2000JA-UFFTesedeMestradodeJefersondeAzevedo.PRN-1
120 pág.

2000JA-UFFTesedeMestradodeJefersondeAzevedo.PRN-1

Pré-visualização21 páginas
55
6.1 Amostragem do composto orgânico de resíduos sólidos
urbanos e análise estatística dos dados 55
6.2 Análises laboratoriais químicas e tratamento das amostras 55
6.2.1 Determinação da umidade 56
6.2.2 Determinação da granulometria 56
6.2.3 Determinações analíticas 57
6.3 Classificação do composto orgânico segundo os
 resultados analíticos 58
6.4 Avaliação do custo do transporte no sistema de beneficiamento
de Irajá 58
6.5 Avaliação do valor agrícola e comercial do FERTILURB 58
6.6 Cálculo da quantidade de FERTILURB necessário para
adubar ou reflorestar as áreas de campo antrópico no
Município do Rio de Janeiro 59
6.7 Cálculo da taxa de desvio da usina de Irajá 59
6.8 Tratamento dos dados 59
9
7 RESULTADOS E DISCUSSÃO 60
7.1 Características químicas e físicas do FERTILURB 60
7.1.1 Metais pesados no FERTILURB 75
7.1.2 Parâmetros do FERTILURB 80
7.1.2.1 Interpretação dos resultados analíticos do FERTILURB,
das Usinas de Irajá, Caju e Jacarepaguá 80
7.1.2.2 Granulometria do FERTILURB 85
7.2 Avaliação econômica de alguns parâmetros do FERTILURB 87
7.2.1 Custo do transporte no beneficiamento do FERTILURB 87
7.2.2 Custo de produção do composto orgânico e do FERTILURB 89
7.2.3 Preço agrícola do FERTILURB 90
7.2.4 Preço comercial do FERTILURB 93
7.3 Uso do FERTILURB 100
7.4 Cálculo da taxa de desvio dos resíduos sólidos urbanos
para o Aterro de Gramacho 101
7.5 Vantagens da compostagem de resíduos sólidos urbanos
no sistema de beneficiamento de resíduos sólidos
urbanos de Irajá 104
8 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 105
8.1 CONCLUSÕES 105
8.2 RECOMENDAÇÕES 107
9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 108
10
LISTA DE TABELAS
Tabela 1 Composição gravimétrica percentual dos resíduos sólidos
 urbanos em países em desenvolvimento e na Alemanha 25
Tabela 2 Composição gravimétrica percentual dos resíduos sólidos
 urbanos no Brasil e cidades brasileiras de diferentes
 portes, entre o período de 1990 \u2013 1995 26
Tabela 3 Percentagens da destinação final de lixo no Brasil, segundo
as Grandes Regiões do Brasil (1989) 27
Tabela 4 Composição gravimétrica percentual do lixo da Cidade do
 Rio de Janeiro (1981 a 1998) 29
Tabela 5 Sistemas de compostagem de lixo no país, segundo os
Estados da Federação/Localidade 37
Tabela 6 Situação das usinas de beneficiamento de resíduos
 sólidos urbanos no Estado do Rio de Janeiro \u2013 1999 39
Tabela 7 Fontes de metais pesados nos resíduos sólidos urbanos 43
11
Tabela 8 Limites de tolerância de metais pesados em compostos
orgânicos de resíduos sólidos urbanos, segundo alguns
países 45
Tabela 9 Teores de metais pesados em composto orgânico de
lodo de esgoto, segundo ANDREOLI et al. (1997) 46
Tabela 10 Relação dos bairros atendidos pela Usina de Irajá,
no Município do Rio de Janeiro 48
Tabela 11 Teores médios, máximos, mínimos, desvios padrões e
 as variâncias das características físicas e químicas do
 FERTILURB da Usina de Irajá 66
Tabela 12 Concentrações dos teores de metais pesados no
 FERTILURB da Usina de Irajá \u2013 (11/08/98 à 18/06/99) 68
Tabela 13 Características físicas e químicas do FERTILURB
da Usina de Irajá \u2013 (1995 à 1998/1999) 71
Tabela 14 Concentrações dos teores de metais pesados no
FERTILURB da Usina de Irajá \u2013 (1994 \u2013 1997 \u2013
1998/1999) 74
Tabela 15 Teores médios, desvios padrões e intervalos de variação
 das concentrações de metais pesados no FERTILURB,
em comparação com as legislações de alguns
países e outros estudos 76
Tabela 16 Interpretação dos resultados analíticos do FERTILURB
produzido pelas Usinas de Irajá (1998/1999, 1997, 1996
e 1995), Jacarepaguá (1996) e Caju (1996), segundo a
metodologia de KIEHL & PORTA (1981) 81
12
Tabela 17 Análise granulométrica do FERTILURB retido em cada
 uma das peneiras 85
Tabela 18 Cálculo da distribuição dos grânulos e do diâmetro
médio do FERTILURB 86
Tabela 19 Concentrações de NPK transferidas ao solo pela aplicação
 de 10, 15 e 20 t/ha do FERTILURB 91
Tabela 20 Comparação dos nutrientes (nitrogênio, fósforo e
potássio) NPK, no composto orgânico de resíduos
sólidos urbanos, com as formulações de fertilizantes
minerais mais comercializadas, de acordo com KIEHL
 (1998) 92
Tabela 21 Composição dos fertilizantes minerais, preços dos
 nutrientes em dólares por tonelada 93
Tabela 22 Preço do FERTILURB da Usina de Irajá ao longo
do estudo, segundo os nutrientes minerais (nitrogênio,
fósforo e potássio) 94
Tabela 23 Preço agrícola do FERTILURB produzido pelas Usinas
de Irajá (1995, 1996, 1997 e 1998/1999), Usina de
Jacarepaguá (1996) e da Usina do Caju(1996), segundo
os nutrientes minerais nitrogênio, fósforo e potássio 97
Tabela 24 Valores comerciais dos compostos orgânicos de
 resíduos sólidos urbanos produzidos pelas
 usinas da COMLURB e algumas localidades 99
13
LISTA DE ILUSTRAÇÕES