9aula
8 pág.

9aula

Disciplina:Direito Constitucional I7.763 materiais558.113 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Estados e do DF. Os senadores representam os estados-membros, daí porque cada unidade federativa tem igualmente 3. (DF tem 3 tb.)

Território não têm senador.

São escolhidos pelo sistema majoritário em único turno. O sistema majoritário é aquele em que será considerado vencedor o candidato que obtiver maior numero de votos em um único turno. Não há limites para reeleição, nem idade.

Cada candidatura é integrada por chapa de 3 pessoas. Logo, no caso de vaga, assumirá o 1º. Suplente e depois o 2º., e nunca o 2º. Colocado da eleição.

Idades mínimas – art. 14, p. 1º., CF. (deputado – 21, senador-35, governador – 30, vereador – 18 e presidente-35 anos).

A representação de cada Estado / DF será renovada de 4 em 4 anos; alternadamente por 1/3 e 2/3. o mandato do senado abrange 2 legislaturas – 8 anos – art. 46, p. 2o., CF.

Exemplo: na eleição de 1990 todos os Estados-membros elegeram 1 senador, permanecendo no Senado 2 senadores que haviam sido eleitos em 1986 (renovação 1/3); na eleição de 1994,foram eleitos 2 senadores, permanecendo na Casa somente os parlamentares que haviam sido eleitos em 1990 (renovação 2/3).

Atribuições do Congresso Nacional

Estas vem definidas nos arts. 48 e 49, da CF, sendo que o art. 48, exige a participação do Poder Executivo por meio da sanção presidencial (rol exemplificativo), enquanto que o art. 49, por se tratar de competência exclusiva do CN, serão tratadas somente no âmbito do Legislativo, por meio de decreto legislativo.

O art. 49 cuida de matéria da competência privativa do CN (sem sanção ou veto do presidente da Republica), cujo rol deve ser interpretado restritivamente (excepciona a regra geral de legalidade). O instrumento utilizado é o decreto-legislativo.

Art. 49, CF: Dentre as matérias da competência do congresso estão:

* resolver definitivamente sobre tratados, acordos e atos internacionais que tragam encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional;

****** autorizar o presidente a declarar guerra e declarar a paz, bem como permitir que forças estrangeiras transitem ou permaneçam em território nacional temporariamente (salvo casos previstos em lei complementar);

fixar subsídios idênticos para deputados e senadores observados o teto estabelecido para o ministro do STF, bem como fixar os subsídios do presidente de vice da Republica e dos ministros de estado (observado o teto do STF).

Julgar as contas do presidente da republica, sobre o que o TCU dá parecer (não julga) e a câmara toma as contas se não apresentadas voluntariamente em 60 dias após o inicio da sessão legislativa;

O TCU julga as contas de todos os poderes, inclusive executivo, mas no caso do Presidente da República ele apenas dá parecer;

Fiscalizar e controlar diretamente ou por qualquer uma de suas casas os atos administrativos do poder executivo, inclusive da administração indireta (os atos normativos são controlados com base no arts. 49, V, da CF 62 e 68, CF – típico da separação de poderes);

Apreciar atos de concessão e renovação desta de emissora de rádio e tv (aprovando ou rejeitando a indicação do executivo – art. 223, CF)

Escolher 2/3 dos membros do TCU (1/3 é pelo presidente da República)

Autorizar iniciativas do poder executivo em matéria nuclear;

Autorizar referendo e convocar plebiscito; a CF exige plebiscito apenas para a reorganização de estados e municípios. No entanto, eles podem ser realizados a qualquer tempo com fundamento no art. 1º., p.u., 14, I e II, 49, XV e na Lei 9708/98.

