aula_16
19 pág.

aula_16


DisciplinaDireito Penal I69.516 materiais1.138.657 seguidores
Pré-visualização2 páginas
DIREITO PENAL I
SEMANA 8 AULA 16
SEMANA 08.AULA 16.
 DA CONDUTA.
 DO TIPO CULPOSO.
SEMANA 8. AULA 16
\u25baOBJETIVOS DA SEMANA DE AULA.
\u2022 Conhecer o plano de aula.
\u2022 Identificar a culpa enquanto elemento normativo do tipo penal consoante
 a teoria finalista da ação.
\u2022 Analisar os elementos da culpa, suas modalidades e a previsibilidade
 objetiva do resultado para fins de responsabilização penal.
\u2022 Reconhecer a excepcionalidade do tipo culposo.
\u2022 Solucionar as situações nas quais haja conflito entre a conduta dolosa -
 dolo eventual e, culposa - culpa consciente.
\u2022 Reconhecer as figuras típicas dos delitos agravados pelo resultado.
SEMANA 8. AULA 16
EMENTA
1. Da Conduta Culposa.
2.1.Conceito. Natureza Jurídica
2.2. Elementos
2.3. Modalidades
2.4. Espécies
2.5 Crimes agravado pelo resultado: modalidades; o crime preterdoloso.
A excepcionalidade do tipo culposo.
(ART.18, parágrafo único, do Código Penal)
SEMANA 8. AULA 16
CÓDIGO PENAL
 ART.18. Diz-se o crime:
 II.culposo, quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, negligência ou
imperícia.
 (incluído pela lei n.7209, de 11.07.1984)
 CONTEÚDO.
Conceito. Natureza Jurídica.
Conduta culposa é aquela na qual o agente visa uma finalidade lícita, entretanto, ao realizá-la
 quebra o seu dever jurídico de cuidado vindo a produzir um resultado ilícito.
SEMANA 8. AULA 16
 A quebra do dever de cuidado pode ocorrer por meio
imprudência, negligência e imperícia \u2013 modalidades da culpa.
 Abrangência da expressão \u201cdever de cuidado\u201d.
 \u201c Significa analisar se o agente agiu com o cuidado
necessário e normalmente exigível (...) que deve ser aferido nas
circunstâncias concretas em que o fato ocorreu\u201d (BITENCOURT.
Cezar. Op.cit. pp.329).
O conceito de tipo culposo e a Teoria Finalista da Ação.
SEMANA 8. AULA 16
2.2. Elementos.
 I. INOBSERVÂNCIA DO DEVER DE CUIDADO.
II. PRODUÇÃO DE RESULTADO ILÍCITO.
III. PREVISIBILIDADE OBJETIVA DO RESULTADO.
IV. NEXO CAUSAL.
 \u201c Previsível é o fato cuja possível
 superveniência não escapa à perspicácia
 comum\u201d
(HUNGRIA, Nelson apud BITENCOURT, Cezar Roberto, op.cit.pp. 339)
SEMANA 8. AULA 16
2.3. Modalidades de Culpa.
Imprudência
Negligência
Imperícia
Conduta
Comissiva
Perigosa.
Conduta
omissiva
 Falta de capacidade,
aptidão, de conhecimentos
técnicos para o exercício
 de arte, profissão ou
 ofício.
SEMANA 8. AULA 16
2.4. Espécies de Culpa.
\u25ba Culpa Inconsciente.
\u25baCulpa Consciente.
SEMANA 8. AULA 16
2.5. Crimes Agravados pelo Resultado.
 Art. 19. Pelo resultado que agrava especialmente a pena, só responde o
agente que o houver causado ao menos culposamente. (Artigo com
redação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984)
dolo na conduta principal
Espécies.
culpa na conduta principal
culpa no resultado
dolo no resultado
 culpa no resultado
dolo no resultado
SEMANA 8. AULA 16
 CASOS CONCRETOS
É elemento do crime culposo: (34º Exame OAB/CESPE-UnB).
a) a observância de um dever objetivo de cuidado.
b) o resultado lesivo não querido, mas assumido, pelo agente.
c) a conduta humana voluntária, sempre comissiva.
d) a previsibilidade.
DISTINÇÃO ENTRE DOLO EVENTUAL E
 CULPA CONSCIENTE
SEMANA 8. AULA 16
 Com base nos estudos realizados sobre a distinção entre e
dolo e culpa, selecione,a opção correta. Responda de forma
justificada e indique o(s) respectivo(s) dispositivo(s) legal(is)
aplicáveis.
 a) Quando o agente deixa de prever o resultado que lhe era
previsível, fica caracterizada a culpa consciente e o agente
responderá por delito preterdoloso..
 b) Quando o agente, embora prevendo o resultado, não
deixa de praticar a conduta porque acredita, sinceramente,
que esse resultado não venha a ocorrer, caracteriza-se a
culpa inconsciente.
