrante do Complexo Petroquímico do Rio de
Janeiro (COMPERJ) com Investimento de US$ 8,3 bilhões.

Deverá partir em 2012 e usará o petróleo de Marlim (160 000 bpd)Deverá partir em 2012 e usará o petróleo de Marlim (160.000 bpd).

Produzirá 1,3 milhões t/a de eteno, priorizará o propeno com 900.000 t/a, além de
benzeno (360.000 t/a) , p-xileno (700.000 t/a), 800.000 t/a polietileno, polipropileno
(850.000 t/a), etc.

Integra Refinaria (fornecedora de matéria-prima), Central Petroquímica (1a
geração) e Plantas de segunda geração.

Marca a volta da Petrobrás ao ramo petroquímico, tendo como parceiros o BNDES

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

19

p q , p
e o Grupo Ultra.

INTEGRA REFINARIA, 1a E 2a GERAÇÕES

A Petroquímica no Brasilq

Reestruturação do setor petroquímico no país, entre o
final de 2007 e início de 2008:final de 2007 e início de 2008:

Na região sudeste:
A Petrobrás se associa a UNIPAR criando a QUATTOR queA Petrobrás se associa a UNIPAR criando a QUATTOR, que
passa a controlar (100%):

PQU
RIOPOL

Na região nordeste e sul:
A Petrobrás passa a ter 25% do capital total da BRASKEM

(30% do capital votante), que passa a controlar (100%):
BRASKEM (do nordeste)BRASKEM (do nordeste)
COPESUL

Poderá se constituir num DUOPÓLIO: BRASKEM e QUATTOR

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

20

Poderá se constituir num DUOPÓLIO: BRASKEM e QUATTOR

Estrutura societária
Estrutura Societária da PQU em 2008

COMPANHIAS % DO CAPITAL VOTANTE

QUATTOR
PARTICIPAÇÕES SA 82 3%PARTICIPAÇÕES SA
QUATTOR
PETROQUÍMCA

82,3%

8,45%

Estrutura Societária da QUATTOR
PARTICIPAÇÕES S.A. em 2008

COMPANHIAS % DO CAPITAL VOTANTE

UNIPAR 60%
Fonte: BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 21, p.75-104,
mar. 2005.

UNIPAR
PETROBRÁS
PETROQUISA

60%
31,9%

8,1%

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

21

Estrutura societária

Fonte: BNDES Setorial, Rio de
Janeiro, n. 21, p.75-104, mar. 2005.

E t t S i tá i d RIOPOL 2008Estrutura Societária da RIOPOL em 2008

COMPANHIAS % DO CAPITAL VOTANTE

QUATTOR
PARTICIPAÇÕES SA 100%

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. Rosenir

PARTICIPAÇÕES SA

Curso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

22

Estrutura societária
Estrutura Societária da BRASKEM a partir de 2008

Estrutura Societária da BRASKEM até 2007
COMPANHIAS % DO CAPITAL VOTANTE

COMPANHIAS % DO CAPITAL VOTANTE

Petrobrás e Petroquisa
Odebrecht

30
45

Odebrecht
Norquisa (Odebrecht)
Petroquisa

43,4
29,4

7,8 Odebrecht
Norquisa
Outros

45
15,1

9,7

Previ
Mariani
Petros
Mercado

2,9
3,4
2,9

10 2Mercado 10,2

Estrutura Societária da COPESUL até 2007
COMPANHIAS % DO CAPITAL VOTANTE

BRASKEM/Odebrecht
Ipiranga Petroquímica

29,5
Estrutura Societária da COPESUL a partir de

2008
COMPANHIAS % DO CAPITAL VOTANTE

(em 2007 – 60% Braskem
e 40% Petrobrás)

Petroquisa
Outros

29,5

15,6
25 5

BRASKEM +
Ipiranga (100% Braskem)

100

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

23

Fontes: BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 21, p.75-104, mar. 2005 e Folha on line (Agência Brasil) de 30/5/2008.

25,5

Principais matérias-primas para a indústria
petroquímicapetroquímica

 METANO (Gás Natural)
 ETANO
 GLP GLP
 NAFTA Petroquímica

Produzidos nas refinarias
dos pólos petroquímicos

 GASÓLEO

Principal