Autorizar a exploração e o aproveitamento de recursos hídricos e a pesquisa de labra de riquezas minerais em terras indígenas;

Aprovar previamente alienação ou concessão de terras públicas com área superior a 2500 hectares;

COMPETENCIAS DA CAMARA DOS DEPUTADOS

Art. 51, da CF – que deve ser interpretado restritivamente (já que a regra é a legalidade – art. 48, CF); o instrumento é a resolução. Dentre as competências há:

autorizar por 2/3 o inicio de processo contra presidente e vice da republica e ministros de estado; o processo pode ser criminal ou de responsabilidade (julgado pelo STF ou pelo Senado respectivamente. O ministro de estado será julgado pelo STF no crime comum ou de responsabilidade e pelo Senado no crime de responsabilidade , se conexo com o crime do presidente e vice.

Tomar as contas do presidente do republica quando não apresentadas ao CN após 60 dias do inicio da sessão legislativas; o TC é auxiliar no CN no controle externo das contas publicas, o TCU julga as contas de todos os poderes (executivo, legislativo e judiciário), mas no caso da presidência da republica apenas dá parecer, pois o julgamento cabe ao CN. A câmara apenas cobra as contas se não prestada no prazo (O SENADO NÃO TEM FUNÇAO ESPECIFICA).

Elaborar seu regimento interno e dispor sobre matéria interna corporis (dentre elas sua organização funcionamento, policia, criação, transformação ou extinção de cargos, empregos e funções).

São matérias reservadas exclusivamente as resoluções da câmara (não podem ser tratadas por lei).

COMPETENCIAS DO SENADO

Art. 52, da CF, deve ser interpretado restritivamente. O instrumento é resolução. Dentre as competências estão:
processar e julgar crimes de responsabilidade praticados pelo presidente e vice da republica (e também nos crimes conexos com esses, ministro de estado e comandantes das forças armadas). No caso dos comandantes das forças armadas não é necessária a previa autorização da câmara.

Processar e julgar crimes de responsabilidade praticados pelos ministros do STF, membros do CNJ e do CNMP, PGR e AGU; não é necessária autorização da Câmara;

Aprovar previamente por voto secreto após argüição publica (sabatina) a escolha de: magistrados, quando exigido pela constituição (ministros do STF, STJ e dos demais tribunais superiores); ministros do TCU quando indicados pelo presidente da republica (1/3), pois os outros 2/3 são indicados pelo CN; governador do território; presidente e diretores do BACEN; PGR - o senado também pode aprovar a sua exoneração de oficio (antes do termino do mandato) por maioria absoluta e voto secreto. O motivo não se confunde com o crime de responsabilidade (art. 52, II), razão pela qual envolve atuação funcional; outros cargos que a lei determinar (diretores de agencia reguladoras);

Aprovar por voto secreto após argüição secreta chefe de missão diplomática de caráter permanente;

Autorizar os limites gerais do endividamento publico interno e externo da união dos estados, do DF e dos municípios (limite global);

Controle de constitucionalidade repressivo após decisão definitiva do STF no controle difuso;

Elaborar seu regimento interno e dispor sobre matéria interna corporis (igual a câmara);

Avaliar periodicamente a funcionalidade do sistema tributário; a câmara também pode propor leis visando a eficiência do sistema tributário;

Art. 155 – prevê resoluções do senado dispondo sobre operações expostas ao ICMS (algumas aprovadas por 2/3 ou por maioria absoluta, inclusive com iniciativa privativa do presidente da republica).

OBS: não se exige autorização da câmara para a instauração de ações cíveis em face do presidente da republica. Com exceção do MS (impetrado no STF, as ações cíveis tramitam em primeira instancia – mesmo ação de improbidade administrativa que pode levar a perda do cargo – o STF entendeu que cargos políticos eletivos não se sujeitam a improbidade administrativa, mas a tendência é modificar o entendimento).

IMUNIDADES PARLAMENTARES – são prerrogativas outorgadas pela CF aos membros do CN, para que estes possam ter um bom desempenho de suas funções.

Estas prerrogativas estão vinculados a função e não a pessoa (por ex.: se o parlamentar se afasta do cargo para assumir a função de ministro de estado, não carregará as garantias, embora excepcionalmente possa carregar alguns impedimentos – José Dirceu foi penalizado por falta de decoro como deputado por ato exercido como ministro da Casa Civil).

As imunidades são de 2 tipos:

1. Imunidade Material – art. 53, caput, deputados e