SEMANA 8. AULA 16
 c) Quando o agente pratica uma conduta, da qual advém um
resultado mais gravoso que o pretendido, sendo este
previsível, será responsabilizado penalmente por ambos os
resultados, ainda que não tenha assumido o risco de sua
produção.
d)Quando o agente, embora não querendo diretamente praticar
a infração penal, não se abstém de agir e, com isso, assume o
risco de produzir o resultado que por ele já havia sido previsto
e aceito, há culpa consciente.
SEMANA 8. AULA 16
 Leia o caso abaixo e responda à questão relacionada.
 Desenvolva sua fundamentação com base na leitura indicada no
 seu plano de aula e por seu professor.
 Tragédia. "Acidente deixa gravemente ferido deputado Fernando
 Carli Filho. Violenta colisão na madrugada matou dois jovens no
 bairro Mossunguê".
 Fonte: Redação Bem Paraná, disponível
 em http://www.bemparana.com.br, última atualização
 em 07/05/09 às 12:43
"Concluído pela polícia polícia paranaense o inquérito que
 investigava o acidente provocado pelo ex-deputado Fernando
 Ribas Carli Filho. Ele estava embriagado e dirigia seu carro a
 167 quilômetros por hora, quando, em 07 de maio, colidiu com
 outro veículo e matou duas pessoas. Carli Filho foi
SEMANA 8. AULA 16
 indiciado por duplo homicídio com dolo eventual".Fonte:
Revista Veja, Ed. Abril, edição 2126-ano 42-n.33, 19 de agosto
de 2009 - pp. 52 e 53.
Diante do caso apresentado por dois veiculos de comunicação
e, com base nos estudos realizados sobre os tipos penais
responda ao que se pede e desenvolva sua argumentação com
base na leitura de seu material didático.:
 a) Consoante a classificação dos tipos penais em dolosos e
culposos, diferencie dolo eventual e culpa consiciente.
 b) Diante dos dados constantes no inquérito policial e no
respectivo indiciamento, aplicar-se-á, caso, a Lei n.9503/1997
(Código de Trânsito Brasileiro) ou o Código Penal?
SEMANA 8. AULA 16
 SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
HC 91159 / MG - MINAS GERAIS .Relator(a): Min. ELLEN
 GRACIE. Julgamento: 02/09/2008 . Órgão Julgador:
 Segunda Turma
 Ementa. DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL.
HABEAS CORPUS. CRIME DE COMPETÊNCIA DO
TRIBUNAL DO JÚRI. "RACHA" AUTOMOBILÍSTICO.
HOMICÍDIODOLOSO.DOLOEVENTUAL.NOVA
VALORAÇÃO DE ELEMENTOS FÁTICO-JURÍDICOS, E
NÃO REAPRECIAÇÃO DE MATERIAL PROBATÓRIO.
DENEGAÇÃO. 1. A questão de direito, objeto de controvérsia
neste writ, consiste na eventual análise de material fático-
probatório pelo Superior Tribunal de Justiça, o que
eventualmente repercutirá na
SEMANA 8. AULA 16
 Configuração do dolo eventual ou da culpa consciente
relacionada à conduta do paciente no evento fatal
relacionado à infração de trânsito que gerou a morte dos
cinco ocupantes do veículo atingido. 2. O Superior Tribunal
de Justiça, ao dar provimento ao recurso especial
interposto pelo Ministério Público do Estado de Minas
Gerais, atribuiu nova valoração dos elementos fático-
jurídicos existentes nos autos, qualificando-os como
homicídio doloso, razão pela qual não procedeu ao
revolvimento de material probatório para divergir da
conclusão alcançada pelo Tribunal de Justiça. . O dolo
eventual compreende a hipótese em que o sujeito não quer
diretamente a realização do tipo penal, mas a aceita como
possível ou provável
SEMANA 8. AULA 16
 (assume o risco da produção do resultado, na redação do
art. 18, I, in fine, do CP). 4. Das várias teorias que buscam
justificar o dolo eventual, sobressai a teoria do
consentimento (ou da assunção), consoante a qual o dolo
exige que o agente consinta em causar o resultado, além
de considerá-lo como possível. 5. A questão central diz
respeito à distinção entre dolo eventual e culpa consciente
que, como se sabe, apresentam aspecto comum: a
previsão do resultado ilícito. No caso concreto, a narração
contida na denúncia dá conta de que o paciente e o co-réu
conduziam seus respectivos veículos, realizando aquilo
que coloquialmente se denominou "pega" ou "racha", em
alta velocidade, em plena rodovia, atingindo um terceiro
veículo (onde estavam as vítimas).
SEMANA 8. AULA 16
 6. extraia das circunstâncias do . Para configuração do dolo
eventual não é necessário o consentimento