166_marx-karl-o-capital-1
1 pág.

166_marx-karl-o-capital-1


DisciplinaGeografia Econômica1.289 materiais18.721 seguidores
Pré-visualização1 página
panhar o desenvolvimento da expressão do valor contida na relação
de valor das mercadorias, de sua forma mais simples e sem brilho até
a ofuscante forma dinheiro. Com isso desaparece o enigma do dinheiro.
A relação mais simples de valor é evidentemente a relação de valor
de uma mercadoria com uma única mercadoria de tipo diferente, não
importa qual ela seja. A relação de valor entre duas mercadorias fornece,
por isso, a expressão mais simples de valor para uma mercadoria.
A) Forma Simples, Singular ou Acidental de Valor
x mercadoria A = y mercadoria B, ou: x mercadoria A vale y
mercadoria B.
(20 varas de linho = 1 casaco, ou: 20 varas de linho valem 1
casaco.)
1) Os dois pólos da expressão de valor: forma relativa de valor e forma
equivalente
O segredo de toda forma de valor encerra-se nessa forma simples
de valor. Na sua análise reside a verdadeira dificuldade.
Duas mercadorias diferentes, A e B, em nosso exemplo linho e
casaco, representam aqui, evidentemente, dois papéis distintos. O linho
expressa seu valor no casaco, o casaco serve de material para essa
expressão de valor. A primeira mercadoria representa um papel ativo,
a segunda um papel passivo. O valor da primeira mercadoria é apre-
sentado como valor relativo ou ela encontra-se sob forma relativa de
valor. A segunda mercadoria funciona como equivalente ou encontra-se
em forma equivalente.
Forma relativa de valor e forma equivalente pertencem uma à
outra, se determinam reciprocamente, são momentos inseparáveis, po-
rém, ao mesmo tempo, são extremos que se excluem mutuamente ou
se opõem, isto é, pólos da mesma expressão de valor; elas se repartem
sempre entre as diversas mercadorias relacionadas entre si pela ex-
pressão de valor. Eu não posso, por exemplo, expressar o valor do
linho em linho. 20 varas de linho = 20 varas de linho não é nenhuma
expressão de valor. A equação diz, ao contrário: 20 varas de linho são
nada mais que 20 varas de linho, um quantum determinado do objeto
de uso linho. O valor do linho pode assim ser expresso apenas relati-
vamente, isto é, por meio de outra mercadoria. A forma relativa de
valor do linho supõe, portanto, que alguma outra mercadoria a ela se
oponha na forma equivalente. Por outro lado, essa outra mercadoria,
que figura como equivalente, não pode ao mesmo tempo encontrar-se
em forma relativa de valor. Não é ela que expressa seu valor. Ela
fornece apenas o material à expressão do valor de outra mercadoria.
É verdade que a expressão 20 varas de linho = 1 casaco, ou 20
varas de linho valem 1 casaco, encerra também as relações contrárias:
1 casaco = 20 varas de linho, ou 1 casaco vale 20 varas de linho.
MARX
177