2 hidrologia_hidrograma_unitario
48 pág.

2 hidrologia_hidrograma_unitario


DisciplinaHidrologia5.618 materiais34.098 seguidores
Pré-visualização9 páginas
de tempo da coluna) pelas subáreas (áreas das isócronas), divididas pelo intervalo de tempo 
adotado (1 hora, pois as isócronas estão neste intervalo). Observa-se que coluna está desfasada 
em relação a coluna anterior, para que a chuva que iniciou no instante, por exemplo, 2 horas, 
comece a contribuir no instante t = 2 horas e assim por diante. 
 
Coluna 8: Para se obter a vazão resultante de cada instante basta somar as vazões de cada linha, 
por exemplo, para t = 2 horas, soma-se as vazões da linha de t = 2 horas. 
 
Coluna 9: Transformação de unidade das vazões da coluna 8 (mm.km2/h) para m3/s. Para tal 
transformação a coluna 8 foi multiplicada por 0,278 m3/s. 
 
 
2) Reservatório linear: 
 
 
Coluna 10: Para amortecer o hidrograma no reservatório linear, utiliza-se a equação: 
Q2 = mo.I1(= mo.Hexc1) + m1.I2(=m1.Hexc2) + Q1 
 
 
onde: 
mo = m1 = (0,5.t)/(k + 0,5.t), k = 2 horas (dado do problema) 
 
 
Os valores de Q são obtidos por recorrência da equação acima. 
 
 
PHD-307 Hidrologia Aplicada 
Hidrograma Unitário 
 
 
 
Prof. Dr. Rubem La Laina Porto Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Eng. Silvana Susko Marcellini 
31
Tabela: 
1 2 3 4 5 6 7 8 9 
Hexc 
(mm) 
5,00 10,00 20,00 15,00 10,00 5,00 
Tempo 
(h) 
Vazões 
Parciais 
(mm. 
km2)/h 
Vazões 
Parciais 
(mm. 
km2)/h 
Vazões 
Parciais 
(mm. 
km2)/h 
Vazões 
Parciais 
(mm. 
km2)/h 
Vazões 
Parciais 
(mm. 
km2)/h 
Vazões 
Parciais 
(mm. 
km2)/h 
Vazão 
Total s/ 
amortec 
(mm. 
km2)/h 
Vazão 
Total s/ 
amortec 
(m3/s) 
0 0 0 0,0 
1 125 125 34,7 
2 150 250 400 111,1 
3 75 300 500 875 243,1 
4 150 150 600 375 1275 354,2 
5 0 300 300 450 250 1300 361,1 
6 0 600 225 300 125 1250 347,2 
7 0 450 150 150 750 208,3 
8 0 300 75 375 104,2 
9 0 150 150 41,7 
10 0 0 0,0 
11 0,0 
12 0,0 
13 0,0 
14 0,0 
15 0,0 
16 0,0 
17 0,0 
18 0,0 
 
 10 
Tempo(h) Vazão Total com amortec.(m3/s) 
0 0,0 
1 6,9 
2 33.3 
3 90,8 
4 173,9 
5 247,4 
6 290,1 
7 285,2 
8 233,6 
9 169,3 
10 109,9 
11 66,0 
12 39,6 
13 23,7 
14 14,2 
15 8,5 
16 5,1 
17 3,1 
18 1,8 
 
 
c) Método de Santa Bárbara. 
 
PHD-307 Hidrologia Aplicada 
Hidrograma Unitário 
 
 
 
Prof. Dr. Rubem La Laina Porto Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Eng. Silvana Susko Marcellini 
32
 
5. Bibliografia 
 
Chow, Maidment & Mays, Applied Hydrology, McGraw-Hill Book Company, 1988. 
 
Pinto, N. L e outros, Hidrologia Básica, Editora Edgard Blucher, São Paulo, 1977. 
 
Tucci, Carlos E. M., Hidrologia, Ciência e Aplicação, EPUSP, 1986. 
 
Tucci, C.E.M.; Porto, R.L.L.; Barros, M.T. Drenagem Urbana. Editora da 
Universidade/ ABRH/ UFRGS, 1995. 
 
Wanielista, Martin, Hidrology and Water Quantity Control, John Wiley & Sons, 1990. 
 
Wilson, E. M., Engineering Hydrology, The Macmillan Press Lta, 1971. 
 
 
 
PHD-307 Hidrologia Aplicada 
Hidrograma Unitário 
 
 
 
Prof. Dr. Rubem La Laina Porto Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Eng. Silvana Susko Marcellini 
33
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Anexos 
PHD-307 Hidrologia Aplicada 
Hidrograma Unitário 
 
 
 
Prof. Dr. Rubem La Laina Porto Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Eng. Silvana Susko Marcellini 
34
 
1.2 Alguns conceitos importantes 
 
Vazão 
 
\u201cCorresponde ao volume de água escoado na unidade de tempo através de uma 
determinada seção de um curso de água.\u201d(Souza Pinto, 1976) 
 
 
Hidrograma 
 
É a denominação dada ao gráfico que relaciona a vazão em uma dada seção de um 
curso de água em função do tempo. 
 
