Sociologia J. - Anotação (26)
9 pág.

Sociologia J. - Anotação (26)

Disciplina:Sociologia Jurídica e Judiciária1.804 materiais14.535 seguidores
Pré-visualização4 páginas
de tributação? Dizendo mais
claramente, o que poderiam ser normas específicas sobre prescrição e decadência, senão o estabelecimento

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”

www.r2direito.com.br

dos respectivos prazos?
Isso não significa dizer que a previsão do prazo previsto no CTN é despicienda. Pode, sim, ter

aplicação, só que apenas subsidiária. Caso a lei de tributação não preveja o prazo, aplica-se o CTN. Essa
conclusão resulta, inclusive, do disposto no parágrafo 4º do art. 150 deste Código, referente aos tributos
sujeitos ao lançamento por homologação, quando se verifica a expressão "se a lei não fixar prazo".

Destarte, as normas gerais estão limitadas às seguintes questões: a) método de contagem do prazo
prescricional; b) disposições sobre a interrupção e suspensão; e, c) regras de reinício do curso do prazo. Não
há, por conseqüência, qualquer inconstitucionalidade nos arts. 45 e 46 da Lei n. 8.213/91.

De acordo com o art. 45 do plano de custeio, o direito de a Seguridade Social apurar e constituir seus
créditos extingue-se após 10 (dez) anos.

O prazo decenal refere-se ao prazo que tem a Seguridade Social de lançar seu crédito, ou seja, de
formalizá-lo, conferindo-lhe existência e definindo-lhe suas dimensões valorativas.

Os termos iniciais desse prazo encontram-se fixados nos incisos do art. 45 e correspondem: a) ao
primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o crédito poderia ter sido constituído; e, b) à data em que se
tornar definitiva a decisão que houver anulado, por vício formal, a constituição de crédito anteriormente
efetuada.

Contudo, não se pode olvidar de que as contribuições previdenciárias estão sujeitas ao lançamento
por homologação, e de que o art. 150, § 4º do CTN prevê regra específica para os tributos sujeitos a essa
modalidade de lançamento, quando presente a satisfação parcial do débito.

O que se homologa não é o lançamento, mas o pagamento (ainda que parcial), provocando-se a
extinção total do crédito tributário, exceção feita às hipóteses dolosas consignadas no parágrafo 4º do art.
150 do CTN. Se o Poder Público permanecer inerte durante o período legal, contado do fato gerador, o
pagamento a menor, na prática, equivalerá a um pagamento total, haja vista a extinção do crédito tributário
remanescente pela decadência.

Por outro lado, inexistindo antecipação do pagamento (omissão total do pagamento), o termo a quo
será o primeiro dia do exercício seguinte ao da ocorrência do fato gerador (art. 173, I, CTN).

Essas regras foram alteradas pelo Superior Tribunal de Justiça, cuja 1ª Seção criou, a partir da
aplicação concorrente dos arts. 173 e art. 150, § 4º do CTN, a teoria dos cinco mais cinco.

Com a devida vênia a esta Egrégia Corte, essa interpretação contraria os ditames legais. Isso porque
os arts. 173 e 150, § 4º do CTN referem-se, respectivamente, a uma regra geral e a uma regra especial, não
sendo devida a sua aplicação conjunta.

Essa questão continua sendo alvo de controvérsia na 1ª Seção do STJ, que também já decidiu nos
seguintes termos: a) não havendo antecipação do pagamento, o termo inicial é o primeiro dia do exercício
seguinte àquele em que ocorreu o fato gerador, consoante a Súmula 219 do extinto Tribunal Federal de
Recursos; b) havendo antecipação parcial do pagamento, o termo inicial é a data da ocorrência do fato
gerador (art. 150, § 4º do CTN).

Assevere-se, finalmente, que a decadência, em regra, não admite suspensão ou interrupção durante
seu curso. A única exceção refere-se à hipótese constante do inciso II do art. 173 do CTN (ou inciso II do art.
45 da Lei n. 8212/91). A justificativa desta ressalva está em que se já houve o fato gerador, e o prazo anterior
é descontado, trata-se, induvidosamente, de interrupção da decadência.

O parágrafo primeiro do art. 45 da Lei n. 8.212/91 determina que, "para comprovar o exercício de
atividade remunerada, com vistas à concessão de benefícios, será exigido do contribuinte individual, a
qualquer tempo, o recolhimento das correspondentes contribuições."

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”

www.r2direito.com.br

05

06

Entrementes, os valores cobrados não ostentam natureza tributária, por não serem prestações
compulsórias. Dessa forma, o indivíduo pode abster de efetivar o pagamento, sem que isso provoque a sua
inscrição em dívida ativa e sua posterior execução forçada.

Em verdade, apesar de topicamente transparecer hipótese de perpetuidade decadencial, o parágrafo
1º do art. 45 da Lei n. 8212/91 traz um favor legal, conforme inclusive já decidiu a 1ª Seção do Tribunal
Regional Federal da 4ª Região.

A situação, segundo nos parece, é uma decorrência do princípio da exceção de contrato não
cumprido, previsto no art. 476 do Código Civil. Se o particular não cumpriu a sua obrigação de verter as
contribuições, não há como exigir do sistema previdenciário o implemento de sua obrigação, que é
conceder as prestações (benefício e serviços).

Trata-se, pois, de uma figura jurídica inominada, caracterizada pelos seguintes aspectos: a) não pode
ser exigida unilateralmente pela Fazenda Pública, o que afasta o seu caráter tributário e indenizatório; b) está
condicionada à comprovação do exercício de atividade laboral; e, c) tem a finalidade específica de
obtenção de benefício previdenciário.

É medida que se impõe, haja vista a necessidade de preservação do equilíbrio financeiro e atuarial do
sistema, sendo certo que a concessão gratuita da prestação previdenciária significaria forte incentivo às
práticas de sonegação e elisão fiscais; e ninguém pode beneficiar-se de sua própria torpeza.

De acordo com o art. 156, V, do CTN, a prescrição extingue o crédito tributário. Disso resulta que este
instituto, no direito tributário, apresenta traços característicos diversos daqueles do direito privado, na
medida em que deixa de fulminar não apenas o direito de ação, para extinguir o próprio direito do crédito.

Importantes conseqüências daí sobrevêm. Em primeiro lugar, se há a extinção do crédito tributário, o
seu pagamento é indevido, ensejando, consequentemente, em favor do interessando, o direito à repetição,
nos termos do art. 165, I, do CTN. Ademais, com a extinção da relação de direito material, cessa a causa
jurídica que fundamentaria a cobrança do crédito, podendo, então, o magistrado reconhecer de ofício a
dívida prescrita.

Desse modo, é de se concluir que a diferença fundamental entre a prescrição e a decadência no direito
tributário não se baseia nas conseqüências jurídicas de efetivação, pois ambas geram a extinção do direito
ao crédito. A real distinção está na fase do processo de positivação em que cada instituto se opera. Enquanto
a decadência opera na fase de constituição administrativa do crédito, a prescrição opera no momento do
exercício do direito de ação.

O termo a quo da prescrição é o momento da constituição definitiva do crédito, somente podendo
considerá-la definitiva, conforme entendimento dos Tribunais Superiores, após a notificação do contribuinte
acerca da decisão proferida no processo administrativo fiscal, consideradas eventuais defesas e recursos.

O art. 46 da Lei n. 8.212/91 estabelece prazo decenal para a cobrança dos créditos constituídos da
Seguridade Social, aqui se repetindo as mesmas considerações empreendidas