Equipamentos para amostragem
30 pág.

Equipamentos para amostragem


DisciplinaProcessamento de Minerais I211 materiais2.062 seguidores
Pré-visualização5 páginas
um grande número de ensaios segue próximo à curva 
de distribuição normal. Para se calcular o desvio padrão, utilizamos a fórmula abaixo: 
 
 
 
Sendo: 
\u3c3 = desvio padrão 
= a medida do valor 
 = valor médio 
 = desvio da média 
n = número de amostra tomada 
 
 
 
Boletim 1-104 
EQUIPAMENTOS PARA AMOSTRAGEM 
 
amostragem \u2013 conceitos fundamentais 
 
14/30 
 
5 - MÉTODO DO CÁLCULO PARA DETERMINAR O No. DE INCREMENTOS 
 
 
Com a distribuição normal nós encontramos 68,27 % de todos os valores considerando o 
desvio de +/- 1\u3c3 e 95,42 % para +/- 2\u3c3 e 99,73 % para +/- 3\u3c3. 
 
 
Baseado em leis da probabilidade e estatística, o número mínimo de incrementos de amostra 
primária é expresso em função da variabilidade e desvio padrão do material dentro de um erro 
aceitável. A fórmula abaixo nos mostra como calcular o número mínimo de incrementos: 
 
 
 
 
 
onde : 
 = número de amostra requerid 
 = o nível de confiança requerida 
\u3c3 = desvio padrão 
E = erro possível 
 
 
Tabela para determinação do nível de confiança k 
 
 % k 
 99,73 3 
 99 2,58 
 98 2,33 
 96 2,05 
 95,45 2 
 95 1,96 
 90 1,645 
 85 1,459 
 80 1,28 
 68,27 1 
 
 
 
Boletim 1-104 
EQUIPAMENTOS PARA AMOSTRAGEM 
 
amostragem \u2013 conceitos fundamentais 
 
15/30 
 
Por exemplo, para certa amostra cujo nível de confiança é 90 % com erro de 1% na 
variação, e tomando como base um desvio padrão de 6, teremos : 
 
 
 
Quanto maior o nível de confiança requerido ou desejado, maior será o número de 
incrementos, conforme abaixo, utilizando os mesmos dados acima : 
 
 
 
Isso é bem lógico, ou seja, quanto mais se quer uma amostra com maior índice de 
representatividade, maior deve ser a amostra coletada ao final de todos os incrementos. 
 
 
 
6 - REGRAS GERAIS PARA O PROJETO DO CORTADOR 
 
 
Como já vimos anteriormente, amostragem significa a retirada de uma pequena quantidade 
que seja representativa do lote. 
 
O cortador deve: 
\uf06e Dar às partículas do fluxo principal igual oportunidade de serem amostradas; 
\uf06e Atravessar o fluxo transversalmente a 90 graus; 
\uf06e Atravessar o fluxo em velocidade constante. 
 
 
6.1- ABERTURA DO CORTADOR 
 
A distância entre os extremos de abertura do cortador é de no mínimo 3 vezes o 
diâmetro da maior partícula. Para fluxo de polpa abaixo de 6 mesh, o diâmetro da 
abertura deve ser no mínimo 3/8\u201d (9.5 mm). 
 
Boletim 1-104 
EQUIPAMENTOS PARA AMOSTRAGEM 
 
amostragem \u2013 conceitos fundamentais 
 
16/30 
 
 
Fig. 7 - As aberturas dos amostradores lineares são paralelas e ajustáveis. 
 
 
Os cortadores podem ser angulares fixados no ponto de rotação como é o caso 
dos amostradores giratórios tipo Vezin. 
 
As lâminas do cortador são feitas de material resistente à abrasão e são fixadas no 
corpo do cortador. 
 
Os cortadores são fabricados com inclinação de 45 a 90 graus, isto para facilitar o 
escoamento do material. 
 
 
6.2 VELOCIDADE DO CORTADOR 
 
A norma ASTM D-2234 (Standard Method for Collecting a Gross Sample of Cool} 
limitou a velocidade em até 24 pol/s. 
 
A ENGENDRAR fabrica amostradores na faixa de 7.5pol/s até 30 pol/s. 
 
A velocidade influencia diretamente na quantidade de amostra requerida por corte. 
Quanto maior a velocidade do cortador, menor a quantidade de amostra coletada 
por corte. 
 
 
Boletim 1-104 
EQUIPAMENTOS PARA AMOSTRAGEM 
 
amostragem \u2013 conceitos fundamentais 
 
17/30 
 
Abaixo a fórmula para se determinar a quantidade de amostra requerida por corte, 
em amostradores lineares tipo vai-vem, sugerida pela Norma ISO-3082, relativo ao 
minério de ferro: 
 
 
 
onde : 
 = massa média do incremento, em kg; 
 = vazão do material em t/h; 
 = abertura entre facas em m; 
 = velocidade do cortador em m/s. 
 
