2012.05.14 - Yoshino non-neutralidade da moeda
25 pág.

2012.05.14 - Yoshino non-neutralidade da moeda


DisciplinaEconomia Monetária652 materiais14.370 seguidores
Pré-visualização2 páginas
\ufffd
Este Trabalho consiste dos seguintes temas:
I) Fatos Estilizados acerca do Papel da Política Monetária na Atual Crise Mundial. Neste contexto, cabe mostrar: 
 O US Federal Reserve é novamente culpado pela atual Crise Mundial? Antes, segundo Friedman e Schwartz (1963), o FED agravou a Grande Depressão de 1929-33; 
 A ineficácia da Política Monetária para se tirar a economia da recessão: aumento do prêmio de risco das empresas cobrado nos juros do crédito, e o credit crunch (menos crédito disponível para as empresas), queda do multiplicador bancário, afetando o lado real da economia, e materializando o custo social da crise; e 
II) Com base nos fatos estilizados apresentados, cabe apresentar uma Proposta Preliminar de Modelagem da Não-Neutralidade da Moeda.
\ufffd
Fatos Estilizados da ATUAL Crise FINANCEIRA: 
Motivação para uma Modelagem Monetária e Bancária
Argumento de Taylor (2011): 
 US FED violaram os princípios econômicos básicos de Política Monetária ao fixar juros muito baixos e, por muito tempo. 
 A abundância de crédito provocou uma bolha (buble) no setor imobiliário, e a consequente securitização do crédito no mercado global (pirâmide com derivativos) permitiu magnificar uma crise local numa crise mundial ao espalhar ativos financeiros tóxicos. 
\ufffd
Os juros fixados pelo FED respeitaram a regra de Taylor até o ano de 2000. Mas, depois, ficaram sempre abaixo, após o atentado terrorista em NY, em Sep. 11, 2001. Poole (2007) - President of FED St. Louis.
\ufffd
Com abundancia do crédito, os imóveis ficam supervalorizados, e cai a inadimplência dos mutuários. Mas, com o aumento dos juros pelo FED, os preços dos imóveis caem e o mutuário exerce a opção de calote no crédito, pois o valor do ativo financiado fica menor do que a dívida. 
 
\ufffd
Países Europeus exageraram também na política monetária. Depois, estes países tiveram as piores crises, inclusive na rolagem da sua dívida pública. 
 \ufffd
Nas crise, os bancos só emprestam para as excelentes empresas e deixam de atender as firmas com alto risco. Estas sofrem do aumento do prêmio de risco cobrado nos juros dos empréstimos (credit crunch).
\ufffd
Outro sinal da crise se manifesta no aumento do risco na intermediação financeira capturado pelo TED (spread entre a taxa libor e o risk free- OIS overnight indexed swap). No Brasil, seria o spread entre Overnight e CDI. Empresas e bancos sofrem do aumento no prêmio de risco: sofrem da desintermediação bancária. Trata-se do canal pela qual a crise financeira produz efeitos reais. Em suma: a moeda não é neutra, pois produz efeitos reais. 
 
