WL-P & R-04-Direito Constitucional-09-Os Princípios do Estado de Direito-006
2 pág.

WL-P & R-04-Direito Constitucional-09-Os Princípios do Estado de Direito-006


DisciplinaDireito Constitucional I66.081 materiais1.525.606 seguidores
Pré-visualização1 página
Waldeck Lemos 
Perguntas & Respostas 
 
Disciplina: 
Direito Constitucional 
Folha: 
1 de 2 
 
Perguntas & Respostas/WLAJ/DP 
QUESTÕES 
 
Fonte: CRETELLA JUNIOR, J. e CRETELLA NETO, J. - 1.000 Perguntas e Respostas de Direito 
Constitucional \u2013 Editora Forense Jurídica (Grupo GEN). 
 
CAPÍTULO 09 - OS PRINCÍPIOS DO ESTADO DE DIREITO 
 
01) Em que consiste o direito à privacidade? 
R.: Direito à privacidade é espécie de direito individual, conexo ao direito à vida, que consiste em resguardar 
informações sobre o indivíduo, que sobre elas mantém controle, e não deseja revelá-las, a ninguém, ou somente a 
pessoas de sua escolha, incluindo sua vida familiar, profissional e social. 
 
02) Quais os direitos assegurados pela atual CF, cujo objeto imediato é a liberdade? 
R.: Os direitos constitucionalmente assegurados, cujo objeto imediato é a liberdade, são: a) o de locomoção; b) o 
de pensamento; c) o de reunião; d) o de associação; e) o de profissão; f) o de ação; g) o de liberdade sindical; e h) 
o de greve. 
 
03) Em que consiste o direito à liberdade de locomoção? 
R.: O direito à liberdade de locomoção, isto é, o direito de, em tempo de paz, ir, vir, e ficar, consta do art. 5.º, XV, 
da CF, e consiste em assegurar ao indivíduo a movimentação e a permanência em qualquer ponto do país, nele 
podendo entrar, permanecer ou dele sair com seus bens, resguardados os direitos de terceiros e da sociedade em 
geral. 
 
04) Em que consiste o direito à liberdade de pensamento? 
R.: O direito à liberdade de pensamento, isto é, o direito às próprias convicções e à sua ampla expressão, consta 
dos arts. 5.º, incisos IV, V, VI, VIII, IX e XII, e 220, caput e §§ 1.º, 2.º, e 6.º, da CF, consiste em assegurar ao 
indivíduo a possibilidade de manifestar o pensamento, exprimir a atividade intelectual, artística, científica e a de 
comunicação, praticar qualquer religião, filiar-se a partido ou associação de qualquer tendência política ou 
filosófica, sem sofrer censura, sem necessitar de licença prévia, e sem restrições a outros direitos, em virtude do 
exercício desses. 
 
05) Quais os limites impostos à liberdade de pensamento? 
R.: Quanto à liberdade de manifestação do pensamento, deverá o autor identificar-se (art. 5.º, IV), pois, ao 
permanecer no anonimato, poderia atacar alguém, sem lhe dar oportunidade de defesa; quanto à crença religiosa 
e a convicções filosóficas e políticas, é vedado invocá-las para fugir ao cumprimento de obrigação legal a todos 
imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei (art. 5.º, VIII), como, por exemplo, o serviço 
militar obrigatório; de modo geral, o exercício de quaisquer direitos está subordinado ao respeito à ordem pública e 
aos bons costumes; quando esses pensamentos são dirigidos a terceiros, por qualquer forma sigilosa 
(correspondência fechada), esse sigilo há de ser respeitado, exceto o das comunicações telefônicas que, por 
ordem judicial, podem ser violadas. 
 
06) A regulamentação das diversões e espetáculos, por parte do Poder Público, contraria a norma constitucional 
(CF, art. 220, § 2.º) que proíbe a censura? 
R.: Não. A regulamentação das diversões e espetáculos públicos, classificando-os segundo a idade dos 
espectadores, e determinando horários e locais adequados para apresentações, para que não violem os valores 
éticos e sociais da pessoa e da família, é objeto de lei federal ordinária (art. 220, § 3.º), serve de proteção à 
sociedade, não se confundindo com a censura arbitrária. 
 
07) Quais as conseqüências jurídicas da garantia constitucional de inviolabilidade da correspondência? 
R.: Além de sujeitar o infrator às penas da lei criminal, quaisquer provas obtidas por meio de violação não 
autorizada serão consideradas ilícitas, e não poderão ser aceitas em juízo (art. 5.º, LVI). 
 
08) Em que consiste o direito à liberdade de reunião? 
R.: O direito à liberdade de reunião, que consta do art. 5.º, XVI, consiste na autorização constitucional para que as 
pessoas possam encontrar-se, de forma ocasional ou periódica, mas descontínua, pacífica e em locais abertos ao 
público, independentemente de autorização da autoridade competente, com a finalidade de discutir idéias ou 
assumir posições em conjunto. 
 
Waldeck Lemos 
Perguntas & Respostas 
 
Disciplina: 
Direito Constitucional 
Folha: 
2 de 2 
 
Perguntas & Respostas/WLAJ/DP 
 
09) Que restrições sofre o direito à liberdade de reunião? 
R.: A reunião deverá ser pacífica, e as pessoas reunidas, desarmadas, devendo avisar previamente a autoridade 
competente; tampouco poderão frustrar reunião anteriormente convocada para o mesmo local público e horário. 
 
10) Em que consiste o direito à liberdade de associação? 
R.: O direito à liberdade de associação, que consta do art. 5.º, incisos XVII a XXI, consiste na autorização 
constitucional para que associações de pessoas possam ser constituídas, e funcionem, de forma organizada, 
contínua e lícita, somente podendo ser dissolvidas em virtude de decisão judicial transitada em julgado; a criação 
de associações e de cooperativas, na forma da lei, independe de autorização do Poder Público. 
 
 
==XXX==