[Prof. Carlão] TRABALHO PROCESSAMENTO - BAUXITA
12 pág.

[Prof. Carlão] TRABALHO PROCESSAMENTO - BAUXITA


DisciplinaProcessamento de Minerais I206 materiais2.052 seguidores
Pré-visualização3 páginas
PP= Peso do picnômetro vazio com rolha 
PP+M= Peso do picnômetro mais minério 
PP+A= Peso do picnômetro mais água 
PP+M+A= Peso do picnômetro com minério e água 
 
 
 
 
 
 
 
 
Picnômetro: 2 
 Peso(Gr) 
Picnômetro vazio com rolha 41,40 
Picnômetro com minério 56,45 
Picnômetro com minério+ água 105,34 
Picnômetro com água 97,30 
Com isto chegamos ao resultado: 
 
 
Densidade 
Relativa(g/cm³) 
Picnômetro 1 2,1296875 
Picnômetro 2 2,146932953 
Picnômetro 3 2,115987461 
 Média 2,130869305 
 
 
A densidade da bauxita é de 3,94g/cm³, contudo devido a alterações de 
composição, erros de medição e de manuseio a densidade relativa da bauxita foi de 
2,13g/cm³. 
 
 
II) BRITAGEM 
 
1. Procedimentos Experimentais: 
 
a) Britagem. Utilizando uma quantidade de bauxita, anteriormente peneirada, 
que estava guardada no laboratório, foram realizados os seguintes 
procedimentos. A bauxita estava estocada num saco, sendo assim foi pesado o 
saco e depois se pesou o saco com a bauxita, obtendo então a massa do 
minério. Este minério foi então submetido à britagem num britador de 
mandíbulas, e o resultado da britagem foi posteriormente submetido a um 
peneiramento vertical com o intuito de determinação da curva granulométrica 
(de partição) do citado material. 
 
b) Amostragem. Como a quantidade de bauxita britada era muito grande para a 
utilização da peneira vertical, necessitou-se de imediato de uma amostragem 
do material britado, logo, foram realizados alguns procedimentos para evitar 
erros na amostragem. A fim de diminuir os erros na amostragem realizou-se 
primeiramente o quarteamento da amostra, com objetivo de reduzir a massa de 
bauxita britada, e ao mesmo tempo diminuir os erros de segregação, sendo 
assim, foram realizadas quatro etapas de quarteamento utilizando uma esteira 
de borracha. Porém, mesmo utilizando a esteira de borracha a massa da 
bauxita ainda era muito alta para o peneiramento vertical, logo, optou-se pela 
utilização do quarteadorJhones que reduziu a massa pela metade, esta massa 
foi então submetida ao peneiramento vertical. 
 
c) Peneiramento Vertical e Curva de Distribuição Granulométrica. Para 
o peneiramento vertical foi escolhida a seguinte sequência de peneiramento, 
baseando-se no maior tamanho de partícula: 12,5 mm; 9,5 mm; 6,30 mm; 3,36 
mm; 1,0 mm; 0,212 mm; 0,150 mm; 0,106 mm; 0,053 mm. Após realizar o 
peneiramento vertical, todo material retido em cada peneira foi pesado 
utilizando uma balança de precisão, e os pesos foram transformados em 
porcentagem do total e passaram a ser chamados de retido acumulado, logo, 
foi possível a realização da curva de distribuição granulométrica Passante 
Acumulado (%) X Abertura da Peneira (mm). 
 
 
 
2. Análise e Discussão dos Resultados: 
 
No presente item serão demonstrados os cálculos e análises realizadas na 
determinação das massas obtidas nas amostragens e na britagem, além da 
representação da curva granulométrica e os respectivos cálculos competentes a tais. 
 
a) Pesagem antes da britagem: 
 
- Tara do saco do material em estoque = 0,06 kg 
- Material em estoque + saco = 8,16 Kg 
Logo 
- Massa do Material em estoque = 8,16 Kg \u2013 0,06 Kg = 8,10 Kg 
Após pesado, o material passou pela britagem num britador de mandíbulas, e 
foi novamente pesado, porém desta vez foi utilizado um balde como recipiente, sendo 
assim, 
- Tara do balde do material britado = 0,58 Kg 
- Massa do Material britado + balde = 8,60 Kg 
Logo, 
- Massa do Material britado = 8,60 Kg \u2013 0,58 Kg = 8,02 Kg 
Como a massa do material em estoque era de 8,10 Kg e a massa do material 
após ser britado foi de 8,02 Kg, pode-se observar que houve uma perda de material 
dada por, 
- Perda de Material = Massa do Material em estoque \u2013 Massa do Material 
britado = 8,10 Kg \u2013 8,02 Kg = 0,08 Kg = 80 g. 
 
