aula_7

aula_7


DisciplinaDireito Civil I67.772 materiais748.095 seguidores
Pré-visualização1 página
*
*AULA 2
DIREITO CIVIL I
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
 
DIREITOS DA PERSONALIDADE
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
 1 DIREITOS DA PERSONALIDADE
 1.1 Teorias dos direitos da personalidade;
 1.2 O direito geral de personalidade; 
 1.3 Direitos de personalidade na constituição Federal de 1988; 
 1.4 Direitos de personalidade no Código Civil Brasileiro.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
NOSSOS OBJETIVOS
\u2022	Discorrer sobre as diversas teorias a respeito dos direitos da personalidade.
\u2022	Demarcar as posições doutrinárias divergentes quanto à existência de uma cláusula geral de personalidade no direito pátrio e comparado.
\u2022	Introduzir o entendimento da classificação dos diversos direitos da personalidade no Código Civil Brasileiro.
\u2022	Demarcar a normatização dos direitos da personalidade na Constituição Federal de 1988
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
A idéia dos direitos da personalidade está vinculada ao reconhecimento de valores inerentes à pessoa humana, imprescindíveis ao desenvolvimentos de suas potencialidades físicas, psíquicas e morais, tais como a vida, a incolumidade física e psíquica, o próprio corpo, o nome, a imagem, a honra, a privacidade, entre outros. 
DIREITOS DA PERSONALIDADE
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
A idéia, doutrina ou teoria dos direitos da personalidade, surgiu a partir do século XIX, sendo atribuída a Otto Von Gierke, a paternidade da construção e denominação jurídica . Porém, já nas civilizações antigas começou a se delinear a proteção à pessoa. 
Em Roma, a proteção jurídica era dada à pessoa, no que concerne a aspectos fundamentais da personalidade, como a actio iniuriarium, que era dada à vítima de delitos de iniuria, que poderia ser qualquer agressão física como também, a difamação, a injúria e a violação de domicílio (AMARAL, 2002).
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Mais tarde, o Cristianismo criou e desenvolveu a idéia da dignidade humana, reconhecendo a existência de um vinculo entre o homem e Deus, que estava acima das circunstâncias políticas que determinavam em Roma o conceito de pessoa - status libertatis, civitatis e familia (Amaral, 2000, p. 249). 
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Mas, se a hybris grega e a actio injuriarum podem ser consideradas a origem remota da teoria dos direitos da personalidade, de fato, foi na Idade Média que se criou uma noção moderna de pessoa humana, baseado na dignidade e na valorização do indivíduo como pessoa" (Szaniawski, 1993, p. 22). 
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Teorias dos direitos da personalidade
Renascimento
A condição humana antropocêntrica + imperiosidade da ordenação divina.
Relação indivíduo/sociedade e governado/governantes dentro do Estado.
Jus mais ligado à idéia de justiça e vontade humana
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Idéias humanistas individualistas e voluntárias contra idéias as medievais de que a pessoa não detinha qualquer poder sobre si mesmo (sécs. XV e XVI).
A mitificação dos direitos subjetivos e do direito geral de personalidade como ius in se ipsum.
Escola do Direito Natural 
Grócio, Hobbes, Pufendorf, Thomasius e Wolff
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Segundo os partidários do Direito Natural clássico, que vem de Aristóteles até nossos dias, passando por Tomás de Aquino e seus continuadores, os direitos da personalidade seriam inatos, o que não é aceito pelos juristas que, com o Renascimento, secularizaram o Direito, colocando o ser humano no centro do mundo geral das normas ético-jurídicas. 
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Teorias Negativistas  
As teorias negativistas dos direitos da personalidade consideravam a personalidade humana como algo muito abstrato. Não aceitavam a idéia de que a personalidade pudesse atuar como sujeito e objeto em uma relação jurídica, pois isso criaria uma contradição.
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Racionalismo e liberalismo 
As Idéias individual-contratualistas de Locke + sistema antropológico da E.D. Natural \u2013 liberdade individual e subjetivismo prevalecem sobre a ordem estabelecida.
Século XVIII - ILUMINISMO 
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Finalmente, a proteção da pessoa humana, veio consagrada nos textos fundamentais que se seguiram, como o Bill of Rights, em 1689, a Declaração de Independência das Colônias inglesas, em 1776, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, proclamada em 1789, com a Revolução Francesa, culminando na mais famosa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem, votada em 1948, pela Assembléia geral da ONU, que se constituem em verdadeiros marcos históricos da construção dos direitos da personalidade. 
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
A idéia dos direitos da personalidade está vinculada ao reconhecimento de valores inerentes à pessoa humana, imprescindíveis ao desenvolvimentos de suas potencialidades físicas, psíquicas e morais, tais como a vida, a incolumidade física e psíquica, o próprio corpo, o nome, a imagem, a honra, a privacidade, entre outros. 
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Fontes dos Direitos da Personalidade  
Direito Natural \u2013 A fonte desses direitos está na própria natureza humana, são direitos pré-existentes ao ordenamento jurídico. A positivação apenas garante esses direitos, dotando-os de coercitividade.
 Direito Positivo \u2013 Conceito de natureza humana e direitos inerentes à pessoa varia de acordo com aspectos de natureza histórica e étnica. É o único fundamento juridicamente legítimo dos chamados direitos da personalidade.
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Adriano de Cupis, esclarece que todos os direitos, na medida em que conferem conteúdo à personalidade, \u2018\u2018poderiam chamar-se direitos da personalidade. No entanto, na linguagem jurídica corrente, essa designação é reservada àqueles direitos subjetivos, cuja função, relativamente à personalidade, é especial, constituindo o \u2018minimum\u2019 necessário e imprescindível ao seu conteúdo. Ou seja, há certos direitos sem os quais a personalidade restaria completamente irrealizada, privada de todo o valor concreto\u2014 o que equivale a dizer que, se eles não existissem, a pessoa não existiria como tal\u2019\u2019. 
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
O direito geral de personalidade 
 Para os que defendem a idéia de um só direito geral da personalidade, este tem a função de uma lex generalis da ordem jurídica (é o caso do direito português) em relação a outros especiais direitos de personalidade, como por exemplo, o direito ao nome, os quais são leges speciales. 
O direito geral da personalidade é um direito-mãe e aplica-se subsidiariamente aos direitos especiais de personalidade, nas hipóteses não reguladas por estes.
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
A distinção entre direitos 
fundamentais e direitos de personalidade 
Ascensão ensina que: \u201cNão são termos equivalentes.Os direitos da personalidade são aqueles direitos que exigem em absoluto reconhecimento, porque exprimem aspectos que não podem ser desconhecidos sem afetar a própria personalidade humana.O acento dos direitos fundamentais é diferente. Demarcam muito em particular a situação dos cidadãos perante o Estado. É assim a categoria cidadão que está em causa. 
SEMANA 4 AULA 7
*
*AULA 2
Direitos da Personalidade \u2013 Foram criados para proteger os indivíduos de si mesmos e de terceiros (direito privado).
Direitos Fundamentais \u2013 Foram criados para proteger os indivíduos do Estado (direito público).
Essa distinção já não faz muita diferença. Atualmente, prevalece a idéia de uma proteção unificada da pessoa humana.
SEMANA 4 AULA 7