Sociologia J. - Anotação (29)
7 pág.

Sociologia J. - Anotação (29)


DisciplinaSociologia Jurídica6.491 materiais51.743 seguidores
Pré-visualização2 páginas
e cláusula penal, por exemplo).
 
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
04
5. DA NOVAÇÃO (art. 360/367 CC). 
A novação pode ser conceituada como uma forma de pagamento indireto em que ocorre a substituição de 
uma obrigação anterior, por obrigação nova, diversa da primeira, criada pelas partes da relação 
obrigacional primitiva. Seu principal efeito é de extinguir a dívida primitiva, com todos os acessórios e 
garantias, sempre que não houver estipulação em contrário. A novação não produz, como no pagamento 
direto, a satisfação imediata do crédito. 
São elementos essenciais da novação a existência de uma obrigação anterior e de uma nova obrigação, 
ambas válidas e lícitas. A intenção de novar ("animus novandi") é também pressuposto para a existência da 
novação, sem a qual não se pode falar no instituto. Prevê o art. 361 do novo Código Civil que o ânimo de 
novar pode ser expresso ou mesmo tácito. A novação tácita não constava da codificação anterior, entretanto, 
mesmo tácita prevê o código que a novação deve ser inequívoca. 
A novação pode ser assim classificada: 
Novação Objetiva ou Real: modalidade mais comum de novação, ocorre nas hipóteses em que devedor 
contrai com o credor nova dívida para extinguir a primeira. 
Novação Subjetiva ou Pessoal: quando se dá a substituição dos sujeitos da relação jurídica obrigacional, 
criando-se uma nova obrigação, com novo vínculo entre as partes. A novação subjetiva pode ser assim sub-
classificada
a) Novação Subjetiva Ativa: quando ocorre a substituição do credor, criando uma nova obrigação com o 
rompimento do vínculo primitivo. 
b) Novação Subjetiva Passiva: hipótese em que ocorre a substituição do devedor que sucede ao antigo, 
ficando este último quite com o credor. A novação subjetiva passiva, ou por substituição do devedor, pode 
ainda ser sub-classificada: 
b1) Novação Subjetiva Passiva Por Expromissão: quando um terceiro assume a dívida do devedor originário, 
substituindo-o sem o consentimento deste, mas desde que o credor concorde com a mudança no pólo 
passivo. 
b2) Novação Subjetiva Passiva Por Delegação: quando a substituição do devedor será feita com o 
consentimento do devedor originário, pois é ele quem indicará uma terceira pessoa para assumir com o seu 
débito, havendo concordância do credor. 
c) Novação Mista ou Complexa: quando, ao mesmo tempo, substitui-se o objeto e um dos sujeitos da 
relação jurídica obrigação. 
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
05
6. DA COMPENSAÇÃO (artigos 368/380 CC) 
Ocorre a compensação quando duas ou mais pessoas forem ao mesmo tempo credoras e devedoras umas 
da outras, extinguindo-se as obrigações até o ponto em que encontrarem. De acordo com a sua origem, a 
compensação comporta a seguinte classificação:
A) Compensação Legal - aquela que decorre de lei e independe de convenção entre os sujeitos da relação 
obrigacional, operando-se mesmo que uma delas não queira a extinção das dívidas. Para que ocorra a 
compensação legal, são necessários os seguintes requisitos: reciprocidade de débitos; liquidez das dívidas, 
que devem ser certas quanto à existência e determinadas quanto ao objeto e valor; exigibilidade atual das 
prestações, estando as mesmas vencidas e fungibilidade dos débitos, havendo identidade entre as naturezas 
das obrigações. 
B) Compensação Convencional - quando há um acordo de vontade entre os sujeitos da relação 
obrigacional. Na compensação convencional não há necessidade dos pressupostos acima apontados para 
a compensação legal. 
C) Compensação Judicial - por meio de decisão do Juiz que percebe no processo o fenômeno de extinção 
obrigacional. Em casos tais, é necessário que cada uma das partes alegue o seu direito contra a outra; o réu 
precisa ingressar com a reconvenção. 
7. DA CONFUSÃO (artigos 381/384 CC)
A confusão obrigacional é o concurso em uma mesma pessoa das qualidades de credor e devedor, por ato 
"inter vivos" ou "mortis causa", operando a extinção do crédito, pois ninguém pode ser credor e devedor de si 
mesmo.
A confusão pode ser assim classificada, de acordo com o que prevê o art. 382 do Código Civil:
A) Confusão total (ou própria) - quando se realizar em relação a toda dívida;
B) Confusão parcial (ou imprópria) - quando se operar em relação a parte da dívida.
8 DA REMISSÃO DE DÍVIDAS (artigos 385/388 CC) 
A remissão é o perdão de uma dívida, constituindo um direito exclusivo do credor de exonerar o devedor. 
Entretanto, pela regra contida no art. 385 do Código Civil atual, e que não encontra correspondente na 
codificação anterior, a remissão constitui agora um ato jurídico bilateral. 
O perdão pode ser expresso - quando firmado por escrito -, ou tácito - conduta do credor, prevista em lei 
incompatível com a conservação do direito. 
Conforme aponta a doutrina, não se pode confundir os institutos da renúncia (gênero) com remissão 
(espécie). A renúncia pode incidir sobre determinados direitos pessoais e é ato unilateral. A remissão só diz 
respeito a direitos creditórios e é ato bilateral.
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br