Escoamento Superficial Direto (ESD) 
 
Corresponde à parcela da precipitação que escoa sobre a superfície do solo. 
 
 
Coeficiente de Deflúvio 
 
\u201cÉ a relação entre a quantidade total de água escoada pela seção e a quantidade total 
de água precipitada na bacia hidrográfica.\u201d(Souza Pinto, 1976). Também pode ser 
denominado por coeficiente de escoamento superficial ou coeficiente de runoff. 
 
Chuva Efetiva 
 
Corresponde à parcela da precipitação que gera o escoamento superficial, também 
chamada de chuva excedente. 
 
 
Tempo de retardo (tl) 
 
\u201cDefinido como o intervalo de tempo entre o centro de massa da precipitação e o 
centro de gravidade do hidrograma.\u201d(Tucci, 1993) 
 
Tempo do pico (tp) 
 
\u201cÉ o intervalo de tempo entre o centro de massa da precipitação e o pico de vazões do 
hidrograma.\u201d(Tucci, 1993) 
 
Tempo de concentração (tc) 
 
\u201cTempo de concentração relativo a uma dada seção de um curso de água é o intervalo 
de tempo contado a partir do início da precipitação para que toda a bacia hidrográfica 
correspondente passe a contribuir na seção de estudo. Corresponde à duração da 
trajetória da partícula de água que demore mais tempo para atingir a seção por 
escoamento superficial direto.\u201d(Souza Pinto, 1976) 
PHD-307 Hidrologia Aplicada 
Hidrograma Unitário 
 
 
 
Prof. Dr. Rubem La Laina Porto Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Eng. Silvana Susko Marcellini 
35
 
Existem várias fórmulas empíricas de tempo de concentração que relacionam as 
características físicas (como a declividade do rio, comprimento do rio principal) com o 
tempo de concentração. 
 
 
Tempo de ascensão (tm) 
 
\u201cÉ o tempo entre o início da chuva e o pico do hidrograma.\u201d(Tucci, 1993) 
 
Tempo de base (tb) 
 
\u201cÉ o intervalo de tempo de duração do escoamento superficial direto, corresponde ao 
trecho AC. Figura 1.2 
 
Tempo de recessão (te) 
 
É o intervalo de tempo entre a vazão máxima e o ponto C (caracterizado pelo término 
do escoamento superficial). 
 
 
Figura 1.2: Caracterização de um hidrograma 
 
PHD-307 Hidrologia Aplicada 
Hidrograma Unitário 
 
 
 
Prof. Dr. Rubem La Laina Porto Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Eng. Silvana Susko Marcellini 
36
2.3 Separação dos escoamentos de um hidrograma 
 
\u2022 \u201cReservatório Linear\u201d 
 
A bacia hidrográfica pode ser representada simplificadamente por dois reservatórios 
lineares .Para o trecho de recessão do hidrograma, o reservatório que representa o 
escoamento superficial direto não contribui mais com o escoamento, portanto, a 
bacia fica representada apenas pelo reservatório subterrâneo (figura 2.3). 
 
 
Figura 2.3: Caracterização do Reservatório Linear 
 
No conceito de reservatório linear, que explica razoavelmente alguns fenômenos 
hidrológicos, o armazenamento (S) é diretamente proporcional à vazão: 
 
QKS .= (Eq.2.1) 
 
onde k é uma constante do reservatório, chamada coeficiente de armazenamento. 
 
Pela equação da continuidade, sabe-se que a diferença entre vazão afluente ao 
reservatório (I) e a efluente (Q) é a taxa de variação do armazenamento ao longo do 
tempo, (figura 2.3), isto é: 
 
dt
dSQI =\u2212 (Eq.2.2) 
Substituindo a equação (Eq.2.1) e (Eq.2.2), obtém-se: 
 
dt
dQKQI .=\u2212 (Eq.2.3) 
Para o trecho de recessão do hidrograma, há apenas contribuição do escoamento 
básico, pois o afluxo (I) é igual a zero, pois o primeiro reservatório está vazio (não há 
mais ESD) a partir de um instante to, em que cessa a contribuição do armazenamento 
superficial. Desta forma, a equação (2.3) pode ser representada na forma: 
 
dt
KQ
dQ .1\u2212= (Eq.2.4) 
 
PHD-307 Hidrologia Aplicada 
Hidrograma Unitário 
 
 
 
Prof. Dr. Rubem La Laina Porto Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Eng. Silvana Susko Marcellini 
37
que integrada entre o tempo to e um tempo genérico t, fornece: 
 
).(
1