Sociologia J. - Anotação (30)
9 pág.

Sociologia J. - Anotação (30)


DisciplinaSociologia Jurídica8.038 materiais62.293 seguidores
Pré-visualização2 páginas
contribuição até o momento da aposentadoria;
Id = idade no momento da aposentadoria;
a = alíquota de contribuição correspondente a 0,31.
TC
Tempo de contribuição em anos, meses e dias.
TC da mulher
É acrescido em 5 anos
TC do professor
É acrescido em 5 anos
TC da professora
É acrescido em 10 anos
ID
Idade do segurado em anos, meses e dias
EX
Expectativa de vida. Tempo que o IBGE espera que o segurado viva depois de aposentado
Vigência parcial do fator
O fator entrou em vigor, com uma regra de transição, em dezembro de 1999.
Vigência integral do fator
A partir de dezembro de 2004 entrou em vigor totalmente.
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
06
Definição
Tipos de benefício
Volta ao trabalho
Períodos de carência
Benefício pago à segurada que completou 60 anos de idade, e ao segurado que tenha 65 anos. 
Se forem trabalhadores rurais, serão 5 anos antes: 55 anos, para as mulheres e 60 anos, para os homens.
Existem dois: 
a) Espontâneo, requerido pelo próprio interessado; e 
b) Compulsório, promovido pela empresa (se o segurado tem 70 anos e a segurada com 65 anos) .
Quem se aposentar por idade pode voltar ao trabalho (e ali contribuirá, sem qualquer novo direito).
Tem três tipos de carência: a) quem vinha contribuindo antes de 24 de julho de 1991; b) quem começou a 
contribuir depois de 24 de julho de 1991; e c) quem, contribuiu no passado e voltou a contribuir depois de 
24 de julho de 1991.
Carência do que vem contribuindo antes de 24 de julho de 1991
Em 2004, o segurado terá de ter 138 contribuições. 
Um mínimo de 144 contribuições em 2005. 
Serão 150 em 2006, e assim por diante. 
Chega a 180 contribuições em 2011.
Carência do que começou a contribuir após 24 de julho de 1991
Serão 180 contribuições mensais (15 anos). 
Se nunca contribuiu, para ter direito com 60 anos, uma mulher precisa começar com 45 anos de idade.
Homem, precisaria começar com 50 anos de idade.
Carência do que pagou no passado e voltou a contribuir
Somando as mensalidades do passado com as atuais. Terá de seguir a mesma tabela de 138 contribuições 
em 2004, de 144 em 2005 e assim por diante. Até 180, em 2011. (tabela prevista no artigo 142 da Lei 
8213/91)
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
07
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
Cálculo do benefício 
Período básico de cálculo (PBC)
Salário-de-contribuição
Atualização monetária
Seleção dos salários
Fator previdenciário
Percentuais do benefício
Depende do: 1) período básico de cálculo; 2) salários-de-contribuição; 3) atualização monetária; 4) 
seleção dos 80 maiores salários; 5) média aritmética; 6) fator previdenciário; 7) salário-de-benefício; 8) 
percentual do segurado.
Se a pessoa pagava INSS deste antes de julho de 1994, serão os meses dessa data até o mês véspera do 
pedido. Se não trabalhava, desde o primeiro mês até o mês anterior ao pedido.
O INSS toma os salários que serviram de base para o cálculo da contribuição do trabalhador.
Separados esses salários-de-contribuição, o INSS os corrigirá monetariamente (em virtude da inflação), e os 
valores ficarão atualizados (como se não existisse inflação).
Depois da atualização monetária, o INSS selecionará os 80 maiores salários-de-contribuição.
Média dos salários-de-contribuição
Esses 80 maiores salários-de-contribuição serão somados e o total é dividido pelo número de meses (que 
variará em cada caso), obtendo uma média aritmética.
Se for conveniente ao segurado (é preciso fazer as contas), o INSS aplicará o fator previdenciário.
Finalmente, o INSS multiplicará o valor do salário-de-benefício pelo coeficiente do benefício, que, no caso, é 
de 70% mais 1% por ano de serviço.