CCJ0006-WL-PA-12-Direito Civil I-Novo-15839
6 pág.

CCJ0006-WL-PA-12-Direito Civil I-Novo-15839

Disciplina:Direito Civil I9.716 materiais355.204 seguidores
Pré-visualização21 páginas
sua primeira noite de amor. No calor do momento, Jairo enterra uma das mãos no chão e segura um punhado de grãos de areia que resolve 
guardar como recordação daquele momento especial.
Ao voltar para a festa, Jairo tropeça num objeto semi-enterrado na areia, descobrindo que se trata de uma carteira de couro da grife Giorgio Armani contendo R$200,00.
Diante do caso acima relatado, responda:
a) Em razão do grande valor sentimental que aquele punhado de areia possui para Jairo, pertence ele a seu patrimônio? Por quê?
a)Como Jairo não conseguiu identificar o dono da carteira ela passa a fazer parte de seu patrimônio?  Por quê?
 
a)É possível, de acordo com o Direito Civil brasileiro, uma pessoa ser destituída de todo e qualquer patrimônio?
CASO CONCRETO 2

Noção de patrimônio.
Paula resolve entrar para uma comunidade religiosa em que os bens materiais individuais são considerados impuros. Somente pouquíssimos bens, essenciais, para a 
sobrevivência do grupo, são passíveis de serem aceitos e passam a pertencer à comunidade. Sua mãe, viúva, a adverte de que não poderá se desfazer de todos os seus 
bens por causa da teoria do estatuto jurídico do patrimônio mínimo.

a)     Paula poderá se desfazer do patrimônio que possui, herança de seu pai?
b)    A advertência da mãe de Paula está correta?

CASO CONCRETO 3

Classificação dos Bens.
Pertencente a uma expressiva coleção particular mineira - de onde nunca saíra antes a não ser para retrospectivas e salões de arte - a tela Casamento na roça, de Inimá de 
Paula, vai ao mercado. O leilão será no dia 16, na Vitor Braga Rugendas Galeria de Arte, em Belo Horizonte. A obra datada de 1947 traz no verso o carimbo do Salão 
Nacional de Belas Artes de 1949, onde obteve a medalha de prata. Lance inicial: R$ 230 mil.
Além dessa obra também serão leiloados: 137 calças blue jeans da grife Live Strond, um automóvel Lancia Astura, exemplar único, fabricado especialmente para o ditador 
italiano Benito Mussolini, em 1939, com desenho do ateliê Pininfarina, cinco anéis de brilhante, duas pulseiras de esmeraldas, os dois últimos lotes de vinho tinto da marca 
Merci Borreau, safra 1977, confiscados pela Receita Federal e um terreno de 2.000 m² localizado na Av. Paulista/SP.

a)     Levando em consideração a classificação dos bens, estabeleça a natureza jurídica dos bens objeto do leilão ?  JUSTIFIQUE sua resposta.
b)    As roupas referidas no caso acima são consideradas bens consumíveis ou inconsumíveis?

CASO CONCRETO 4

Classificação dos bens
Situada na aprazível cidade de Castro, região da zona rural do Paraná, a fazenda adquirida por Leonor Sigfrid Pandorf possui uma plantação de pinheiros que cobre a maior 
parte da área de 40.000 m², utilizada para a produção de celulose. Ocorre que Leonor resolve mudar de ramo e recebe autorização especial do IBAMA para transformar tudo 
em lenha.
 

a) Com base na classificação dos bens em móveis e imóveis, estabeleça a natureza jurídica das árvores da fazenda e da lenha conseguida pelo seu corte:
b) Qual a importância desta distinção?

Plano de Aula: 6 - DIREITO CIVIL I

DIREITO CIVIL I

Estácio de Sá Página 1 / 6

Título

6 - DIREITO CIVIL I

Número de Aulas por Semana

Número de Semana de Aula

6

Tema

OS BENS

Objetivos

·         Identificar os objetos das relações jurídicas apresentadas.
·         Compreender a noção jurídica de patrimônio
·         Perceber a distinção entre bens e coisas.
·         Reconhecer a classificação dos bens considerados em si mesmos.
·         Compreender a noção jurídica de fungibilidade dos bens.
·         Perceber a distinção entre bens móveis e imóveis.

