167_marx-karl-o-capital-1
1 pág.

167_marx-karl-o-capital-1


DisciplinaGeografia Econômica1.242 materiais18.384 seguidores
Pré-visualização1 página
Porém, assim preciso inverter a equação para poder expressar o valor
relativo do casaco, e tão logo eu faço isso, torna-se o linho equivalente
em vez do casaco. A mesma mercadoria não pode, portanto, aparecer,
ao mesmo tempo, sob ambas as formas na mesma expressão de valor.
Essas formas antes excluem-se polarmente.
Se uma mercadoria encontra-se sob a forma relativa de valor ou
sob a forma oposta, a forma equivalente, depende exclusivamente da
posição que essa mercadoria ocupe na expressão de valor, em cada
momento, ou seja, se é a mercadoria cujo valor é expresso ou aquela
na qual é expresso o valor.
2) A forma relativa de valor
a) Conteúdo da forma relativa de valor
Para descobrir como a expressão simples do valor de uma mer-
cadoria se esconde na relação de valor entre duas mercadorias, deve-se
considerar essa relação, de início, totalmente independente de seu lado
quantitativo. Procede-se, na maioria das vezes, justamente ao contrário,
e vê-se na relação de valor apenas a proporção na qual determinados
quanta de duas espécies de mercadoria se equiparam. Perde-se de vista
que as grandezas de coisas diferentes tornam-se quantitativamente
comparáveis só depois de reduzidas à mesma unidade. Somente como
expressões da mesma unidade, são elas homônimas, por conseguinte,
grandezas comensuráveis.97
Se 20 varas de linho = 1 casaco ou = 20 ou = x casacos, isto é,
se dado quantum de linho vale muitos ou poucos casacos, cada uma
dessas proporções implica sempre que linho e casaco, como grandezas
de valor, sejam expressões da mesma unidade, coisas da mesma na-
tureza. Linho = casaco é o fundamento da equação.
Mas as duas mercadorias quantitativamente equiparadas não de-
sempenham o mesmo papel. Apenas o valor do linho é expresso. E
como? Por meio de sua relação com o casaco como seu \u201cequivalente\u201d,
ou seu \u201cpermutável\u201d. Nessa relação, o casaco vale como forma de exis-
tência de valor, como coisa de valor, pois apenas como tal é o mesmo
que o linho. Por outro lado, a própria existência do valor do linho vem
à tona ou obtém uma expressão autônoma, pois somente como valor
pode o linho relacionar-se com o casaco como equivalente ou com ele
permutável. Assim, o ácido butírico é um corpo diferente do formiato
de propilo. Ambos, entretanto, são constituídos das mesmas substâncias
químicas \u2014 carbono (C), hidrogênio (H) e oxigênio (O), combinadas na
OS ECONOMISTAS
178
97 Os poucos economistas que, como S. Bailey, se ocuparam com a análise da forma de valor
não podiam chegar a nenhum resultado, primeiro porque confundem forma de valor e
valor, segundo porque eles, sob a influência crua do burguês prático, de início, consideram
exclusivamente a determinação quantitativa. \u201cA disposição sobre a quantidade (...) faz o
valor.\u201d (Money and its Vicissitudes. Londres, 1837. p. 11.) Autor S. Bailey.