Sociologia J. - Anotação (25)
7 pág.

Sociologia J. - Anotação (25)


DisciplinaSociologia Jurídica8.114 materiais63.010 seguidores
Pré-visualização2 páginas
PREPARATÓRIO PARA OAB
Professor: Dr. Flávio Tartuce
DISCIPLINA: DIREITO CIVIL
Capítulo 8 Aula 1
DIREITO DAS COISAS
Coordenação: Dr. Flávio Tartuce
01
Introdução e Posse
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
Quanto às principais diferenciações entre os direitos pessoais e o direito das coisas, interessante visualizar o 
seguinte quadro comparativo:
As obrigações reais ou "propter rem" (em razão da coisa) situam-se em uma zona intermediária entre o direito 
real e o direito obrigacional, sendo conceituadas como obrigações "híbridas" (Sílvio de Salvo Venosa). 
Surgem como obrigações pessoais de um devedor, por ser ele titular de um direito real, mas acabam 
aderindo mais à coisa do que ao seu eventual titular, caso da dívida de condomínio, conforme art. 1.345 do 
novo Código. 
2. Da posse
2. 1. conceitos INICIAIS
Existem duas grandes escolas que procuram delimitar o conceito de posse.
Aula 1
DIREITO PESSOAL DIREITO DAS COISAS
1.
 
Dualidade de Sujeitos:
 a) Ativo (credor)
 b) Passivo (devedor)
2. Regido pelo princípio da autonomia privada.
3. Segue rol exemplificativo, reconhecendo o
art. 425 NCC a possibilidade de novos
contratos, criados pela vontade humana.
4. Eficácia \u201cinter partes\u201d.
 Exemplo.: Contratos
1.
 
Apenas um Sujeito:
a) Ativo
2. Regido pelo princípio da publicidade.
3. Segue rol taxativo (\u201c numerus clausus\u201d) que
consta no art. 1.225 do novo Código Civil.
4. Eficácia \u201cerga omnes\u201d.
 
Exemplo.: Propriedade
02
A) Teoria subjetivista ou subjetiva, cujo principal defensor foi Savigny. A posse, para essa corrente, possui dois 
elementos: 
- "Corpus" - elemento material, poder físico ou de disponibilidade sobre a coisa.
- \u201cAnimus domini" - intenção de ter a coisa para si, de exercer sobre ela o direito de propriedade.
O novo Código Civil não adotou essa corrente. 
B) Teoria objetivista ou objetiva, cujo principal defensor foi Rudolf Von Ihering. Para constituir a posse, basta 
dispor fisicamente da coisa ou mera possibilidade de exercer esse contato. Dispensa a intenção de ser dono. 
A posse possui apenas um elemento, o "corpus", elemento material. 
Entendemos que o novo Código Civil adotou parcialmente a teoria objetivista de Ihering, de acordo com o 
que consta do artigo 1.196 da atual codificação. Dessa forma, o locatário, o comandatário, entre outros, 
para o nosso direito, são possuidores e como tais podem utilizar as ações possessórias, inclusive contra o 
proprietário.
O art. 1.196 do Código Civil define a posse como sendo o exercício pleno ou não de alguns dos poderes 
inerentes à propriedade. Portanto posse não depende de propriedade. O Código atual perdeu a 
oportunidade de trazer uma teoria mais avançada quanto à posse, aquela que considera a sua função Social 
(Raymond Saleilles). Entretanto, já adiantamos que tal teoria consta do Projeto nº 6.960/02, de autoria do 
Deputado Ricardo Fiúza, pelo qual o artigo 1.196 terá a seguinte redação: "considera-se possuidor todo 
aquele que tem poder fático de ingerência sócio-econômica, absoluto ou relativo, direto ou indireto, sobre 
determinado bem da vida, que se manifesta através do exercício ou possibilidade de exercício inerente à 
propriedade ou outro direito real suscetível de posse". A função social da posse, ademais, é implícita na 
codificação emergente, pela valorização da "posse trabalho", conforme arts. 1.238, Parágrafo Único; 
1.242, Parágrafo Único; e 1.228, §4º e 5º, todos do novo Código Civil. 
Não se pode confundir a posse com a detenção. O detentor ou fâmulo de posse detém a coisa apenas em 
virtude de uma situação de dependência econômica ou de um vínculo de subordinação. 
2. 2. CLASSIFICAÇÃO DA POSSE. 
- Posse direta (ou imediata) - aquela que é exercida por quem detém materialmente a coisa; poder físico 
imediato. 
- Posse indireta (ou mediata) - exercida através de outra pessoa, havendo mero exercício de direitos. 
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
03
- Posse justa - é a que não é violenta, clandestina ou precária, adquirida de forma legítima, sem vício jurídico 
externo (art. 1.200 do nCC)
- Posse injusta - é a posse adquirida viciosamente, por meio de violência, clandestinidade ou precariedade. 
São suas espécies:
a) Posse violenta - é a obtida através de esbulho, for força física ou violência moral. Assemelha-se ao crime de 
roubo. 
b) Posse clandestina - é a obtida às escondidas, às ocultas; assemelhada ao furto. 
c) Posse precária - é a obtida com abuso de confiança, não restituindo a coisa ao final do contrato. Tem forma 
assemelhada ao crime de estelionato ou à apropriação indébita.
ATENÇÃO: A posse violenta e a posse clandestina podem ser convalidadas, conforme art. 1.208, segunda 
parte, do nCC. A regra não se aplica à posse precária. Tal convalidação, para a posse violenta e clandestina, 
ocorrerá caso o possuidor anterior não ingresse com a ação possessória cabível no prazo de um ano e dia da 
ocorrência do esbulho ou turbação. 
- Posse de boa-fé - quando o possuidor ignora os vícios ou os obstáculos que lhe impedem a aquisição da 
coisa ou do direito possuído. 
- Posse de má-fé - situação em que alguém sabe do vício que acomete a coisa, mas mesmo pretende exercer 
domínio fático sobre a mesma, tendo o possuidor ciência do vício. 
- Posse com título ("jus possidendi") - situação em que há um documento representativo da transmissão da 
posse, como ocorre na vigência de um contrato de locação ou de comodato, por exemplo. 
- Posse sem título ("jus possessionis") - situação em que não há documento representativo da transmissão do 
domínio fático, como ocorre quando alguém acha um tesouro. 
- Posse nova - é a que conta com menos de um ano e um dia. Processualmente, se a invasão ocorreu há 
menos de um ano e um dia poderá o prejudicado ingressar com a ação de reintegração de posse pelo rito 
especial, pleiteando liminar "inaudita altera par" para desocupação - ação de força nova espoliativa 
(art. 924 CPC). 
- Posse velha - é a que conta com pelo menos um ano e um dia. Se a turbação, a ameaça e o esbulho forem 
"velhos", não caberá a "ação de força nova espoliativa", de rito especial e com pedido liminar, mas tão 
somente a "ação de força velha espoliativa", de rito ordinário, não cabendo o pedido liminar (art. 924 CPC). 
- Posse "ad interdicta" - consistindo regra geral, é a que pode ser defendida pelas ações possessórias, mas 
não conduz usucapião.
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
04
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em