\ufffd
\ufffd
II. Proposta Preliminar de Modelo com Não-Neutralidade da Moeda 
Este modelo procura capturar os seguintes fatos estilizados apresentados acima: 
A moeda afeta a alocação de recursos (não-neutralidade da moeda);
Quando ocorre o aumento do prêmio de risco, este é imputado nos juros do crédito, aumenta o spread (diferença) dos juros bancários; 
Este fenômeno produz o credit crunch (menos crédito disponível para as empresas): ineficácia da política monetária com a queda do multiplicador bancário; e
O resultado deste modelo é uma metodologia para a estimação do custo social (perda de bem-estar) da atual crise devido ao papel do Banco Central na sua política monetária: triângulo de Harberger.
\ufffd
O Modelo de Não-Neutralidade da Moeda
A economia é competitiva e não há incerteza. O recurso escasso é a força de trabalho disponível de cada indivíduo. Não existe capital. 
Cada família tem disponível uma unidade de tempo (1), que é alocada para: 
 Produzir bens de consumo (ct) no tempo (t); 
 Para fazer compras ou shopping time (st); e
 Exercer a atividade de intermediação financeira ao captar depósitos dispersos geograficamente e fazer empréstimos. Esta atividade requer recursos reais (kbt)	para atrair depósitos dispersos geograficamente e fazer concessão de empréstimos ao setor produtivo com base na análise do risco de crédito do cliente. 
\ufffd
1 = ct + st + kbt 		 	 	 (1)
Para captação de depósito remunerado pelo banco (dt), há necessidade de recursos reais na forma de agências bancárias e funcionários (kbt) com a seguinte função de produção: 
kbt = g(dt) 		 (2)
Nesta modelagem, recursos escassos são usados na intermediação financeira. Assim, a moeda não é neutra: desvia-se recursos reais do consumo para a intermediação financeira. Obtém-se menor nível de utilidade ou queda do excedente do consumidor (custo social). 
\ufffd
As preferências dos indivíduos (aversão ao risco constante) dependem apenas do consumo
 (3)	 
Onde: \u3b1 é a aversão relativa ao risco. \u3b2 é o usual fator de desconto da utilidade ; onde é a taxa de impaciência em postergar consumo. 
Com base em McCallum e Goodfriend (1987), Lucas (1993), Yoshino (1993), temos uma tecnologia de transação. Os agentes usam papel-moeda (mt) e depósitos (dt) de modo a poupar tempo em transações (st) e viabilizar um fluxo de consumo (ct). Assim, temos: 
 (4)
Conforme Lucas (1993), esta tecnologia de transações é uma formulação em equilíbrio geral da não-neutralidade da moeda e é capaz de reproduzir os clássicos modelos de demanda de dinheiro em equilíbrio parcial propostos por Baumol (1952), Fama (1980), Miller e Orr (1966). 
Temos a seguinte restrição orçamentária dos bancos: a receita de juros nos empréstimos menos as despesas de juros nos depósitos, cobrem os custos operacionais e restam lucro competitivo. 
 (5)
Onde: \u3b5t é o lucro dos bancos, Rl é o juro nominal nos empréstimos; lt é o montante dos empréstimos; Rd é o juro nominal pago nos depósitos; é o montante real dos depósitos captados; ; z é a reserva bancária; (kbt) são os recursos reais usados	para se atrair depósitos. 
Temos que os empréstimos lt são oriundos dos depósitos dt líquido dos compulsórios (z). 
 (6)
A restrição orçamentária do Governo é dada por
)
=(7)
Onde: é a taxa de inflação ; ht é a receita inflacionária do BC na sua base monetária (mt + zdt); ; 
Pela Lei de Walras e usando as condições (1,2, 4 e 6), temos a restrição orçamentária da família 
 (8) 
Os indivíduos e bancos resolvem os seguintes problemas nesta economia: 
1) O indivíduo nesta economia competitiva e com não-neutralidade da moeda maximiza a sua utilidade (eq. 3) ao escolher a alocação do seu tempo para produzir bens, fazer intermediação financeira, fazer compras, escolher a forma de poupança em moeda e depósito e sujeito à sua restrição orçamentária (eq. 8). 
2) O banco maximiza o seu lucro (eq. 5 sujeita à eq. 6) ao escolher a quantidade ótima de depósito. Assim, temos
 (9)
A quantidade ótima de depósitos é obtida quando a receita marginal nos empréstimos é igualada ao custo marginal total de capitação de depósitos composto dos juros pagos nos depósitos , custo marginal operacional em termos de recursos adicionais e imposto inflacionário pago nas reservas bancarias . Ademais, temos que o juro nominal nos empréstimos e depósitos são dados por: 
 (10a)
 (10b)
O juro nominal nos empréstimos é composto do juro real , cobrado nos empréstimos, mais inflação e prêmio de risco O juro nominal nos depósitos é composto do juro real , pago nos depósitos, mais inflação e prêmio de risco 
Aqui, o spread (diferença) entre os juros dos empréstimos e dos depósitos é obtido ao usar as equações (9), (10a) e (10b)
 (11)
Nesta economia, a moeda é não-neutra: tem efeitos reais, devido as seguintes distorções: sistema de reservas fracionárias (z), inflação , recursos reais usados na intermediação financeira e imposto inflacionário na reserva bancária . 
Na crise, aumenta o prêmio de risco , e ficam maiores: i) os juros pagos nos empréstimos em relação a