CCJ0006-WL-PA-17-Direito Civil I-Antigo-34065
4 pág.

CCJ0006-WL-PA-17-Direito Civil I-Antigo-34065


DisciplinaDireito Civil I71.037 materiais815.274 seguidores
Pré-visualização9 páginas
não econômicos, e a última para designar as de objetivos econômicos. 
  
A Constitucionalização do Direito Civil 
Em relação a este item a ser desenvolvido pelo docente, uma sugestão é a de se começar afirmando que o Código Civil sempre representou o 
centro normativo de direito privado, por se preocupar em regular com inteireza e completude as relações entre particulares. Desta forma, o 
aluno sera instado a perceber que existia uma verdadeira cisão na estrutura jurídica liberal no sentido de que a Constituição apenas deveria se 
preocupar em regular a dinâmica organizacional dos poderes do Estado, enquanto que ao Código Civil era reservado o regime das relações 
humanas, o espaço sagrado e inviolável da autonomia privada.  
  
É exatamente nesta linha que surge a codificação de 1916, sendo fortemente influenciada pelo Código Napoleônico de 1804 e pelo BGB da 
Alemanha de 1896. Com aspirações de um jusnaturalismo racionalista, o Código Civil de 1916 defende os valores do patrimonialismo e de um 
excessivo individualismo inerentes às codificações liberais. (aqui vale recordar as noções sobre as diversas correntes jusnaturalistas que o 
aluno aprendeu em IED, no periodo anterior) 
  
Desta maneira, conferia-se ao Código o papel de garantia e regulação das relações privadas mediante a efetivação dos valores de um 
iluminismo liberalista. A codificação civil de 1916, então, surgiu impelida pelas idéias libertárias da burguesia ascendente, que visava à 
consolidação dos valores de um patrimonialismo e individualismo nas relações privadas. Assim, pelo liberalismo econômico, a Constituição 
exerceria um papel meramente interpretativo, somente podendo ser aplicada diretamente em casos excepcionais de lacunas dos códigos, a 
quem realmente caberia a missão de regular e equilibrar as relações inter-pessoais. 
Neste sentido, o Código Civil se transforma numa verdadeira constituição do direito privado, buscando proteger o indivíduo contra as 
ingerências do Estado.  
  
Importante ressaltar ao aluno, ainda que não seja o objetivo primordial desta aula,  que o Código Civil de 1916 surgiu com um século de atraso 
das codificações individualistas e voluntaristas da Alemanha e da França, onde já se iniciavam as demandas por um maior intervencionismo 
estatal e pelo controle dos desequilíbrios das relações econômicas. Mas, mesmo assim, o Código de 1916 permaneceu ancorado neste 
modelo abstrato e totalmente inerte a realidade social e a crescente complexidade das relações humanas.  
  
Esse excessivo individualismo e a liberdade sem limites ocasionaram grandes desigualdades sociais. Houve a necessidade de o Estado 
interferir nas relações de direito privado para minimizar essas desigualdades e limitar a liberdade dos indivíduos protegendo as classes menos 
favorecidas, em busca de uma igualdade substancial. 
  
Aos poucos o Código Civil vai perdendo o seu papel de \u201cConstituição\u201d do direito privado. A idéia de código concebido como um sistema 
fechado foi sendo destruída, surgindo diversas leis especiais e, ao poucos, o Direito Civil foi se fragmentando.  
  
Assim, a Constituição assume um novo papel de regência das relações privadas, conferindo uma nova unidade do sistema jurídico. A posição 
hierárquica da Constituição e sua ingerência nas relações econômicas e sociais possibilitam a formação de um novo centro unificador do 
sistema, definindo seus verdadeiros pilares e pressupostos de fundamentação.  
  
