PlanoDeAula_16
9 pág.

PlanoDeAula_16


DisciplinaDireito Penal I63.418 materiais1.031.988 seguidores
Pré-visualização3 páginas

	 
			
			 Plano de Aula: 16 - REVISÃ\u192O DIREITO PENAL I
			 DIREITO PENAL I
			
		
		
			Título
			16 - REVISÃ\u192O DIREITO PENAL I
			 
			Número de Aulas por Semana
			
				
			
			Número de Semana de Aula
			
				16
			
 
 Tema
		 REVISÃ\u192O DIREITO PENAL I
		
		 Objetivos
		 
O aluno deverá ser capaz de:
    ? Conhecer o plano de ensino da disciplina
   ? Reconhecer os princípios norteadores e limitadores do Controle Socio-Penal
   ? Compreender a relevância da subsunção das normas penais aos preceitos   constitucionais.
   ? Identificar e diferenciar os principias insitutos da Parte Geral do Direito Penal.
   ?  Aplicar os institutos previstos na parte geral do Código Penal aos crimes em espécie.
		
		 Estrutura do Conteúdo
	 
1.  A Ciência Penal. 
2. Princípios Norteadores, Garantidores  e  Limitadores Do Direito Penal    
3. Teoria da Norma Jurídico-Penal
4. Validade e Eficácia da Lei Penal no Tempo e No Espaço. 
5. Teoria do Delito
6. Do Fato Típico e seus Elementos
7. Ilicitude
8. Culpabilidade
9. Teoria do Erro
10. Concurso de Pessoas
	
	 Aplicação Prática Teórica
 
PRINCÃ\ufffdPIOS NORTEADORES, GARANTIDORES  E  LIMITADORES DO DIREITO PENAL
     1) Assinale a alternativa correta:
     a)O princípio da intervenção mínima do direito penal aplica-se somente no   momento da criminalização primária, pois no momento da criminalização secundária vige o princípio da obrigatoriedade e da indisponibilidade. 
    b)O princípio da proporcionalidade preconiza a idéia de que a punição deve guardar relação com o fato praticado. 
    c)A criminalização secundária consiste na individualização da pena.
 
2) De acordo com o princípio constitucional da legalidade:( OAB/SC)
a) Alguém só pode ser punido se, anteriormente ao fato por ele praticado, existir uma lei que considere o fato como crime.
b) A norma penal vigorará se for benéfica ao réu.
c) O ato anti-social só será punido se estiver consignado na Carta Magna.
d) Ninguém será privado de seus bens sem o devido processo penal.
 
3) Assinale a alternativa correta:
 a)De acordo com o princípio da legalidade, uma lei nunca pode retroagir para alcançar fatos anteriores à sua vigência 
b)A antiga expressão, já utilizada pelo nosso Código Penal, â\u20ac\u153mulher honestaâ\u20ac\ufffd feria o princípio da legalidade especificamente no aspecto nullum crimen nulla poena sine lege certa 
c) Não se inclui no âmbito do princípio da legalidade o respeito às formalidades necessárias para a edição de uma lei.
d)Ã\u2030 possível ao Presidente da República, em caso de relevância e urgência, editar medida provisória relativa a direito penal .
 
4) (Promotor de Justiça â\u20ac\u201c RO -2006) O principio da ultima ratio:
a) estabelece que, a elaboração de normas incriminadoras e função exclusiva da lei.
b) constitui-se em sistema descontinuo de seleção de ilícitos não sancionado todas as condutas lesivas dos bens mais relevantes.
C) praticamente erradica a responsabilidade objetiva enunciando que não há crime sem culpabilidade.
d) implica na irretroatividade da lei penal.
e) estipula que a criminalização de uma conduta só se legitima se constituir meio necessário para a proteção de determinado bem jurídico.
  