b) Homogeneização em esteira e quarteamento: 
- Quantidade do Primeiro quarteamento = Massa do Material britado / 4 = 8,02 
Kg / 4 = 2,005 Kg, porém como é escolhida uma diagonal que é composta de duas 
partes do quarteamento, então foi recolhido 4,01 Kg. 
- Quantidade do Segundo quarteamento = Quantidade do Primeiro 
quarteamento/ 4 = 4,01 Kg / 4 = 1,0025 Kg, porém como é escolhida uma diagonal que 
é composta de duas partes do quarteamento, então foi recolhido 2,005 Kg. 
- Quantidade do Terceiro quarteamento = Quantidade do Segundo 
quarteamento/ 4 = 2,005 Kg / 4 = 0,501 Kg, porém como é escolhida uma diagonal que 
é composta de duas partes do quarteamento, então foi recolhido 1,0025 Kg. 
- Quantidade do Quarto quarteamento = Quantidade do Terceiro quarteamento/ 
4 = 1,005 Kg / 4 = 0,25125 Kg, porém como é escolhida uma diagonal que é composta 
de duas partes do quarteamento, então foi recolhido 0,501 Kg. 
 
c) Peneiramento Vertical e Curva de Distribuição Granulométrica: 
Após chegar a uma quantidade de bauxita viável ao peneiramento vertical, foram 
determinadas as seguintes peneiras e colocadas para peneirar durante 15 minutos, 
sendo assim chegaram-se aos seguintes resultados demonstrados na Tabela.01 
abaixo. 
Abertura da Peneira (mm) Material Retido (g) 
12,50 25 
9,50 20 
6,30 70 
3,36 100 
1,00 140 
0,212 100 
0,150 20,01 
0,106 12,07 
0,053 10,02 
< 0,053 mm 4,9 
 
 
 
 
0,00 % 
10,00 % 
20,00 % 
30,00 % 
40,00 % 
50,00 % 
60,00 % 
70,00 % 
80,00 % 
90,00 % 
100,00 % 
1 100 
P
as
sa
n
te
 A
cu
m
u
la
d
o
 (
%
) 
Abertura da Peneira (mm) 
Logo, foi gerada a seguinte Tabela.02. 
Distribuição Granulométrica \u2013 Bauxita 
Abertura (mm) Massa (g) % Ret.Simp. % Ret.Acum. % Pas.Acum. 
12,50 25 4,98 % 4,98 % 95,02 % 
9,50 20 3,98 % 8,96 % 91,04 % 
6,30 70 13,94 % 22,91 % 77,09 % 
3,36 100 19,92 % 42,83 % 57,17 % 
1,00 140 27,89 % 70,72 % 29,28 % 
0,212 100 19,92 % 90,64 % 9,36 % 
0,150 20,01 3,99 % 94,62 % 5,38 % 
0,106 12,07 2,40 % 97,03 % 2,97 % 
0,053 10,02 2,00 % 99,02 % 0,98 % 
< 0,053 mm 4,9 0,98 % 100,00 % 0,00 % 
TOTAL 502 100 ------------------ ------------------ 
Utilizando a tabela acima, foi gerada a distribuição granulométrica abaixo: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Foi possível então concluir que aproximadamente 80% do material é passante 
para uma abertura de peneira de 6,30 mm. Ou seja, praticamente 80% do material 
após ser britado no britador de mandíbula utilizado estão abaixo de 6,30 mm. 
 
 
 
III) MOAGEM 
 
A realização da moagem da bauxita se deu a úmido. Para tanto, utilizou-se o 
moinho de bolas, com 40% de seu volume ocupado por bauxita e bolas metálicas e 
cujas dimensões do aparelho são as seguintes: 
\uf0b7 D = 20,4cm 
\uf0b7 H = 20cm 
\uf0b7 Volume Total=\u3c0D².H/4 = 0,65.10-²m³ 
\uf0b7 Volume Útil = 0,65.10-².0,4 = 0,26.10-² = Volume material + Volume 
bolas 
 
Antes de iniciar a moagem fez-se a ambientação do moinho e das bolas com 
um pouco de bauxita, a fim de evitar contaminação do material a ser moído 
posteriormente; lavou-se os mesmos e inseriu-se água e minério nas quantidades 
calculadas a seguir: 
\uf0b7 Densidade real bolas (Drb) = 6800kg/m³ (Densidade do material que 
compõe as bolas, nesse caso aço); 
\uf0b7 Densidade aparente bolas (Dapb) = 4600kg/m³ (Densidade que leva em 
conta os espaços vazios entre as bolas); 
\uf0b7 Densidade da água (Da) = 1000[kg/m³]; 
\uf0b7 Volume Útil (Vu): Volume do moinho a ser preenchido; 
\uf0b7 Volume de polpa (Vp): Volume de minério mais Volume de água no 
interior do moinho; 
\uf0b7 A relação mássica minério/água admitida é 0,6/0,4; 
\uf0b7 A Densidade do Minério (Dm) foi dada pela média aritmética das 
densidades de 3 amostras do mesmo minério, logo, 
 
D1 = 13,63 [kg] / 6,40 [d³] = 2,13 [kg/d³] ; 
D2 = 15,05 [kg] /7,01 [d³] = 2,147 [kg/d³]; 
D3 = 13,5 [kg] / 6,40 [d³] = 2,116 [kg/d³]; 
Portanto, 
 Densidade do Minério (Dm) = 2,131 [kg/d³] 
 
\uf0b7 Carga de Bolas(Mb) = Volume Útil . Densidade aparente bolas 
Mb = 0,26.10-²m³. 4600kg/m³ 
Mb = 11,96Kg 
 
\uf0b7 Volume real bolas(Vrb) = Carga de Bolas / Densidade real bolas 
Vrb = 11,96[kg]/6800[kg/m³] 
Vrb = 0,18.10-²m³