Estrutura do Conteúdo

1 –   OS BENS - ELEMENTOS EXTERNOS DA RELAÇÃO JURÍDICA

          1.1 Os Bens Jurídicos.

          1.2 Conceito e Espécies.

1.3 Noção de patrimônio.

1.4  Distinção entre bens e coisas.

2 –   OS BENS CONSIDERADOS EM SI MESMOS

          2.1 Bens móveis e imóveis.

          2.2 Bens fungíveis e não fungíveis (ou infungíveis)

2.3 Bens consumíveis e não consumímeis.

2.4  Bens divisíveis e indivisíveis.

2.5  Bens singulares e Bens coletivos.

Segue abaixo uma sugestão de roteiro de apresentação do conteúdo programático:

OS  BENS .

As pessoas procuram nos bens, materiais ou imateriais, a satisfação de seus desejos e a realização de suas necessidades, em torno dos quais gravitam os interesses e 
os conflitos.

Um bem pode preencher uma necessidade de ordem material ou imaterial, sem perder o predicativo que a ordem jurídica reconhece como relevante, a exigir tutela. 

Para um melhor esclarecimento acerca da classificação adotada no Código Civil brasileiro, é importante diferenciar "coisa" e "bem".

Segundo Teixeira de Freitas[1], coisa tem por definição tudo aquilo que possui existência material, seja suscetível de valoração e, conseqüentemente, possa ser objeto de 
apropriação. Conclui-se que a noção de coisa conecta-se, a priori, à de substancia. 

Existem coisas que não são apropriáveis embora sejam úteis, sendo, portanto, denominadas res communes , dentre as quais podemos destacar o ar, a luz, as estrelas, o
mar. Assim, as coisas comuns são de todo mundo ao mesmo tempo em que não são de ninguém. Há também as coisas que podem ser apropriadas, porém não pertencem 
a ninguém, como é o caso dos animais de caça, dos peixes e das coisas abandonadas (res derelictae).

Tudo o que tem valor e, por esse motivo, adentra no universo jurídico como objeto de direito, é um bem. Evidencia -se, portanto que a utilidade e a possibilidade de
apropriação são o que dão valor às coisas, transformando-as em bens.

 Bem em o sentido de valor, utilidade ou interesse de natureza material, econômico ou moral, ou, em outras palavras, é tudo aquilo que é protegido pelo Direito, tendo ou 
não conteúdo ou valoração econômica.

Na terminologia jurídica, bens corresponde à res dos romanos, porém, nem sempre bens e coisa podem ser tidos em sentido equivalente,  porquanto há bens que não se 
entendem como coisas, e há coisas que não se entendem como bens.

Na compreensão jurídica, somente como bens podem ser compreendidas as coisas que tenham dono, isto é, as coisas apropriadas. Escapam, pois, ao sentido de bens, as 
coisas se dono (res nulius).

Desse modo, toda coisa, todo direito, toda obrigação, enfim, qualquer elemento material ou imaterial, representando uma utilidade ou uma riqueza, integrado no patrimônio 
de alguém e passível de apreciação monetária, pode ser designado como bens.

Difere-se também de patrimônio, que é o conjunto de bens de que alguém é titular, abrangendo todas as relações jurídicas passíveis de avaliação pecuniária e imputável a 
mesma pessoa. Fazem parte do patrimônio tanto os direitos como os deveres, tanto ativo, como o passivo. Excluem-se: os direitos da personalidade, direito a saúde, a 
liberdade, ao nome e os direitos de família puros, sem apreciação patrimonial (pátrio poder), incluindo-se   os que tenham expressão pecuniária, como o direito aos 
alimentos.

1 – BENS CORPÓREOS E INCORPÓREOS.

É inquestionável a possibilidade de as coisas físicas serem objeto de relações jurídicas. Assim, na propriedade de uma coisa qualquer (um carro, um relógio), o objeto será 
a própria coisa. Os incorpóreos são os que não têm existência tangível e são relativos aos direitos que as pessoas físicas ou jurídicas têm sobre as coisas, sobre os 
produtos de seu intelecto ou com outra pessoa, apresentando valor econômico, tais como os direitos reais, obrigacionais e autorais.

.2 - CERTAS COISAS INCORPÓREAS COMO OBJETO DE RELAÇÕES JURÍDICAS

São aqueles que não tem existência tangível e são relativos aos direitos que as pessoas físicas ou jurídicas têm sobre as coisas, sobre os produtos de seu intelecto ou 
contra outra pessoa, apresentando valor econômico, tais como: direitos reais, obrigacionais, autorais. Referimo -nos também aos chamados bens de personalidade:

 
art 5º- Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,