5) (Promotor de Justiça â\u20ac\u201c GO â\u20ac\u201c 2004) â\u20ac\u153 Em toda sociedade, por melhor organizada que seja, não tem a possibilidade de brindar a todos os homens com as mesmas oportunidades. Em conseqüência, há sujeitos que têm um menor âmbito de autodeterminação, condicionado desta maneira por causas sociais. Não será possível atribuir estas causas sócias ao sujeito e sobrecarrega-lo com elas no momento da reprovação de culpabilidade.â\u20ac\ufffd ( extraído do livro â\u20ac\u153Manual de Direito Penal Brasileiroâ\u20ac\ufffd, de Eugenio Raul Zaffaroni e Jose Henrique Pierangeli). O texto refere-se:
  a)     a aplicacão do principio da insignificância nos crimes de bagatela, excluindo-se a tipicidade material do crime.
b)     ao principio da adequação social, que trata da teoria da ação socialmente adequada ou aceita.
c)      a co-culpabilidade, que e o reconhecimento da co-responsabilidade da sociedade, tratando-se de atenuante genérica inominada, aplicável em nosso direito, nos termos do artigo 66 do Código Penal.
d)     Ao reconhecimento do erro de proibição inescusável, com as conseqüências previstas no artigo 21 do Código Penal.
 
6) (Promotor de Justiça â\u20ac\u201c DF- 2002) Julgue os itens a seguir.
I- No aspecto material, o principio da legalidade exige que as normas penais definam com precisão e de forma cristalina a conduta proibida.
II- São características das penas a legalidade, a personalidade e a proporcionalidade.
III- A fragmentariedade do direito penal indica que ele so deve atuar em ultima instância quando as outras formas de controle fracassarem ou se mostrarem inertes.
IV- Podem ser indicadas como condições mínimas para o legitimo exercício do controle penal no Estado Democrático de Direito: merecimento da pena, necessidade da tutela penal, adequação e eficácia dessa tutela.
A quantidade de itens certos e igual a 
 a)  1.
 b)  2.
 c)  3.
 d)  4.
 
TEORIA DA NORMA JURÃ\ufffdDICO-PENAL
7) Os princípios referentes à teoria do concurso aparente de tipos penais não incluem o princípio da: (33º Exame OAB/CESPE-UnB). 
a) consunção..
b) especialidade.
c) subsidiariedade
d) proporcionalidade.
 
VALIDADE E EFICÃ\ufffdCIA DA LEI PENAL NO TEMPO E NO ESPAÃ\u2021O.
 
8) ( Juiz de Direito â\u20ac\u201c MG- 2007) : A abolitio criminis, também chamada novatio legis, faz cessar:
 a) os efeitos secundários da sentença condenatória, mas não a sua execução;
b) a execução da pena e também os efeitos secundários da sentença condenatória;
c) somente a execução da pena;
d) a execução da pena em relação ao autor do crime. Entretanto, tratando-se de benefício pessoal, não se estende aos co-autores do delito.  
 
9) ( Promotor de Justiça- MG- 2003) A respeito da lei penal no tempo, marque a opção FALSA.
 a)     A denominada lei intermediaria, sendo a mais benéfica, retroagira em relação à lei anterior ( do tempo d;o fato) e será ao mesmo tempo, ultrativa em relação à lei posterior ( que a sucedeu antes do esgotamento dos efeitos jurídico-penais do acontecimento delitivo).
b)     A lei posterior, que deixa de considerar como crime uma determinada conduta, retroage para alcançar os fatos anteriores à sua vigência, ainda que definitivamente julgados.
c)      As leis excepcionais ou temporárias são ultrativas, ou seja, têm eficácia mesmo depois de cessada sua vigência, regulando os fatos praticados durante seu tempo de duração.
d)     Em decorrência do principio de legalidade, a lei penal não retroagira, salvo para beneficiar o agente.
 e) em virtude da abolitio criminis cessam a execução e os efeitos principais da sentença condenatória, como a imposição de pena, permanecendo os efeitos secundários, como a reincidência e a menção do nome do réu no rol dos culpados.
10) ( Promotor de Justiça- SP -2000) A expressão â\u20ac\u153abolito criminisâ\u20ac\ufffd significa
 a)     deixar o juiz de aplicar a pena quando as conseqüências da infração atingirem o agente de forma tão grave que a sanção se torne desnecessária.
b)     a possibilidade de absovilcao do agente  quando a norma tipificadora da infração penal caiu em desuso.
c)      revogação de norma que tipifica uma conduta como infração penal; ela não alcança os efeitos civis da condenação transitada em julgado.
d)     abolição da pena dos criminosos, mediante decreto do Presidente da Republica, normalmente editado no Natal.
e)     o mesmo que abolicionismo penal: corrente doutrinaria que propugna forma de descriminalização.
 
11) (Juiz de