Desta forma, a constitucionalização do Direito privado não importa em apenas conferir à constituição a superioridade hierárquica conformadora 
do ordenamento jurídico, mas, acima disto, quer proporcionar uma releitura dos velhos institutos e conceitos do âmbito privado, visando à 
concretização dos valores e preceitos constitucionais. A Constituição passa, assim, a definir os princípios e as regras relacionados a temas 
antes reservados exclusivamente ao Código Civil e ao império da vontade, como a função social da propriedade, organização da família e 
outros. Assim, foi se derrubando o paradigma individualista do Estado Liberal e do cidadão dotado de patrimônio, e passou-se a adotar um 
novo paradigma. As constituições começaram a trazer em seu bojo regras e princípios típicos de direito civil e a valorizar a pessoa colocando-a 
acima do patrimônio. Passou-se a buscar a justiça social ou distributiva e, aos poucos, a liberdade foi sendo limitada, com a finalidade de se 
alcançar uma igualdade substancial. É importante distinguir, por fim, a Constitucionalização do Direito Civil da publicização do direito privado. 
Muitos doutrinadores confundem essas duas situações, mas elas são distintas. A primeira é a analise do direito privado com base nos 
fundamentos constitucionalmente estabelecidos. É a aplicação dos mandamentos constitucionais no direito privado. Já a segunda é o processo 
de intervenção estatal no direito privado, principalmente mediante a legislação infraconstitucional.  
  
Por fim, é importante que o professor destaque para o aluno que a norma constitucional, apesar da resistência de alguns setores da doutrina, 
passa a ser diretamente aplicável às relações privadas. Note-se que a Constituição, por ser um sistema de normas, é dotada de coercibilidade 
e imperatividade e, sendo assim, é perfeitamente suscetível de ser aplicada nas relações de direito privado. E aqui é importante exemplificar, 
utilizando, por exemplo o direito de família: 
  
A Constituição de 1988, refletindo as mudanças nas relações familiares ocorridas ao longo do século XX deu um novo perfil aos institutos do 
direito de família. 
  
Assim o novo CC teve que adaptar-se aos novos ditames constitucionais aprofundando-os: 
União Estável - reconhecida; 
Maioridade Civil \u2013 aos 18 anos;Regime de bens \u2013 pode ser alterado por acordo entre os cônjuges\u37e 
Exames de DNA para comprovação de paternidade \u2013 a recusa implica em reconhecimento da filiação \u37e 
Filhos nascidos fora do casamento \u2013 não há mais distinção entre filhos\u37e 
Guarda dos filhos em caso de separação -  os filhos podem ficar com o pai ou a mãe\u37e 
Testamento \u2013 não mais precisa ser feito à mão pelo testador\u37e 
Sucessão  - o cônjuge passa a ser herdeiro necessário. 
Aplicação Prática Teórica 
CASO CONCRETO 1 
 Em plena Copa do Mundo de Futebol, Augusto é torcedor fanático da seleção da Argentina. No setor que trabalha, há grande rivalidade 
\u201camistosa\u201d entre os funcionários, sendo que a maioria maciça é torcedora da seleção brasileira. Na tentativa de preservar-se um pouco mais, 
requereu que fosse reservado um local de trabalho para uso exclusivo seu e de outros colegas de trabalho que também torcem pelo país vizinho 
e por outras equipes, haja vista que os deboches e as provocações têm sido difíceis de suportar. Embasa sua pretensão no fato de o Código 
Civil dispor ser vedada a limitação de exercício de direitos sem expressa previsão legal, bem como a Constituição garantir a liberdade de 
expressão.  
Analise o caso concreto a partir dos seguintes tópicos: 
1)         Diante do exposto, poderíamos afirmar que a ausência de um  local reservado para Augusto poderia caracterizar lesão aos postulados 
constitucionais e legais? 
2)         O que é a constitucionalização do Direito Civil ? 
  
  
  
  
CASO CONCRETO 2 
A Indústria Farmacêutica XYZ coloca no mercado um eficaz remédio, recentemente descoberto pelos seus químicos, que neutraliza os efeitos 
da Síndrome da Imunodeficiência adquirida, conhecida como AIDS. O valor do medicamento inviabiliza a compra pela maior parte dos que 
sofrem da doença.  
É certo que a Lei 9.279/96, nos artigos 40 e 42, dispõe que o prazo será de 20 (vinte) anos para vigência da patente, ou seja, poderá o titular 
(Indústria farmacêutica XYZ), durante este tempo, usar, gozar, dispor e impedir terceiro de reproduzir a fórmula. Contudo, a Constituição Federal 
(art. 5º, XXIII ) e o Código Civil, artº 1.228, § 1º, reconhecem para o ordenamento pátrio o princípio da função social da propriedade, que tem 
natureza de cláusula geral.  
Pergunta-se: