A Industrializao alem no sculo XIX
36 pág.

A Industrializao alem no sculo XIX


DisciplinaHistória Econômica Geral1.483 materiais32.416 seguidores
Pré-visualização2 páginas
o total a entregar era de 2/3.
..Os camponeses beneficiários com as medidas uma minoria .
.. A maioria dos camponeses com pouca terra para subsistir com a sua família, e cuja saída seria a venda da força de trabalho (mercado).
17
. A Reforma Agrária foi:
Um processo complexo e prolongado (até 1872);
Beneficiou somente uma pequena parcela de camponeses, que puderam \u201cgranjear\u201d as suas fazendas, pagando uma renda (ao ex-senhor) por 25 anos;
 Proveitosa para os senhores, que alargaram as suas terras; quando os camponeses podiam pagar a sua emancipação, os senhores ficavam com a posse de reservas líquidas para comprar mais terras ou investir em obrigações do Estado (títulos com renda fixa).
18
. Os junkers e a Reforma Agrária:
Continuaram a dominar a cena rural;
Não tinham pressa em impulsionar mudanças que não o beneficiassem a manutenção do poder de justiça (até meados do século XIX) e político (até 1872).
. A Reforma Agrária com todos os problemas, lançou as bases para uma agricultura mais rentável e eficiente no Leste, fortalecendo a grande propriedade e favorecendo o camponês mais rico (frente ao mercado).
.. O aumento da produção agrícola produção de alimentos suficiente para a satisfação do aumento populacional no período 1816-1856 (de 25 milhões de hab. em 1820 para 40 milhões em 1840.
 
19
..O aumento populacional estava relacionado com:
A relativa paz no período;
Um governo estável;
Extensão do conhecimento médico;
Cultivo da batata;
. A crise agrária do Oeste alemão (1840) as deficiências de uma agricultura campesina, dificultada ainda mais com o crescimento populacional.
. . A crise principalmente, no Oeste alemão.
...O malogro das colheitas da batata e as fracas colheitas dos cereais.
.. Solução: a emigração ou a constituição do exército de mão-de-obra nas minas e fábricas.
20
. A reação dos camponeses a rebelião e a revolução de 1848.
.. A rebelião foi motivada:
Encargos legais e contratuais que substituíram a servidão;
 Nos locais, onde subsistiram os pagamentos feudais e senhoriais, a luta para a sua extinção.
. O camponês em 1848 não estavam interessados em reformas institucionais, e sim em mudanças agrárias (contra os contratos e os direitos de propriedade).
21
.. O descompasso entre os revolucionários (liberais e comunistas alemães) e os camponeses coube aos conservadores a reforma Agrária.
.. No Oeste a emancipação foi completada com a abolição dos pagamentos dos direitos;
.. No Leste a continuidade do recebimento das rendas pelos proprietários e os camponeses tornaram-se proprietários,com o recebimento das terras por herança. 
22
23
24
3.2 O Zollverein (1834) e a constituição do mercado interno
. A ação da burocracia prussiana na uniformidade administrativa a cobrança dos direitos alfandegários.
.. Em 1818 a adoção de uma tabela tarifária uniforme e medianamente protecionista para todos os territórios prussianos (a leste e a oeste).
. O Zollverein acordo entre os Estados que, por razões históricas e culturais, e que se encontravam \u201clivremente\u201d associados na Confederação Germânica.
25
.. A Confederação Germânica embora sob influência do Império Austríaco, o Zollverein foi uma invenção prussiana
. Zollverein união aduaneira que permitiu a constituição de uma única área de livre comércio.
. Zollverein fator de primeira grandeza na promoção do desenvolvimento econômico (capitalismo) alemão:
Alargou os limites legais do mercado (interno);
A livre circulação de mercadorias (fatores de produção);
 Reforçou os laços comerciais de diversas regiões;
Extinguiu velhos particularismos e diferenças locais.
26
27
3.3 A implementação da Ferrovia e a industrialização alemã
. A ferrovia complementação das potencialidades do Zollverein.
. A ferrovia produto de tecnologia industrial avançada para os padrões da Alemanha (1830/1840).
.. A ferrovia na Alemanha inicialmente contou: 
Capital estrangeiro;
Mão-de-obra qualificada, também estrangeira;
Material e equipamento estrangeiro.
Bancos privados alemães (pequena participação)
28
http://www.ieg-maps.uni-mainz.de/mapsp/mapebga0.htm
29
. O processo de substituição das importações na Alemanha pós-1850 o desenvolvimento da indústria pesada alemã (a vanguarda industrial).
. A relação entre a ferrovia e o Estado prussiano inicialmente, a desconfiança e a posição conservadora com relação a sua implementação (o receio da especulação/propriedade).
. O pós-1840/50 a importância da ferrovia para o transporte e expansão do mercado. 
30
http://www.ieg-maps.uni-mainz.de/mapsp/mapebga0.htm
31
. A importância da ferrovia para os militares/ proprietários de terras/burocracia prussiana o seu significado estratégico .
. A ação do Estado no incremento e implementação da ferrovia o projeto de Nação (a Segurança Nacional).
. O financiamento da ferrovia na Alemanha:
Ação do Estado (depois de 1871);
Capital externo
Financiamento interno, com a forte participação dos bancos (principalmente do grossbanker)
32
4. O Império e o pacto de 1879: a Lei das Tarifas e o protecionismo alemão
. A constituição do Império Alemão feito a \u201cferro e fogo\u201d (Otto von Bismark).
.. O Império as guerras contra a Dinamarca, Áustria e a França, que possibilitaram a unificação .
. As guerras aumentou a unidade da economia interna alemã o aparato militar-industrial .
33
Otto von Bismark, Chanceler alemão de 1871-1890.
34
O processo Bessemer e um produto industrial alemão: o canhão Krupp
35
. A crise econômica pós-1873 (a Grande Depressão do final do século XIX) e a sua repercussão sobre a Alemanha o fechamento (protecionismo) alemão e o pacto político estabelecido entre os empresários alemães e os junkers (prussianos).
.. O \u201cPacto pelo Alto\u201d a via prussiana.
. A Grande Depressão na Alemanha acelerou o processo de concentração/centralização do capital industrial e financeiro o avanço da integração horizontal _ o cartel.
 
36