ANTROPOLOGIA E SOCIOLOGIA AV1
4 pág.

ANTROPOLOGIA E SOCIOLOGIA AV1


DisciplinaAspectos Antropológicos e Sociológicos da Educação4.596 materiais37.109 seguidores
Pré-visualização2 páginas
do trabalho social, com a conseqüente especialização de funções. Neste contexto é mais fraca a consciência coletiva, com maior autonomia dos indivíduos. A escola se torna importante pq vira instrumento de socialização. 
A EDUCAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE SOCIALIZAÇÃO (A educação deve criar no homem um ser novo: o ser social.)
Numa sociedade em que o individualismo compete com a consciência coletiva, a educação assume o significado de educação moral. Assim, ela seria de vital importância para a manutenção da coesão social, na concepção de Durkheim. A escola transmite além do conteúdo do programa os valores morais.
Além de exercer coerção sobre os indivíduos, a educação também não é uma criação individual, pois os costumes e as ideias que determinam o tipo de educação reguladora, são produzidos pela coletividade e manifestam as suas necessidades.
Aprender a ser um engenheiro ou um médico, para o francês Durkheim, não significa apenas fazer plantas e cálculos, ou aprender anatomia humana. Ao ingressar nas universidades os indivíduos aprendem, também, como médicos e engenheiros estabelecem suas relações sociais próprias. A escolha da profissão passaria a ser uma maneira particular de se ingressar em determinado meio moral.
O médico não aprende só a fazer diagnóstico mas como se comporta na sociedade.
Sociedades Mecânicas
Sociedades Orgânicas
As duas parecidas com Solidariedade Mecânica e Orgânica
A SOCIOLOGIA DE KARL MARX (1818-1883) Alemão Precursor do movimento Socialista 
A obra de Marx também teve influência sobre a construção do primeiro regime socialista a ser instituído na história recente da humanidade. Esta experiência se daria na Rússia, em 1917, ano em que o partido bolchevique, liderado por Lênin, no comando de um movimento revolucionário instituiria naquele país um projeto socialista de inspiração marxista.
A DIALÉTICA 
A dialética é uma corrente filosófica, que tem sua origem na filosofia grega, com Heráclito de Éfeso e se estrutura afirmando a contradição como a própria substância da realidade. Esta se superaria num processo incessante de negação, conservação e síntese. Aplicada aos fenômenos historicamente produzidos, a ótica dialética cuida de apontar as contradições constitutivas da vida social que resultam na negação de uma determinada ordem.
Para Marx, esta \u201cluta de classes\u201d seria o principal combustível para as transformações nas sociedades humanas. Este modo de pensar a sociedade daria origem a um novo conceito elaborado por Marx, que seria o materialismo histórico. Na prática, uma aplicação da dialética materialista ao estudo da história humana.
Karl Marx agrega esse princípio da Dialética ao materialismo dando origem ao:
O MATERIALISMO DIALÉTICO
Para Marx, ao contrário, o movimento do pensamento é o reflexo do movimento real, transportado para a mente do homem. A partir daí, passaria a se desenvolver um movimento de interação e transformação recíprocos entre o pensamento e a realidade material. 
O MATERIALISMO HISTÓRICO
O método de abordagem da vida social, elaborado por Marx, foi chamado posteriormente de Materialismo Histórico. De acordo com tal concepção, as relações materiais que os homens estabelecem entre si, o modo como produzem os seus meios de vida, formam a base de todas as suas relações.
\u201cAs formas como os indivíduos manifestam a sua vida refletem muito exatamente aquilo que são. O que são coincide, portanto, com sua produção, isto é, tanto com aquilo que produzem como com a forma como produzem. Aquilo que os indivíduos são depende, por conseguinte, das condições materiais de sua produção (Marx, Karl. A Ideologia Alemã, pg.19).\u201d
\u2013 A sociedade humana era vista por Marx como: OS MODOS DE PRODUÇÃO
Entende-se por modo de produção a maneira pela qual os homens obtêm seus meios de existência material, isto é, os bens de que necessitam para viver. Na história podemos distinguir alguns modos de produção como o escravismo na antiguidade, o feudalismo, o capitalismo e o socialismo. Os modos de produção de uma sociedade dependem do estágio das forças produtivas e do desenvolvimento das relações de produção.
FORÇAS PRODUTIVAS
O conceito de forças produtivas refere-se aos instrumentos e habilidades utilizados na produção material, possibilitando o controle da natureza. Seu desenvolvimento é cumulativo.
RELAÇÕES DE PRODUÇÃO
A idéia de relações sociais de produção implica em diferentes formas de organização da produção, da distribuição, da posse e da propriedade dos meios de produção; bem como as suas garantias legais, constituindo-se dessa forma no substrato para a estruturação das classes sociais. De forma sintética, seriam as relações estabelecidas pelos indivíduos entre si e com o grupo, para a organização do trabalho social.
A LUTA DE CLASSES
A presença de diferentes classes sociais nos diversos modos de produção, com interesses muitas vezes antagônicos, levou Marx a considerar a luta de classes como o fator de motivação das transformações da história humana. No capitalismo a duas classes predominantes são a burguesia e o proletariado.
Para Marx, esta \u201cluta de classes seria o motor da história\u201d. Este modo de pensar a sociedade representaria a base do materialismo histórico, que corresponde a aplicação da dialética materialista ao estudo da história humana. 
De acordo com Marx, a história humana é uma história das lutas entre as classes.