A quantidade final de amostra coletada pode variar pelo ajuste da velocidade do 
cortador, abertura do cortador e intervalo de cortes. 
 
Para os amostradores giratórios tipo Vezin é usado a seguinte fórmula para 
determinar a quantidade de amostra por incremento, quando o mesmo não for 
contínuo: 
 
 
 
onde : 
 
Q = quantidade de amostra por período por galão ou libras; 
R = raio médio em polegada; 
P = fluxo do material em galão ou libra por período; 
W = abertura do cortador no raio médio em polegada; 
0,159 = constante 
 
Quando o amostrador for contínuo a quantidade de amostra coletada é em função 
do ângulo das facas, ou seja, se o cortador está trabalhando com ângulo de 18 
graus, isto significa 5% da circunferência, e então o amostrador vai coletar 5% de 
todo o material que estiver passando. 
 
 
Boletim 1-104 
EQUIPAMENTOS PARA AMOSTRAGEM 
 
amostragem \u2013 conceitos fundamentais 
 
18/30 
Os amostradores giratórios, quando usados em amostragem secundárias são 
colocados com 1, 2, 3 e 4 cortadores e conseguem desviar até 50% do fluxo. 
 
 
7- EQUIPAMENTOS DE AMOSTRAGEM 
 
Existem vários tipos de amostradores. Os mais usuais são fabricados pela 
ENGENDRAR, que são: 
\uf06e Amostradores automáticos lineares para sólidos; 
\uf06e Amostradores automáticos lineares para polpa; 
\uf06e Amostradores automáticos giratórios tipo Vezin; 
\uf06e Amostradores pneumáticos para dutos pressurizados. 
 
7.1- Amostradores automáticos lineares para sólidos 
 
São conhecidos como amostradores vai-e-vem e são instalados na descarga do 
transportador de correia. Fazem a coleta de amostra transversal ao fluxo de material. 
Consistem basicamente de uma caixa de acionamento e o cortador. 
 
 
A caixa de acionamento compreende: 
 
\uf06e Trem de acionamento: 
O acionamento do conjunto de corte carrinho de sustentação é feito através do 
sistema moto-freio-redutor-corrente de rolos. Um duplo pino fixado na corrente não só 
impulsionará o carrinho ao longo do curso, como também contrabalança a carga na 
corrente. 
 
\uf06e Barra redonda: 
Os amostradores possuem barras redondas fixadas lateralmente através de suportes 
aparafusados a base. Por essas guias (as barras redondas) se movimenta o conjunto 
móvel de corte. 
 
\uf06e Conjunto móvel de corte (carrinho de sustentação): 
É constituído por uma placa de arraste fixada em placa suporte, sendo um conjunto 
apoiado sobre quatro roletes, sendo dois rolando na guia superior e dois na guia 
inferior. Esta disposição proporciona uma excepcional rigidez e estabilidade ao 
conjunto móvel. Os roletes são providos de rolamentos blindados com lubrificação 
permanente. 
 
Boletim 1-104 
EQUIPAMENTOS PARA AMOSTRAGEM 
 
amostragem \u2013 conceitos fundamentais 
 
19/30 
\uf06e Base Suporte: 
Todo o mecanismo de acionamento será montado sobre base executada em chapas 
dobradas, rigidamente soldadas, devidamente dimensionadas para resistir aos 
esforços durante as operações. 
\uf06e Cortador: 
O cortador é do tipo desviador de fluxo com deslocamento transversal e perpendicular 
ao do material. Possuirá abertura regulável através de facas fundidas em Ni-hard ou 
inox, substituíveis, e sua carcaça será fabricada em chapas de aço carbono ou em 
ferro fundido. 
 
\uf06e Painel Elétrico: 
Quando solicitado pelo cliente, a ENGENDRAR poderá fornecer um painel elétrico 
que possuirá temporizador eletromecânico regulável de 0 a 60 min., sinalização de 
ligado/desligado e automático/manual. Terá ainda chave liga/desliga. 
 
Abaixo um desenho típico de Amostrador automático linear com cortador para sólidos: 
 
 
 
Fig. 8 - Amostradores Automáticos Lineares para sólidos: 
 
 
Boletim 1-104 
EQUIPAMENTOS PARA AMOSTRAGEM 
 
amostragem \u2013 conceitos fundamentais 
 
20/30 
 
7.2- Amostradores automáticos lineares para polpas 
 
Possui as mesmas características do amostrador para sólidos, somente difere o 
cortador, que é fabricado geralmente em ferro fundido e suas facas em Ni-hard. O 
comprimento das facas tem que ser no mínimo 2 vezes maior que o diâmetro do tubo, 
e abertura entre as facas no mínimo 3/8\u201d. 
 
Abaixo um desenho típico de amostrador automático linear para polpa : 
 
 
 
Fig. 9 - Amostradores Automáticos Giratórios tipo Vezin : 
 
7.3- Amostradores giratórios tipo vezin